• PT
  • EN

Cabo submarino começa a ser instalado em Fortaleza

Empreendimento viabilizará a infraestrutura que ligará o Data Center da companhia na capital cearense ao complexo industrial do Pecém

Após percorrer 6,3 mil quilômetros pelo leito do Atlântico, partindo de Sangano, na costa angolana, o South Altantic Cables System (SACS) chegou à Praia do Futuro, em Fortaleza. Construído pela japonesa NEC, o SACS é o primeiro cabo submarino a ser instalado no Atlântico Sul, ligando a África à América do Sul.

O cabo possui capacidade de comunicação de pelo menos 40Tb/s, e segundo os responsáveis do projeto, a sua chegada à Fortaleza significa a conclusão de mais uma importante etapa deste projeto. “O SACS é mais que um projeto de infraestruturas submarinas de telecomunicações. Trata-se de uma ponte digital que liga o hemisfério Sul e que proporcionará para Brasil e Angola o surgimento de diversos negócios relacionados com a quarta industrialização. O investimento realizado pela Angola Cables, com este cabo submarino e com as demais infraestruturas de telecomunicações que estamos trazendo ao país – Monet e Data Center de Fortaleza -, tem como objetivo potencializar a oportunidade de criação de valor para os mercados onde estão inseridos. A partir de agora, Brasil e Angola estarão a oferecer ao mundo uma rota alternativa de acesso aos Estados Unidos, um dos maiores produtores de todo o tipo de conteúdos globais, mas também à Ásia, uma das maiores regiões demográficas do planeta”, explica António Nunes, CEO da Angola Cables.

“Não tenho dúvida de que com o SACS passamos a inserir o Ceará para o mundo nesta conexão digital, com competitividade de mercado pela proximidade que passaremos a ter agora com a África e com a Europa, sem depender do continente norte-americano. Isso vai atrair grandes investimentos para Fortaleza e para o estado. Por conta da nossa vocação e localização geográfica, seremos um grande centro de oportunidades para o cearense, que através das startups e dos softwares poderão fazer negócios com um novo mercado, africano, mas também se conectar com um mundo inteiro“, diz o governador do Ceará, Camilo Santana.

A instalação do SACS em alto mar levou cerca de dois meses e envolveu a participação de engenheiros, profissionais de TI e mergulhadores profissionais para que o cabo realmente fosse fixado com segurança em solo marítimo. “Desta forma, definimos o melhor caminho a ser percorrido, evitando possíveis rupturas que ele pudesse ter sofrido devido às movimentações rochosas do solo”, fala Nunes.

Com a etapa da chegada do SACS concluída a Angola Cables passará a cuidar do processo de aterramento do cabo, instalação na sua estação, localizada na Praia do Futuro, realização de uma série de testes e, por fim, sua conexão no Data Center de Fortaleza, que se encontra em fase adiantada de construção. A previsão para início das operações do SACS está mantida para o primeiro semestre deste ano.

 

Da redação