• PT
  • EN

SET Norte 2019: Novas tecnologias da TV 2.5 são apresentadas no evento

Em 2020, novos televisores chegaram ao mercado com novidades tecnológicas para tornar a experiência do consumidor mais imersiva enquanto assiste aos seus conteúdos favoritos.

A primeira parte do painel foi reservada para tratar do High Dynamic Range, mais conhecido pela sigla HDR. Lincoln Lobo, da Philips, foi o primeiro a abordar o assunto.

“O HDR é recurso utilizado para garantir pixels de melhor qualidade e dessa forma preservar a qualidade da imagem em ambientes mais escuros e em áreas mais claras; o contraste aumentado melhora a percepção de profundidade; e agnóstico em termos de codecs e formatos”, afirmou Lobo.

Erick Soares, expert de tecnologia da Sony, também falou sobre HDR. Ele destaca como o HDR propicia uma experiência de imagem com mais riqueza de contraste, de cor e de brilho. Dessa forma, os consumidores têm alta qualidade de imagem sem precisar comprar uma TV de muitas polegadas.

Na sequência, Soares abordou os formatos do HDR: o PQ e o HLG. O primeiro formato tem um valor absoluto, ou seja, é ideal para conteúdo masterizado, finalizado, como cinema. Enquanto o HLG tem um valor relativo, o que o torna ideal para conteúdo ao vivo, como transmissões esportivas, pois se adapta à variação de brilho.

Foto: Rodrigo Lima

Aguinaldo Boquimpani, da Mirakulo, falou sobre a TV 2.5, iniciando pela relação entre o Broadcast e OTT, ou seja, integração entre a TV linear e a não-linear

As emissoras têm o desafio de manter os espectadores envolvidos em plataformas diferentes. A integração da oferta de conteúdo para ambos e a adaptação dos modelos de receita suportada por anúncios são partes centrais desse desafio.

Radiodifusores em todo o mundo estão investindo na oferta de conteúdo OTT e se projetam no mercado de serviços OTT e streaming com mais confiança e com estratégias complementares e integradas à sua produção de conteúdo.

Uma das soluções encontradas para superar estes desafios foi o DTVPlay, que permite identificar o espectador, segmentação e personalização de conteúdo de forma síncrona com a programação, detectar as capacidades da TV e habilitar conteúdo customizado, o chamado targeted advertising, um método para exibir anúncios segmentados com base na segmentação da audiência da TV.

Claudio Ronconi, da Dolby, encerrou o painel falando da sua experiência com áudio imersivo.

“Trabalho com áudio para eventos há 30 anos. Nossa audição é 360, ela que conduz para onde nossa atenção deve estar. Pensando em aproximar o narrador do espectador, torcedor, por exemplo, o som tem que dar a impressão que ambos estão lada a lado, como amigos, pois a familiaridade e imersão deixam a experiência mais intensa”, afirmou Ronconi.