• PT
  • EN
  • ES

SET e Trinta é referência brasileira em Las Vegas

Edição 80
INFORME SET
SET e Trinta é referência brasileira em Las Vegas

O Encontro SET e trinta chegou a sua 15.ª edição com boa presença de público e palestrantes internacionais. Entre os temas, destaque para as tecnologias e soluções para broadcast, implantação da TV digital, além de um panorama completo dos serviços satelitais no brasil e no mundo.

A SET realizou a 15.ª edição do Encontro SET e Trinta, durante a NAB 2005, entre os dias 18 e 20 de abril. O evento foi realizado no Espaço Brasil, que é coordenado pela SET dentro do Las Vegas Convention Center. O encontro é feito mediante uma parceria entre a SET e a National Association of Broadcasters (NAB). O encontro tem o apoio de diversas empresas parceiras da SET, que realizaram apresentações durante o evento. A abertura do SET e Trinta contou com a presença de 175 participantes. A iniciativa é uma referência brasileira dentro do evento da NAB, o maior do mundo do setor de broadcast, sendo considerada um ponto de encontro entre os profissionais brasileiros que estavam em Las Vegas.
O evento também proporciona palestras internacionais, como a que aconteceu no segundo dia de atividades. O tema TV digital – da produção HD ao receptor: as visões européia, japonesa e americana. Na apresentação, representantes dos três padrões abordaram as experiências e aplicações feitas até o momento. Os palestrantes foram David Wood, Joe Flaherty e Hiroshi Asami, representando a EBU da Europa, a CBS dos Estados Unidos e a direção de tecnologia de broadcast do Ministério do Interior e Comunicações do Japão, respectivamente. Um dos fatores de destaque na sessão ministrada é de que, por enquanto, os campeonatos esportivos têm sido o foco das transmissões em HD.
No primeiro e terceiro dias de evento, as empresas que colaboraram com o SET e Trinta ministraram várias palestras. O primeiro tema dos seminários foi o Panorama do Setor de Satélite na Região e no Mundo. A apresentação foi feita pelo representante da New Skies Satellites, Jurandir Moreira Pitsch, que ofereceu uma visão geral do mercado de serviços satelitais, enfatizando o cenário sul-americano e brasileiro. Segundo ele, o mercado de serviços satelitais brasileiro cresce 4% ao ano.

Pitsch também expôs algumas estatísticas que dão a dimensão da competitividade do setor. Segundo Pitsch, existem 32 satélites autorizados a operar. Com relação à utilização ao uso, mais de 1,5GHz da capacidade atual dos satélites estão ocupados com canais de vídeo, dos quais cerca de 200 são digitais, enquanto 28 continuam analógicos. Estes números são referentes apenas aos canais que sobem no Brasil.
Outros pontos abordados na palestra foram a tendência de crescimento para cada tipo de aplicação e as diferenças entre banda C e Ku. A conclusão é de que ambas possuem o seu espaço, dependendo da aplicação e da região de cobertura.
Uma projeção sobre custos e crescimento da oferta e da demanda apontou uma tendência de equilíbrio para 2007 devido ao cancelamento de vários projetos para a região.
A palestra sobre o tema Monitoração e Gerenciamento da Emissora de Televisão Via Redes IP foi ministrada pelo engenheiro da Miranda/Libor, Daniel Diniz da Costa. Ele apontou o monitoramento e o gerenciamento dos sinais de vídeo que trafegam pela emissora, assim como o status operacional dos equipamentos instalados como o grande desafio, ao longo dos anos, para os engenheiros da área de TV. Segundo o palestrante, isso acontece por causa da variedade de equipamentos instalados, bem como a adoção de uma gerência proprietária por diferentes fabricantes, o que dificulta a implementação de um gerenciamento centralizado.
Essa situação mudou com a popularização das redes IP e a adoção por parte de diversos fabricantes do protocolo Simple Network Management Protocol (SNMP), que tornaram possível a implementação de um sistema de gerência e controle centralizado dos sinais de vídeo que trafegam pela emissora, bem como de grande parte dos equipamentos instalados. Geralmente, de acordo com Costa, os pontos cruciais de uma emissora de TV, como postos retransmissores ou uplinks/downlinks de satélites, estão localizados em área de difícil acesso e podem ser monitorados remotamente por meio de uma rede IP, evitando a necessidade de haver uma monitoração local, que nem sempre é possível.
Nesse sentido, a Miranda Technologies desenvolveu a tecnologia I Control, que permite o monitoramento do sinal de vídeo (vector e waveform) e o controle de diversos equipamentos (IRDs, encoders MPEG-2, transmissores, etc), instalados na emissora. A tecnologia I Control é baseada em IP e em SNMP.
O tema Novas Aplicações Via Satélite – Tendências Tecnológicas foi explorado pela PanAmSat (PAS) do Brasil.
Com a proposta de enfatizar a mudança progressiva nas diversas utilizações do satélite, como meio de transporte de telecomunicações, o palestrante destacou dois sistemas da PAS, o PanAmSat On Demand e o Store & Forward bi-direcional de transmissão de arquivos via satélite. O primeiro racionaliza a utilização de segmento espacial por meio do acesso sob demanda, que possibilita ao usuário a utilização da banda satelital de acordo com a sua aplicação e no momento em que ele necessite. Esse sistema suporta o VoIP, contribuição de vídeo e acesso à Internet, com alocação dinâmica de banda satelital, conforme a demanda e com custo proporcional à banda, bem como o tempo utilizado. O PAS On Demand pode ser utilizado por sistemas fixos ou móveis. No caso dos sistemas móveis, a PAS oferece um sistema fly-away, com antenas de 96cm ou 1,10m de diâmetro. Ambas as antenas são comissionáveis e, a partir do momento em que é feito o comando, elas apontam e iniciam a transmissão em até três minutos. O PAS On Demand foi demonstrado durante a NAB 2005.
Por sua vez, o sistema Store & Forward permite que os sinais de contribuição possam ser enviados ou recebidos em diversas regiões dispersas geograficamente, conectando-as em um teleporto da PAS, que é interligado ao ponto central desta rede de comunicação, ou seja, o cliente. O sistema realiza as transmissões em períodos do dia onde há menor tráfego na rede, otimizando a utilização dos recursos disponíveis e, conseqüentemente, tornando as transmissões mais baratas e confiáveis, pois o trabalho é feito com a garantia de entrega.
O último dia de atividades do SET e Trinta foi aberto com uma palestra coordenada pela Loral Skynet. A apresentação enfocou o mercado global de satélites no período de 2000 a 2003, mostrando a migração da banda C para a banda Ku e constatando que as aplicações de vídeo continuam sendo o carro-chefe do segmento.
Com relação ao mercado brasileiro, o destaque ficou para os clientes, que cada vez mais buscam soluções completas. Além disso, o setor desponta como uma janela de oportunidade para o mercado, pois os preços do segmento espacial na região estão entre os mais baixos do mundo devido a grande oferta de transponderes.
Outro ponto importante da palestra foi o questionamento do paradigma criado em torno da banda Ku no Brasil. O objetivo foi mostrar que há soluções técnicas, como maior potência dos satélites atuais e também a qualidade de ganho das antenas, que permitem que as aplicações ultrapassem os obstáculos sem problemas. Antigamente, as interferências causadas pela chuva era um dos problemas. O case da emissora norte-americana NBC foi mostrado como exemplo para comprovar o questionamento, pois ela usa a banda Ku para distribuição há 20 anos.
A Loral Skynet encerrou a apresentação com o lançamento de um pacote para as TVs regionais do Brasil, que inclui equipamentos de uplink de primeira linha na contratação de segmento espacial a partir de 4,5MHz.
Posicionamento dos diversos formatos de gravação. Esta foi a tônica da apresentação coordenada pela Sony, que possui duas posições distintas nesse tema, com as linhas para Standard Definition (SD) e High Definition (HD).
O formato XDCAM é referência da empresa na operação em SD. O formato é baseado na gravação em disco óptico com tecnologia Blu-Ray. O formato XDCAM tem mais de 6.000 unidades comercializada no mundo, incluindo 250 no Brasil. No País, as operações em SD nas emissoras de TV são concentradas nos formatos DVCAM (PV), para o mercado institucional, e DVCAM B&P, que atende o mercado profissional e broadcast. Mais de 5.800 unidades foram vendidas no Brasil.
Com relação ao HD, a palestra destacou os formatos de compressão e as taxas de cada um deles. O HDV é apresentado ao mercado como novo formato de gravação em 1080i em 25Mbps e MPEG-2. Os produtos de tecnologia HDV são comprimidos em 22,4×1. No entanto, eles possuem qualidade entry level para soluções HD e estão posicionados como a melhor qualidade da série DVCAM atual, que pode ser usado para gravação de alta qualidade para soluções corporativas, industrial, profissional e vídeo gráficos. O uso em broadcast é uma excelente forma de migração de SD para HD.
Outro destaque da empresa é o formato HDCAM, que utiliza MPEG-2 4:2:2 P@HL a 8bits, com taxa de compressão de 4.4×1, possibilitando vários formatos de gravação. Por sua vez, o HDCAM SR utiliza MPEG-4 Studio Profile a 10bits, com taxa de compressão de 2.7×1 em 4:4:4, possibilitando gravação de alta qualidade em RGB, para produções de alta qualidade em pós-produção, cinematografia eletrônica, composição, master de telecine, computação gráfica, animação e aplicações em 3D. O sistema também pode gravar em dual link, permitindo a gravação de dois sinais diferentes em 4:2:2.
A Sony garante que o cliente pode optar tanto pelo SD quanto pelo HD, atuando de forma independente. Isso é possível porque todos os produtos da linha HD possuem interfaces para SD e vice-versa.
Uma das últimas palestras desta edição do SET e Trinta foi proferida por profissionais da Tecsys, que apresentaram aos presentes o T-Crypt, uma solução oferecida pela empresa para acesso condicional voltada para o mercado de broadcasting. O T-Crypt foi totalmente desenvolvido no Brasil com tecnologia própria, possuindo flexibilidade e compatibilidade com sistemas já instalados. Ele já foi implementado e está sendo usado na TV Cultura e TV Asa Branca, entre outras emissoras.
Na palestra, foram abordados outros produtos da Tecsys, como os IRDs para uso profissional padrão 19″ e o Set Top Box para sinais abertos ou codificados em diversos sistemas de CAS, que são utilizados por emissoras e operadoras de cabo. A empresa também fez o lançamento do encoder MPEG-2 TS 9090, que promete viabilizar a digitalização das operadoras de cabo e MMDS, além da possibilidade de ele ser utilizado como back-up de encoders high-end, por possuir custo competitivo.
Outros produtos da Tecsys estão sendo preparados e serão apresentados na Broadcast & Cable 2005.

