• PT
  • EN
  • ES

EVENTO EM JOÃO PESSOA POPULARIZA INTERATIVIDADE E DEBATE IMPLEMENTAÇÃO DO GINGA NA AMÉRICA DO SUL

FÓRUM LATINO AMERICANO DE TV DIGITAL

 

Cidadãos de diversas classes sociais que não conhecem as potencialidades e funcionalidades da TV digital interativa tiveram a oportunidade de interagir com aplicativos que ainda nem chegaram às telas de suas casas, durante o “Fórum Latino-americano de Televisão Digital”, realizado entre os dias 08 e 09 de março, na Estação Cabo Branco, em João Pessoa, na Paraíba. Além de tornar acessível ao público as inovações interativas desenvolvidas no âmbito da América Latina, outro diferencial desse Fórum foi reunir representantes do governo brasileiro, de seis países da América do Sul, África e Costa Rica para debaterem como está se dando a implementação do padrão nipo-brasileiro de TV digital nessas regiões.

O “Fórum Latino-americano de Televisão Digital” foi promovido pelo Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital da UFPB (Lavid) e TV UFPB, afiliada da TV Brasil, com apoio do Ministério das Comunicações e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

As aplicações Interativas para TV digital foram apresentadas ao público na “Exposição Latino-americana de Conteúdos Interativos para TV Digital” realizada no Salão Panorâmico da Estação Cabo Branco, um centro de lazer cultura e artes localizado no ponto extremo oriental das Américas. Todos os debates aconteceram em paralelo à exposição, no auditório da Estação Cabo Branco, registrando um público superior a 500 pessoas, nos dois dias do evento.

Durante o Fórum, as delegações do Peru, Chile, Equador, Paraguai, Uruguai e Argentina reforçaram a importância de ampliar a integração econômica e social na América Latina, através da tecnologia digital, destacando a posição de pioneirismo do Brasil ao desenvolver o middleware Ginga, que permite a interatividade na televisão digital e que se constitui em uma plataforma aberta que amplia a participação do telespectador na programação televisiva.

Um forte viés de inclusão digital caracterizou o evento. Além de contar com especialistas do Brasil e de outros países, abordando diversos aspectos relacionados à televisão digital, o Fórum teve grande participação de pessoas com deficiência auditiva e visual, acompanhando a maior parte das mesas-redondas e também visitando a “Exposição Latino-americana de Conteúdos Interativos para TV Digital”. Esse público, em sua maioria, é membro da Fundação de Apoio ao Deficiente (Funad) mantida pelo Governo da Paraíba.

Dentre os conteúdos interativos apresentados na exposição, as pessoas com problemas de audição demonstraram especial interesse pelo aplicativo Libras TV desenvolvido pela equipe do Lavid/UFPB, que faz uma representação do conteúdo do áudio para deficientes auditivos, através de um dicionário de sinais, que poderá beneficiar cerca de cinco milhões de brasileiros com problemas de audição. O modelo possibilita um novo formato de legendas em Libras, através de um avatar 3D, diferentemente do adotado hoje pelas TVs. Atualmente, as emissoras usam um intérprete humano para traduzir para a linguagem de Libras, em tempo real, as informações que estão sendo divulgadas na TV.

Outra iniciativa de fomento à inclusão digital foi a oficina oferecida a todos os participantes ministrada pelo professor Luis Fernando Gomes Soares, coordenador do Laboratório de Telemídia da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro. A oficina “Middleware Ginga: plataforma aberta que amplia a participação do telespectador” apresentou ao público diversos exemplos de possibilidades de interação com a TV digital, através da tecnologia Ginga.

Testes de interatividade na Paraíba com usuários do Bolsa-família Na primeira mesa redonda do evento o debate foi sobre “A política brasileira para o segmento de TV digital aberta e terrestre: avanços e desafios”, durante a qual o superintendente de Suporte da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), André Barbosa, anunciou que será realizado na Paraíba um dos pilotos para testes de interatividade com beneficiários do Programa Bolsa Família. Trata-se de um dos pilotos do Operador de Rede para testes de transmissão em alta definição (HD), multiprogramação e interatividade. Para os testes de interatividade serão criados aplicativos de serviços T-Gov para o Canal de Serviços do Governo Federal.

Participaram, ainda, desse debate, o coordenador do Lavid/UFPB, Guido Lemos; o assessor da Secretaria de Telecomunicações do Ministério das Comunicações (Minicom), Flávio Lenz, e a diretora do Departamento de Acompanhamento e Avaliação do Minicom, Patrícia Brito de Ávila.

As mesas redondas do fórum também abordaram temas como “As experiências de utilização do padrão ISDB-T de TV digital aberta e terrestre em países da América Latina”, “As potencialidades e funcionalidades da TV digital interativa: o que todo telespectador precisa saber”, “Acessibilidade para deficientes auditivos e visuais em sistemas de TV digital”, “O cidadão na TV: contribuições da sociedade para a construção de uma televisão interativa e de qualidade”, “A transição dos canais públicos do sistema de TV analógico para digital: a política da EBC/ TV Brasil de fomento à produção e difusão de conteúdos interativos para TV digital”, “Inovações em aplicações interativas para TV digital na América Latina e intercâmbio de conteúdos”, “Digitalização e serviços interativos nas TVs públicas”.

Diversas representações da sociedade civil, membros de universidades, órgãos dos Governos Federal, Estadual e Municipal participaram das mesas redondas, dentre eles o Itamaraty, TV Brasil, TV UFPe, TV UFRN, TV Câmara, TV Senado, TV Justiça, TV UFPB, TV Unesp, Universidade Católica de Brasília (UCB), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Associação Nacional de Inclusão Digital (Anid), Governo da Paraíba, Secretaria de Comunicação Social de João Pessoa, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), A Associação Brasileira de TVs Universitárias (ABTU) e o Serviço Brasileiro de Apoio à Pequena e Média Empresa (Sebrae).

Oficina Ginga para Latino-americanos Durante a semana do “Fórum Latino-americano de TV digital” e também na semana seguinte o Ministério das Comunicações, em parceria com a Japan International Cooperation Agency (Jica) e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), promoveu na UFPB, em João Pessoa, uma oficina destinada à capacitação de profissionais latino-americanos, visando a expansão e popularização da tecnologia Ginga em seus países. A oficina ofereceu formação para cerca de 20 técnicos do Uruguai, Paraguai, Peru, Chile e Equador. Essa equipe integrou as delegações participantes do “Fórum Latino-americano de Televisão Digital” e irá replicar os conhecimentos em suas áreas de atuação. O curso foi ministrado pelo Lavid/UFPB e pelo Laboratório de Telemídia da PUC/RJ.

Exposição traz inovações em conteúdos interativos de TV digital na América Latina Um grande diferencial do evento foi a “Exposição Latino-americana de Conteúdos Interativos para TV Digital”, na qual as pessoas puderam conferir exemplos práticos de conteúdos com interatividade. Durante dois dias, o público conheceu uma variedade de conteúdos interativos desenvolvidos no Brasil, Equador e Argentina. Estes países apresentam um nível mais avançado nos experimentos de produtos para TV digital interativa.

Na Exposição, países e emissoras, que estão digitalizando o sinal, puderam exibir vídeos sobre o andamento desse processo. O Chile e Peru explicaram a política de adoção do padrão de televisão digital e o estágio de implementação do sinal pelas emissoras públicas e privadas. Os canais públicos brasileiros, como TV Justiça e TV Senado, também apresentaram as ações empreendidas, visando à transição do sinal analógico para o digital.

A exposição foi vista pelo público que participou do evento e também por aqueles que visitaram a Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes de João Pessoa. Empresas, emissoras públicas e privadas, laboratórios e universidades demonstraram desde a transmissão de um sinal digital até como o telespectador vai interagir com conteúdos. Os expositores foram Lavid/UFPB, CPqD, TV Brasil, TV Senado, TV Justiça, TV UFPB, TV Unesp, TV Cabo Branco (Afiliada a Rede Globo – João Pessoa), TV Cidade (João Pessoa), Lifia (Argentina), TV Peru, TDT (Equador), Mintel (Equador), Escuela Politécnica del Ejército (Equador) , Supertel (Equador), TVD (Chile), UCV (Chile), DOMM Assessoria e Dynavideo.

No estande do Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital (Lavid/UFPB) foram apresentadas seis aplicações, dentre elas, o LIBRAS TV e as aplicações desenvolvidas no projeto XPTA.Lab financiado pelo Ministério da Cultura, no ano passado. Foram expostas três aplicações deste projeto, são elas: Gincana Cultural (desenvolvida pela Galeria ZooN de Fotografia/Lavid), Navegar (TV UFMA/ Lavid) e Lá em Casa é Assim (Fundação Aperipê/Lavid).

