• PT
  • EN

SET Nordeste 2018: tudo vai ter que evoluir junto com o 5G

Internet das Coisas e as mudanças que poderão acontecer com a implantação da tecnologia são analisadas no segundo dia do SET Nordeste

Um dos desafios da modernidade é o de manter redes de conexão sem falhas com a frequência disponível no mercado. O 5G surge como um assunto frequente, “mas sabemos que, de concreto, não é bem assim”, anunciou o moderador do painel, Geneflides Laureno, presidente da G4Flex Business & Services.

Para iniciar as discussões, Jose Raimundo Cristovam Nascimento, Diretor Técnico da UNISAT Consultoria, Engenharia e Treinamento e Vice-Diretor da regional Sudeste da SET fez um panorama da situação atual do 5G e cenários para a rede inteligente do futuro.“Nos últimos anos muito se fala em 5G, IoT, OTT, transformação digital, tecnologias disruptivas, virtualização de funções de rede (NFV), redes definidas por software, ‘fatiamento’ de rede, OSS/BSS, Big Data, Analytics, inteligência artificial, Machine Learning, Deep Learning, automatização e uma série de outros termos e conceitos não muito usuais para uma boa parte dos profissionais da área de broadcasting. Ao mesmo tempo, uma série de soluções que antes eram vendidas como produtos passaram a ser oferecidas através de modelos na nuvem como serviços, e então nos acostumamos com Software-as-a-service (SaaS), Platform-as-a-service (PaaS) e Infrastructure-as-a-service (IaaS). Nesse contexto, não só surgem novos serviços digitais e novos modelos de negócios, como cresce exponencialmente o tráfego nas redes, principalmente de conteúdos audiovisuais e se configura toda uma grande complexidade como desafio”, avaliou.

Jose Raimundo Cristovam Nascimento (UNISAT/SET)

Será que a Tecnologia 5G irá envolver tudo, ou a maior parte disso, não só para serviços móveis, mas para praticamente tudo em termos de telecomunicações, criando um novo ecossistema de aparelhos conectados em poucos anos? Haverá impactos para a área do audiovisual?

Cristovam responde que “Tudo vai ter que evoluir junto com o 5G. O ecossistema do 5G mexeu com praticamente todos os setores de serviços, de segurança, transporte, até casas conectadas e entretenimento”, enumera. “O problema do 5G é a manutenção”, disse mostrando imagens de um diário de viagem com relatos de sequencias de dificuldades das equipes quanto ao acesso físico para ajustar uma conexão em um ponto na região norte do Brasil.

Yaeko Osawa Chagas (Algar Telecom)

Para falar de possibilidades de conectividade em locais com dificuldade de cobertura, Yaeko Osawa Chagas, coordenadora de Vendas da Algar Telecom, explicou o funcionamento de um chip multi-connect que tem atuação em 5 operadoras brasileiras, desenvolvido especialmente para IoT, com maior durabilidade e garantia de melhor conectividade. “Ele acessa a conexão da operadora que está melhor naquele momento, evitando assim falhas de conexão”, explica.

 

Por Tainara Rebelo e Aurelio Alves (Fotos) em Fortaleza (CE), e Fernando Moura, em São Paulo (SP)

 

O SET Nordeste 2018 acontece os dias 17 e 18 de outubro, das  14h às 20h no Sebrae Fortaleza (CE).

Parceria: 

Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT)

Associação Cearense das Emissoras de Rádio e Televisão (ACERT)

Sebrae

Realização: Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET)