• PT
  • EN
  • ES

SET Sul apresenta novidades para produção de notícias

Painel sobre Produção de Jornalismo no SET Sul 2017. Foto: Fernando Mour.

O painel de Produção Jornalística foi moderado por José Frederico Rehme, diretor de Ensino da SET, e teve como palestrantes Marcelo Amoedo, diretor de Vendas da divisão de Broadcast da Intelsat; Ricardo Calderón, diretor comercial da Eutelsat do Brasil; e Laércio José Kazmierczak, coordenador de Projetos e Desenvolvimento de Sistemas de TV da RPC TV.

Marcelo Amoedo falou dos desafios e das mudanças criados por “novas demandas com a adaptação de produtos, que gera confiabilidade aos clientes, mas cria congestionamento do tráfico com falhas e interrupção de serviços. Por isso, pensamos em atender as demandas com segurança e reduzir os riscos com segurança com acesso às novas tecnologias com um nível de investimento menor”, na palestra “alcançar novos espectadores requer uma nova abordagem”

Frederico Rehme (com o microfone) modera o painel sobre Produção Jornalística no SET Sul 2017. Foto: Fernando Moura.

Uma das novidades apresentadas pelo executivo foi o IntelsatOne Prism, com conectividade simplificada com acesso básico a internet via Prism que permite a transmissão multimídia triple-play integrada com acesso automatizado para todos os serviços. “É uma solução que permite a previsibilidade e a redução de custos, um menor tempo de preparação com menos recursos em campo e conectividade com qualidade para transmissão de vídeo garantida.”

Veja a Programação Completa do SET SUL 2017

Ricardo Calderón explicou as potencialidades que a Eutelsat pode oferecer aos clientes e indicou como a posição orbital do satélite 65 West A pode ser uma excelente forma de realizar contribuição e transmissão de conteúdo com um satélite de 3 bandas (tri-band)  com 24 feixes em banda Ka das quais 16 estão no Brasil com cobertura integral em América Latina em Banda C e Ku.

Uma das novidades apresentadas pela Eutelsat é a contribuição digital via satélite com internet de banda larga com uma antena de apenas 96 cm e com um modem de IP conectado ao gateway. “Os Internet SNG funcionam com banda C ou Ka com taxas de transmissão de até 3 MBits”, detalhou Calderón.

Como utilizador de serviços, Laércio José Kazmierczak da  RPC TV mostrou aos presentes de que maneira a afiliada da Globo no Estado do Paraná realiza a produção jornalística. “O nosso desafio é o compartilhamento de mídia entre as afiliadas com agilidade e flexibilidade”, afirmou.

“Ontem, a TV era soberana. O jornalismo era ao vivo, mas tínhamos unidades móveis, micro-ondas, microlinks e SNGs para fazer as coberturas. Estes conceitos caem hoje porque não eram ágeis, eram caros e eram difíceis de operar. Agora, temos muitas alternativas técnicas, caras e baratas, com recursos diferentes, multiplataforma e altamente interativos, realizados em várias linguagens e com uma concorrência muito forte. Além disso, deixamos de ser soberanos, uma vez que muitos produzem áudio e vídeo. Por isso tudo, precisamos ser dinâmicos e rápidos e precisamos mudar as soluções para produtos mistos que permitem utilizar recursos diferentes”, argumentou.

Por Fernando Moura, em Curitiba (PR)