• PT
  • EN
  • ES

Gerenciamentos de Mídia discutidos no Congresso SET

A palestra “MAM – Gerenciamento do fluxo de Gerenciamento conteúdo – Situação atual e perspectivas”, moderada por Paulo Canno (SET/ Rede Gazeta de Vitoria) abriu a 26ª edição do Congresso SET, realizado pela Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET).

Para Canno, o importante do trabalho com o MAM é apreender como funciona e assim “olhar para fora e entender o sistema. Uma vez implantado, um momento pavoroso para uma emissora nos primeiros meses, até a adaptação. Uma vez passado esse processo, é possível avançar, é preciso se amarrar a um integrador e desde aí, uma vez conhecido o sistema, desenvolver novas soluções para a emissora”.

Daniela Sousa da AD Digital afirmou que “precisamos metodologias disruptivas que mudem as tendências”. E ver que “modelos de monetización são utilizados para funcionar e crescer”. Para ela, podendo através dos recursos humanos e tecnológicos, otimizarem seus processos, com a intenção de redução do custo, tempo de chegada ao mercado e principalmente garantir a competitividade com uma concorrência diferente da tradicional, ou seja, Google, Facebook, Netflix etc.

Fabio Gattari da Etere SRL. explicou os benefícios da utilização da nuvem nas emissoras de TV e afirmou que as modernas estações de televisão precisam utilizar novos sistemas, como o web services para agilizar e funcionar de forma stateplettes. De fato, para ele, este sistema é útil quando a vários sistemas que precisam se continuar entre si mediante Simple Object Access Protocol (SOAP).

Com a nuvem conseguimos mudar algumas coisas, entre elas a forma de trabalhar” afirmou. Uma das perguntas feitas pelos congressistas foi quais os riscos do playout na nuvem. Para ele, é uma questão muito crítica, porque nesse ponto é difícil prever problemas. “Penso que a nuvem é ótima para modelos não críticos e não de emissão”.

João Paulo Quérette, da Alfred afirmou na palestra “O desafio da preservação digital” que o principal desafio é o armazenamento e o tamanho dos arquivos que cada dia aumenta pela qualidade e pela velocidade da imagem que já consegue captar a 1000 frames por segundo”, e com ele, o mais importante é a “migração” desses arquivos com backup em múltiplas copias, que sejam recuperáveis e acessíveis por curadores arquivistas.

Para Querette, “apesar da promessa de longevidade, garantir a preservação digital oferece desafios importantes” por isso temos de ver “Como escolher a melhor mídia de arquivamento e quais os formatos disponíveis. Quais considerações podem significar o fracasso ou o sucesso de seu arquivo digital”.

O Congresso terá 44 sessões e 220 palestrantes distribuídos em 4 auditórios simultâneos, em um fórum que congrega um grupo seleto de mais de 1.600 profissionais que discutem as questões mais relevantes do setor intensamente durante um período de 4 dias.

O evento reúne de 24 a 27 de agosto de 2014 no Pavilhão Azul do Centro de Convenções e Exposições Expo Center Norte em São Paulo, especialistas do Brasil, Estados Unidos, Japão, Europa e América Latina, que discutem os principais aspectos da produção, transmissão e distribuição em TV, além de temas relacionados a vídeo, cinema, rádio e internet. Entre os temas destacados está o switch-off da TV, as interações entre TV e Internet, os desenvolvimentos tecnológicos da Copa do Mundo e muitíssimos outros temas de atualidade da indústria.

Fernando Moura, Revista da SET

Post Tags: