• PT
  • EN
  • ES

Tecnologias de Produção: O futuro já chegou

Automação da produção, experiências imersivas e storyliving são formas de aproximar o público e aumentar a audiência

O painel “Tecnologias de Produção: o futuro já chegou”, moderado por Luiz Carlos Abrahão, diretor de tecnologia da Globo (DF), agregou diferentes players do mercado para exibir e discutir as inovações em tecnologias de produção para broadcast.

A sessão contou com uma instigante palestra da repórter Bárbara Lins, da Globo Brasília, entitulada “Nada será como antes! A visão de uma jornalista sobre as novas formas de produção de conteúdo”.

Bárbara elencou experiências de automação e imersão em jornalismo realizadas por veículos como a BBC de Londres, que está testando robôs jornalistas capazes de reproduzir diferentes entonações de voz, ou a Al Jazeera, do Catar, que, em 2008, já oferecia iPhones aos seus repórteres buscando aproximar os telespectadores dos fatos. A palestrante lembrou também que jornais como The GuardianThe New York Times já oferecem conteúdos em VR em suas versões digitais.

“A minha busca pelas novas tecnologias começou de uma inquietação por entender essa nova realidade. ‘Ninguém é de ninguém’ no mundo de hoje. Uma estagiária do G1, recentemente, conseguiu uma imagem do Eduardo Cunha sendo preso utilizando um celular. Produtores estão, cada vez mais, atuando como repórteres e vice-versa. O processos estão cada vez mais rápidos e velozes”, frisou.

A jornalista da Globo destacou ainda que a BBC já está produzindo conteúdos para aplicativos na vertical. “São vídeos curtos, resumos. Nunca é demais lembrar da previsão de que o consumo de vídeos via mobile só tende a crescer. Por isso, no DF TV, já estamos testando oferecer chamadas para o nosso telejornal via redes sociais com vídeos na vertical especificamente produzidos para as novas mídias.”

A tendência é o storyliving com o público inserido nas notícias. “Vai ter robô, vai ter automação, mas, enquanto a gente tiver tecnologias que nos aproximem do público, nós jornalistas teremos espaço”, concluiu Bárbara a uma plateia atenta.

Amaury Filho, gerente de vendas da Ross Video, abordou a automação de sistemas de produção de conteúdo em sua palestra.

Essas tecnologias estão sendo bastante requisitadas no Brasil e no mundo, de acordo com ele, porque trazem algo que é uma necessidade: reduzir custos, produzir mais e aumentar qualidade de conteúdos, “uma equação muitas vezes difícil de resolver”.

“A automação da produção permite realizar operações complexas e ágeis. É uma solução de longo prazo que vem sendo adotada nos grandes centros, como Canadá e Estados Unidos, em um momento de novas demandas de consumo, transformações tecnológicas e digitalização. Neste cenário, produzir mais com menos é uma demanda que temos recebido com “, acrescentou.

O executivo lembrou que a emissora norte-americana ABC, por exemplo, produz hardnews 24 horas com um sistema automatizado. “Um sistema de automação eficiente precisa ter flexibilidade, permitindo gerenciar o script de produção de maneira ágil e simples com controle direto se necessário. Outra coisa fundamental é a compatibilidade com o maior número de dispositivos possíveis, de diversos fabricantes”, concluiu.

SET Centro-Oeste 2017

O SET Centro-Oeste é um seminário anual – com dois dias de duração – promovido pela SET com o objetivo de fomentar a troca de ideias e de conhecimentos sobre as principais tendências tecnológicas na área do audiovisual. O evento integra uma série de encontros organizados pela SET há 20 anos em todas as regiões do Brasil (SET Sul, SET Norte, SET Centro-Oeste, SET Nordeste e SET Sudeste).

Local: Brasília Imperial Hotel – Setor Hoteleiro Sul, Quadra 3, Bloco H, Brasília. Fone: (61) 3425 0000

Datas: 07 e 08 de Novembro

Horário: 9h às 19h

Confira outras informações sobre o evento e a programação completa

Leia também: SET Centro-Oeste 2017: Audiência cresce após o switch-off

Leia também: Fake news preocupam broadcasters

*Por Gabriel Cortez, em Brasília, e Fernando Moura, em São Paulo