• PT
  • EN
  • ES

CAPER – Evento retoma crescimento

Com 109 expositores e pelo menos 400 marcas internacionais, aconteceu entre 28 e 30 de outubro a Caper 2009, evento da Câmara Argentina de Provedores e Fabricantes de Equipamentos de Radiodifusão. Depois da crise financeira mundial, o evento, que inclui exposição e seminário, voltou a ser um grande acontecimento para a América Latina, principalmente depois de a Argentina ter anunciado a adoção do sistema nipo-brasileiro de TV digital, ISDB-TB. Pelos cálculos da organização, a Caper 2009 recebeu a visita de mais de seis mil profissionais do setor entre diretores, gerentes, técnicos e estudantes. A gama de produtos apresentada na feira foi bastante abrangente, englobando setores de mídia como produtores de filmes e vídeos, cinema digital, produção em televisão e rádio, entre outros.
Os radiodifusores argentinos reconhecem que o padrão nipo-brasileiro é poderoso, flexível e robusto. Mas ainda estão um pouco afastados do processo de introdução da TV digital, bem como suas indústrias, profissionais, setor de softwares e universidades. A radiodifusão ainda está desarticulada com a mudança recente na Lei dos Audiovisuais, que traz maior autonomia ao governo.
Para o vice-presidente da SET, Olímpio José Franco, a Caper 2009 foi melhor que a anterior. “O número de participantes, tanto de público quanto de expositores, foi maior por conta de o país ter definido o padrão de TV digital. Por outro lado, eles não vivem ainda um cenário favorável quando se trata das redes privadas, devido à nova lei de comunicações. Há um racha entre governo e essas redes”, analisa. No país vizinho faltam conhecimento, envolvimento e estudos. “Sugeri que eles formassem um fórum similar ao nosso, para evoluírem na introdução da TV digital”.

A experiência brasileira
Franco apresentou duas palestras no seminário sobre o status de TV digital no Brasil e as experiências de implantação do sistema. “Havia várias empresas brasileiras presentes, levadas pelo Sindvel”, lembra. Já a diretora de eventos da SET e diretora da AD-Digital, Daniela Souza, participou pela primeira vez da Caper e compara o evento com o Congresso da SET e feira Broadcast & Cable. “É um evento menor em relação ao nosso, até em função do mercado argentino ser menor que o brasileiro. Não há presença dos fabricantes de maneira direta, somente por meio de distribuidores e parceiros. Isto demonstra um mercado ainda em expansão”.
O processo de transição digital do país vizinho revela o estágio embrionário no qual eles se encontram, assim como foi para o Brasil há alguns anos. Devido às mudanças propostas pelo governo argentino, em relação ao processo de concessão e descentralização do poder dos meios de comunicação, os radiodifusores reduziram muito os investimentos em melhorias tecnológicas. “Isso se deve à falta de clareza de qual será o resultado destas mudanças, e que podem afetar diretamente aos principais grupos empresariais do setor”, explica Daniela.
João Marcello, gerente de TI da PlayList Soluções, faz uma avaliação bastante positiva do evento, destacando organização, segurança, localização e frequência de público, acrescentando que é uma oportunidade singular para divulgar os produtos na Argentina. “Porém, os temas das palestras precisam ser melhorados. Podemos colaborar mais com os Argentinos nesse contexto e também ter uma participação mais ativa na Caper, já que se trata de um mercado importante”.
A Screen Service, por sua vez, participa pela segunda vez consecutiva do evento, segundo informou Fabrizio Pires Reis, engenheiro do departamento técnico. “Fizemos a demonstração da transmissão do padrão brasileiro de TV digital”. A visitação diversificada foi um dos pontos altos na visão de Reis, já que foi possível fazer contato com profissionais dos diversos países da América do Sul.
Para o diretor da CrossHost, Jailton dos Santos, a Caper chamou a atenção porque tem estrutura e conceito muitos parecidos com a o Congresso SET e feira Broadcast & Cable. “Sondando algumas empresas que prestam serviços para radiodifusão, percebemos o impacto causado pela crise mundial, que atingiu diretamente esse setor”, analisa Jailton.

Pós-produção, financiamento…
Apesar de não ter empolgado, o seminário abordou temas importantes para o mercado de radiodifusão como a nova pós-produção, financiamento de distribuição de conteúdo, operação de weisscam, regulamentação técnica da lei de serviços de comunicação audivisual e TV digital terrestre, áudio, iluminação, solução Triple Play, edição, entre outros, além de dois painéis sobre o sistema brasileiro de TV digital, ISDB-TB. Durante a exposição também foram realizadas diversas atividades técnico-acadêmicas.
As novidades que chamaram a atenção foram as atividades relacionadas a Cinema, que lotaram todas as salas, como o Seminário “Som direto e pós-produção de som utilizado no filme Tetro, de Francis Ford Coppola” e a Master Class de iluminação de Cinema, ministrada por Félix “Chango” Monti, atual presidente da ADF (Associação Argentina de Autores de Fotografía Cinematográfica) e diretor de fotografía de vários filmes fundamentais na Argentina, como “La Historia Oficial” (ganhador do Oscar de “melhor filme estrangeiro” em 1985).
A Caper foi criada há 21 anos como uma associação sem fins lucrativos. Seu objetivo é defender e promover os direitos referentes à fabricação, importação e comercialização de todo aparato técnico destinado às emissoras de Rádio, Televisão, Cinema e Estúdios de Gravação para o mercado argentino. Ela também representa o interesse dos associados ante as autoridades públicas.

*Repórter da Revista da SET

Revista da SET – ANO XXI – N.111 – DEZ 2009