• PT
  • EN
  • ES

Jota Quest em HD pela Mix TV

O Grupo Mix de Comunicação começou a gravar um novo ciclo do projetos: “Mix ao Vivo – Álbuns Clássicos”. Com a produção técnica, em parceria com a Cristal Líquido Studios, o projeto contou com qualidade HD e novidades tecnológicas que levaram a Mix TV a gravar pela primeira vez um evento com equipamento totalmente digital e de última geração.

Nº 133 – Maio/Junho 2013

Por Fernando Moura

COPA DO MUNDO

AA primeira gravação totalmente em HD foi realizada no Teatro da Mix, no dia 20 de abril de 2013, na capital paulista. Na ocasião a emissora promoveu um show ao vivo transmitido por streaming via internet e uma vez masterizado e equalizado, foi ao ar no dia 21 de maio pela Mix FM (rádio) e no dia 22 de maio pela Mix TV.
Para o responsável do projeto, Marcos Vicca, diretor da Radio Mix, gravar em HD é impreterível e inexorável. “As pessoas se acostumaram a ver e ouvir show na TV em HD, não podemos esquecer isso. Por isso iniciamos este ciclo em HD e esta é a primeira vez que a emissora investe neste tipo de produção, assim investimos pesado, pois é a única e a melhor forma de acompanhar os tempos”.

“Se gravamos em analógico, além de não obtermos a mesma qualidade, esse material ficaria obsoleto no mesmo momento da gravação. Precisamos investir forte e transmitir conteúdos de excelente qualidade. Temos as melhores bandas do país no nosso palco, precisávamos dar-lhes a oportunidade de gravar shows com a máxima qualidade possível, e estamos conseguindo”, explicou satisfeito Vicca, que dirige uma das emissoras de rádio com mais ouvintes jovens da cidade de São Paulo e excelentes resultados nas cidades onde é transmitida.
Para Vicca este investimento de gravação em HD faz parte de um processo inevitável. “Se não gravamos em HD estamos perdendo dinheiro. Trazer uma banda deste tamanho a apresentar um show que nunca tinha sido apresentado antes é perder dinheiro e tempo”. Por isso, a tecnologia, segundo o responsável artístico do Grupo Mix, está a cada dia mais ligada à gestão comercial. “Ela não faz diferença. Se quisermos ter êxito comercial, temos que oferecer a melhor tecnologia existente no mercado”.
A gravação do show realizado no Teatro da Mix, localizado na capital paulista, contou com a parceria da Cristal L’iquido Studios que possibilitou toda expertise em projetos usando equipamento de alta definição. Para o show foram utilizadas nove câmeras espalhadas por diferentes pontos do teatro. Dessas câmeras, sete eram Ikegami 72E e duas microcâmeras. Assim, o show foi realizado com uma câmera posicionada em uma grua, uma câmera em dolly, três em tripé e duas portáteis no palco. As microcâmeras se posicionaram, uma no topo do palco (picado) para dar uma imagem aérea e outra para dar um plano geral do teatro. Ainda foram utilizadas uma objetiva PH50x da Cannon; uma J36x; duas angulares 4.5, e uma angular 5.2, todas estas Fujinon.

O sinal das câmeras é gravado de forma independente na unidade móvel em gravadores Aja Ki Pro Res. São gravados ainda, o sinal do programa e as pistas de áudio para ter sincronização na hora de realizar a pós-produção de vídeo e áudio.
Junto com o ciclo de shows, as bandas também são entrevistadas pelo renomado músico do Titãs, Paulo Miklos, que acompanha os shows e interroga os principais Integrantes em um estúdio especialmente montado para a ocasião, nas instalações do Teatro Mix.

