• PT
  • EN
  • ES

SET 2006 – CONVERGÊNCIA DIGITAL

SET 2006 – CONVERGÊNCIA DIGITAL

Novos serviços: IPTV, FTTX, IMS, VOIP
.O painel moderado por Antônio Maia, da Globo.com e apresentado por Carlos Pingarilho, da Promon/Cisco e por Cláudio Marinho, da Akamai/Exceda, falou sobre a evolução das estruturas de operadoras, com a convergência tanto tecnológica, quanto de modelo de negócios, com cenário final de arquitetura tecnológica para uma rede mista e convergente.
No aspecto tecnológico, a convergência ocorre em camadas e formas distintas, tanto de aplicações, como de dispositivos. A convergência de produtos pode ser categorizada em três principais frentes: produtos, sistemas e consolidação de camadas e redes. A convergência possibilita a simplificação das atuais redes de forma bastante expressiva.
O serviço Internet Multimedia Subsystem (IMS) permite o compartilhamento de recursos para o provimento de novas funções através de uma rede única e convergente, onde há otimização do uso de recursos. As operadoras serão capazes de não só oferecerem os próprios serviços, como também compartilharem os de terceiros.
A grande tendência em aplicações é a evolução rumo à multimídia e aos serviços em tempo real. .
O Home Networking consiste na sofisticação da infra-estrutura de telecomunicações na residência do consumidor e a integração entre processos, pessoas e tecnologia, possibilitando uma solução estruturada e robusta, de forma a suportar adequados níveis de serviços e o crescimento da demanda.
Para definir a solução da Quality of Service (Gestão QoS), realiza-se uma análise contemplando todas as funções relacionadas ao planejamento e monitoração. Com matriz de tráfego em mãos é preciso fazer a alocação de banda, prioridade para cada aplicação. A implantação e operação de serviços que requerem QoS, trazem melhores resultados. Dentre os indicadores de desempenho das redes convergentes, destacam-se, jitter (variação do sinal), delay (atraso) e perda de pacotes.
A atuação de operadoras no mercado governamental é de extrema rigidez quanto as suas exigências, requer padrão de customização e flexibilidade, o que gera complexidade nos projetos de QoS e na gestão de acordos Service Level Agreement (SLA).

Novas ferramentas de TI aplicadas ao mundo broadcast
O painel que tratou sobre os problemas relacionados ao gerenciamento de conteúdo contou com a moderação de Leonel da Luz, da SET/TV Anhanguera e com os palestrantes Sandra Jimenez, da MTV/Brasil, Oripide Cilento Filho, da FATEC e Alex Santos, da Skill Computer Services. A grande discussão foi sobre a virtualização de sistemas de armazenagem de alta performance, que facilitam o acesso aos conteúdos.
Segundo o palestrante Alex Santos, o conceito de virtualização está no mercado há 23 anos e sua evolução, como por exemplo, o Appliance, permite alocação dinâmica de volumes, acesso múltiplo a um mesmo conteúdo, controle individual de leitura e gravação, crescimento no fluxo de trabalho, facilitando o gerenciamento de storagena SAN.
Além disso, a virtualização disponibiliza serviços como o Snapshot, possibilitando a visualização de um arquivo fora do ambiente em que se está trabalhando de forma instantânea, independente da largura da banda e do serviço de espelhamento.
Outros temas discutidos foram os protocolos de monitoração e gerenciamento de dispositivos em ambiente Simple Network Management Protocol (SNMP), como o Control Objectives for Information and Related Technology(COBIT), que tem como foco o alinhamento de negócios na plataforma TI (visão gerencial) e o ITIL (visão operacional).
Já a diretora de tecnologia da MTV Brasil, Sandra Jimenez, apresentou o novo projeto da emissora, chamado MTV Overdrive, que foi inspirado na convergência entre Internet, vídeo game, telefonia celular e televisão. O site possui conteúdo musical/jovem, permitindo a criação de uma MTV própria, através do playlist e possibilitando a apresentação de comerciais publicitários durante a programação criada, promovendo a interação da tecnologia com a audiência.

Mobilidade e portabilidade
O painel sob coordenação de Paulo Henrique, da TV Globo contou com os palestrantes Paulo Breviglieri, da Qualcomm, Maruyama, da TV Asahi e Yasuo Takahashi, da DIBEG (Digital Broadcasting Experts Group), ambos do Japão. A temática principal foi a apresentação da nova possibilidade que se abre com a eficiência espectral, ou seja, a utilização plena da tecnologia digital com a mobilidade e a portabilidade e, conseqüentemente, sua exploração comercial e geração de negócios teve
Foram demonstradas interfaces de entrega de conteúdo para mídia móvel, como por exemplo, a tecnologia Forward Link Only (MediaFLO) e a tecnologia One-seg (possibilita aos aparelhos receber os sinais digitais de vídeo).
Segundo Maruyama, o serviço One-seg permite baixar músicas e papéis de parede, participar de promoções, transmitir notícias esportivas, além de prestar serviços de utilidade pública. Isso tudo com o sinal digital estável e sem distorção de imagem e áudio, podendo ser utilizado em qualquer lugar. Para ele, o sistema One-seg aumentará a renda média por usuário (RPU) das empresas de telecomunicações.
Já a MediaFLO, apresentada por Paulo Breviglieri, da empresa Qualcomm, é uma tecnologia complementar aos serviços de TV terrestre que propicia a transmissão de vídeo de alta qualidade com preços atrativos, fornecendo uma alternativa de ótima relação custo-benefício, quando comparada à dispendiosa oferta de serviços. Além disso, o serviço atende a entrega de conteúdo, não só de live streaming, como também non-real-time e IP datacasting. Ao mesmo tempo, possibilita a transmissão em 6Mhz (aplicável ao Brasil), 20 canais de vídeo, 10 canais de streaming de áudio, 40 canais de clipcasting e datacasting simultâneos.
Breviglieri também falou sobre o suporte ChipsetsFLO, que oferece assistência a múltiplas tecnologias de TV móvel, permitindo a integração e a redução de custos.
Já Yasuo Takahashi, do DIBEG, órgão que desenvolve o padrão AIA do sistema ISDB no mundo, falou sobre alta definição móvel, abordando a utilização do transmissor ISDB-T, usado na multiplexação de dados e na recepção do sinal HDTV em ambiente móvel.