Otimismo marca encerramento do SET e Trinta

O presidente da SET, Roberto Franco, encerrou o SET e Trinta, no dia 20, após o término das atividades. Ele destacou a boa participação do público presente ao evento. “Mais uma vez foi a surpresa agradável, pois sabemos que é muito difícil antecipar o resultado de algo e as reservas e confirmações prévias não acontecem com um tempo muito grande. Isso acontece próximo ao evento. No entanto, foi muito bom ver a sala com uma média de 150 pessoas e, em alguns dias, chegamos a ter 200 participantes”.

Franco ainda destacou o ambiente festivo e acolhedor do Espaço Brasil, a qualidade do conteúdo da programação do SET e Trinta, além da possibilidade de intercambio de informações entre profissionais brasileiros e estrangeiros. “O papel foi cumprido novamente e esperamos repetir esse sucesso nos próximos anos”, ressalta o presidente.
A boa presença de público brasileiro fez com que Franco vislumbrasse uma boa perspectiva para o broadcast no Brasil. Segundo Franco, os profissionais brasileiros que estavam na NAB 2005 buscando caminhos e soluções indicam uma reação do mercado brasileiro neste ano.

 


Conexão diária com a NAB 2005

Informações diárias sobre o maior evento do mundo da mídia eletrônica. Com essa missão, foi realizado o SETnews, uma newsletter eletrônica com as principais informações da NAB 2005 e do Encontro SET e Trinta 2005. A elaboração do boletim informativo ficou a cargo da Enepress Editorial que, com a publicação, disponibilizou informações para os associados da SET que não puderam comparecer ao evento. A newsletter foi distribuída de 18 a 21 de abril para um mailing com mais de 5.500 pessoas. Este foi o segundo ano em que o SETnews fez a cobertura da NAB 2005.