Miklos considera que gravar em HD é uma forma de valorizar o trabalho dos artistas. “E assim poder competir de igual para igual com aquilo que o público já está habituado a assistir. O espectador está se acostumando com excelentes qualidades de imagem, de som, por isso não podemos trabalhar com uma qualidade inferior. Se o fizermos, eles vão notar e sentir a diferença. Por isso precisamos estar em um pé de igualdade com melhor que se faz no mundo. E acredito que este ciclo vai ter esse nível porque a música e a TV que a gente faz merece estar nesse nível”.
Uma vez gravado o show, a produção do programa edita as entrevistas realizadas por Miklos e o show, colocando as sonoras entre cada música. “Nossa ideia é que os espectadores saibam os detalhes das músicas, o porquê foram gravadas, como e por que fazem parte desse álbum que marcou a história da banda”, disse Miklos. “Afinal não estamos gravando um show, estamos gravando um programa que vai mostrar a intimidade da banda”, disse o músico.
O artista reforçou que alcançar níveis de produção internacional é fundamental. “Necessitamos ter os melhores trabalhando conosco. Há anos brigo por ter melhores condições de áudio, principalmente dentro da televisão porque faltava um investimento que garantisse que pudéssemos fazer música dentro da televisão com a qualidade técnica e permitisse trazer uma banda inteira que tocasse com a bateria, guitarra, baixo etc. que envolve ter um estúdio que permita esse tipo de gravação e olhar para isso não como dinheiro jogado fora, mas sim como investimento. Não esqueça que para nós músicos 50% é áudio e nem sempre se tem essa ideia em TV. Se coloca um boom, um microfone de lapela e se acha que assim fazemos música e não é bem assim”.
Por isso durante as gravações dos “Álbuns Clássicos” o áudio é tratado à parte, onde a mesa de áudio da banda convidada entrega o sinal dos microfones e instrumentos tanto para PA quanto para a mesa do Avid Pro Tools que, por sua vez, alimenta a unidade móvel que grava este sinal e redireciona para o Feed na internet ao vivo.

O áudio do show foi gravado com 42 microfones colocados estrategicamente no palco e cenário “para obter o melhor som possível. Cada microfone foi gravado de forma separada e mais tarde editado em um sistema Avid Pro Tools. Hoje vamos fazer uma mixagem rápida para poder emitir o programa ao vivo por streaming via internet, mas uma vez acabado o show faremos a pós- -produção de áudio e entregaremos áudio estéreo com qualidade profissional”, explicou Lucas Silva, da Clement Zular, contratada pela Cristal Liquido para as gravações do ciclo.
Outros detalhes que se precisa levar em conta na hora de gravar um show com essas características são a iluminação e o controle de câmeras. “Com um cenário com LED, diferentes luzes e muitas cores, precisamos criar condições de colorimetria que deem uma uniformidade ao produto”, explicou o engenheiro responsável pela UM, Luís Seixas, que faz parte do projeto da Cristal Liquido Studios para realizar o ciclo junto da Mix TV. “O que fazemos é utilizar objetivas HD da Fujinon para alcançar uma média de 3200 K e assim dar o melhor das nossas câmeras para ter um produto final de excelente qualidade”.
Os shows, primeiro, e o ciclo, mais tarde, são transmitidos em diferentes plataformas. No dia do evento, é transmitido pela internet ao vivo, mais tarde, uma vez feita a pós-produção de áudio e vídeo, é realizada a emissão através da Rádio Mix e a Mix TV. Para isso é necessário seguir alguns passos.

Durante a gravação do “Álbuns Clássicos” os técnicos da Mix TV fazem uma “canalização” de áudio e vídeo para que o programa seja transmitido ao vivo pela internet através do site “www.mixtv.com.br/aovivo/”. Pos- “No programa Álbuns Clássicos tem tudo para virar um DVD. Por isso, gravar em HD e sonorizar de forma certa é essencial para valorizar as bandas que participaram do ciclo”, disse Paulo Miklos, minutos antes do início do show Aqui Paulo Miklos realiza as entrevistas das bandas e nelas tenta esclarecer aos espectadores os pormenores das músicas e as curiosidades do álbum teriormente, é transmitido pela Rádio MIX FM (106,3MHZ), bem como na Rede de Retransmissoras em UHF pelo Brasil. Além dos veículos de comunicação do grupo, o ciclo é transmitido nos canais fechados representados pela TVA (São Paulo e Rio de Janeiro), NET Brasília, além de outros serviços de DTH como a Vivo (canal 234) e a CTBC (canal 341).
O show da banda Jota Quest relembrou as faixas de seu segundo disco, “De Volta ao Planeta”, lançado em abril de 1998. O clássico álbum estourou nas paradas de sucesso de todo o país e foi aclamado por público e considerado por muitos o álbum pop do ano. Com mais de 1 milhão de cópias vendidas, o grupo faturou o “Disco Duplo de Platina” e realizou sua primeira grande turnê nacional, com mais 250 shows, passando pelos palcos dos mais importantes festivais do país, além de realizar o primeiro show movido a energia solar da América Latina, em parceria com a Greenpeace. Ainda serão gravados os shows de Planet Hemp, Capital Inicial, Pitty e Cidade Negra. Todas as bandas tocaram os seus álbuns emblemáticos no palco do Teatro da Mix em shows que serão exibidos mais tarde pela Mix TV e Rádio Mix, como aconteceu com o da banda Jota Quest.
www.mixtv.com.br
www.cristalliquido.com.br
www.umtv.com.br

Fernando Moura
Redação Revista da SET
fernando.moura@set.org.br