Também foram demonstrados dois jogos para TV digital, o Ginga Hero e a Turma da Árvore. Este último foi implementado durante um projeto que teve a parceira da Universidade Federal da Bahia. A Aplicação Ginga Hero é um jogo musical baseado em grandes sucessos comerciais como GuitarHero e RockBand. Ela foi desenvolvida para ser executada no Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD) utilizando o middleware Ginga, desenvolvida em Lua e NCL.

O Jogo Turma da Árvore leva o jogador através da interatividade a optar entre as diferentes latas de reciclagem para colocar cada tipo de lixo. Depois de selecionado o lixo, o telespectador deverá selecionar a lixeira correta. Caso acerte a combinação, o lixo irá desaparecer e uma árvore irá crescer. Se errar, ele receberá um informativo e pode tentar até acertar, reiniciando, assim, o ciclo. Esta aplicação busca conscientizar a população da importância da coleta seletiva de lixo.

Os conteúdos interativos expostos pelo CPqD contemplaram uma variedade de serviços, tais como: governo eletrônico (Previdência Fácil, IncluSaúde e ProcuraEmprego), Conteúdo Sob Demanda (Notícias, Clima e Bate papo), comércio eletrônico e Jogos (Damas, Cobrinha, Campo Minado, Fantasmas e Memória). Previdência Fácil possibilita acessar informações e documentos necessários para a aposentadoria por idade, tempo de serviço e invalidez, através da tela de TV. Entre as aplicações de jogos, o CPqD demonstrou Damas, recurso que oferece ao telespectador, através do uso do controle remoto, mover as peças do tabuleiro e fazer seu jogo. As aplicações são resultado do projeto com o Ministério das Comunicações denominado de SMTVI – Serviços Multiplataforma de TV Interativa para acesso livre a qualquer interessado. A EBC/TV Brasil apresentou um portal interativo no qual oferece os seguintes recursos: TV Brasil, Agência Brasil, EBC Serviços (serviços de banco, informações de voos), Aplicativos (o programa Vida de Estagiário) e Opine. A versão interativa do programa Vida de Estagiário permite os recursos de acesso a informações sobre personagens, perfil de um estagiário, equipe do programa e quiz sobre o conteúdo contemplado durante o episódio. É um programa direcionado ao público jovem com idade de 16 a 24 anos.

A TV Cabo Branco (Afiliada da TV Globo) expôs dois recursos interativos de enquete relacionados ao conteúdo jornalístico. Um recurso, denominado O Bairro que eu quero, realiza uma votação para eleger o melhor e pior serviço de um bairro. A segunda enquete oferece a escolha do ponto turístico que melhor representa a cidade. Esta escolha serviu para modelar o formato do bolo de aniversário feito para a comemoração do aniversário de João Pessoa. Apesar de possuir o sinal digital, a TV Cabo Branco não transmitiu estas aplicações pelo ar. Na Exposição, os conteúdos ficaram embarcados em um settop box.

A TV Unesp apresentou a aplicação Animecos que é uma animação direcionada ao público infantil com faixa etária entre 06 e 09 anos. Nesta aplicação, temas ligados à preservação ambiental e conhecimento do habitat dos animais. A interatividade incentiva crianças a participar da história através da seleção de objetos que foram perdidos pelos personagens Guaraná (Lobo Guará), Tuta (Tatu), Dudu (Tamanduá) e Guigo (Macaco), durante um incêndio florestal. Os objetos são identificados e selecionados usando as telas de cores do controle remoto. Depois do episódio, também há opção de quiz e o ganhador recebe como prêmio uma carteirinha de defensor da natureza a ser retirada no site do desenho.

As aplicações trazidas pelos pesquisadores do Equador apresentaram uma diversidade de serviços. Os recursos foram notícias diárias, voto eletrônico, guia hospitalar, guia turístico, envio de mensagens via Twitter, serviços de informações e alerta para riscos de desastres naturais, como erupções vulcânicas. O Laboratório Lifia da Argentina expôs aplicações relacionadas ao clima das regiões do país, Copa América da Argentina, jogo de quebra-cabeça com vários níveis (sokoban), e TV Filler (executa música e não tem vídeo principal).

 

 

Kellyanne é jornalista do Lavid/UFPB e Mestre em TV digital . E-mail: kellyanne@lavid.ufpb.br
Madrilena é Jornalista da TV/UFPB e Mestre em TV digital . E-mail: madrilena@tv.ufpb.br