• PT
  • EN
  • ES

Ericsson no SET EXPO

Nº 146 – Out/Nov 2014

por Fernando Moura e Lucas Esteves

REPORTAGEM

Pela primeira vez a Ericsson se apresentou com um estande no SET EXPO devido a nova política de aproximação da multinacional ao mercado broadcast brasileiro e latino-americano, uma aproximação que está dando certo.

Nesta primeira apresentação destaque para os encoders AVP 4000, já utilizados pela Telefónica Vivo no país para a realização de testes para demonstrar a capacidade de fornecer a experiência 4K. O AVP 4000 é alimentado pelo primeiro chip de vídeo profissional da empresa e permitindo maior velocidade e eficiência na implantação de novos serviços de vídeo que atendam a demanda do consumidor.
Ao abordar todos os aplicativos, codecs, resoluções e perfis, a plataforma AVP facilita a integração, expansão, formação, reparo e melhorias, reduzindo consideravelmente o custo total de propriedade. Ela oferece alto desempenho e maior capacidade na indústria em uma única plataforma para todas as aplicações, a partir de definição padrão para HD 1080p50/60, 3DTV e UHDTV, e todos os codecs, incluindo MPEG-2, MPEG-4 AVC e JPEG 2000, afirma Ronaldo Dias, diretor de Serviços de Compressão de TV da Ericsson para América Latina.
O centro da plataforma de compressão de alto desempenho AVP 4000 da Ericsson “é o primeiro chip de processamento de vídeo programável desenvolvido in -house, a base da mais avançada plataforma de processamento de vídeo para a entrega de TV. O acordo com a Telefônica Vivo representou a primeira implantação do chip no mercado latino-americano, o que demonstra claramente a aceitação da capacidade do chip em oferecer maior poder de processamento de vídeo de alto desempenho. O chip oferece o desempenho e o controle necessários para desenvolver e programar algoritmos e atingir a maior eficiência de largura de banda em todas as redes de distribuição”.
Segundo Dias, a Ericsson prevê que, até 2020, haverá 50 bilhões de dispositivos conectados, dos quais 15 bilhões terão capacidade de vídeo. “Para responder às novas exigências dos consumidores, as operadoras devem implantar novos serviços dentro dos limites criados por largura de banda limitada, espectro e redes legadas”.

Revista da SET: Porque a Ericsson está participando do SET EXPO?
Ronaldo Dias: Esta é a primeira vez que participamos, e o SET EXPO é o único evento do género no qual participamos em América Latina. A empresa está focando mais no mercado broadcast. O principal motivo de estarmos aqui é que na região existem dois mercados muito fortes, Brasil e o México, e queremos mostrar o comprometimento da Ericsson com o mercado de TV brasileiro porque hoje temos soluções de vídeo para o Mobile, mas temos desenvolvido tecnologia, por exemplo no 4, que pode ser utilizada pelos broadcasters e já foi testada com êxito durante a Copa do Mundo.

Revista da SET: Até agora com a evolução do 4K foram desenvolvidas uma serie de equipamentos para criar um workflow completo com esta tecnologia, que importância tem esta plataforma de codificação para a Ericsson?
Ronaldo Dias: Durante a Copa do Mundo testamos o AVP 4000, e já fizemos alguns testes para as Olimpíadas envolvendo o 4K.O nosso desafio é na codificação porque a Ericsson é grande, porem, a empresa tem uma área de DSA mídia que tem integrada uma área exclusiva para “Live”, e nesse campo nós somos a primeira empresa a ter uma equipe que desenvolve tecnologias para 4K ao vivo. O que trouxemos para o SET EXPO é tudo o que é voltado para o mundo broadcast, um mundo no qual apostamos muito, é o mundo da “contribuition vision” que pretende tirar o estigma de que a Ericsson é uma empresa que não tem comprometimento com o mercado de broadcasting e poder conversar com os principais empresas do setor mostrando o que estamos fazendo nesta área.