• PT
  • EN

SET Nordeste 2019: exigências para operar um drone

Bruce Marcus Leite de Souza, Especialista em Regulação de Aviação Civil da ANAC ministrando sua palestra | Foto: Sérgio Bernardo

O painel sobre Drones teve início com a apresentação de Bruce Marcus Leite, Especialista em Regulação da Aviação Civil na área de Normas Operacionais na Superintendência de Padrões Operacionais da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Ele apresentou as categorias e leis relacionadas aos drones.

“Existem três premissas para a regulamentação de aeronaves. São eles viabilizar operações, desde que a segurança das pessoas seja preservada. Minimizar ônus administrativo e burocracia e permitir a evolução conforme o desenvolvimento do setor”, pontuou.

As aeronaves são enquadradas em três classes. Os drones ficam na classe 3, que engloba aeronaves entre 250g e 25kg. Leite apresentou as exigências para conseguir autorização para operar drones.

Apresentação com as exigências necessárias para utilizar drones de maneira não recreativa | Créditos: Agência Nacional de de Aviação Civil (ANAC)

O 1º Tenente Rui Nunes da Costa e o 1º Sargento Rogério Ferreira Lima, ambos do III Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA III), deram continuidade ao painel.

Costa falou do objetivo da Subdivisão de Gerenciamento de Tráfego Aéreo, do qual ele e Lima fazem parte.

“Esclarecer os procedimentos administrativos e operacionais que devem ser adotados pelos pilotos de pequenas aeronaves não tripuladas para o uso seguro do espaço aéreo”, afirmou Costa.

Lima falou da operação padrão em que os drones devem ser utilizados para cumprir as normas estabelecidas e que áreas confinadas, como prédios, não são espaços aéreos e qualquer incidente é de responsabilidade do proprietário ou locatário do imóvel.

Para encerar a participação, Costa apresentou algumas leis do Código Brasileiro de Aeronáutica, como o artigo 106 que considera aeronave todo aparelho manobrável em voo, que possa sustentar-se e circular no espaço aéreo, mediante reações aerodinâmicas, apto a transportar pessoas ou coisas.

José Roberto Elias, consultor comercial na IF Telecom, encerrou o painel palestrando sobre medições de diagramas de antenas utilizando drones.

Elias começou falando dos desafios com escolha do drone ideal, redundâncias, equipamento em terra com processamento adequado para medidas em tempo real, licenças e certificações.

Apesar destes desafios, o consultor da IF Telecom afirma que a utilização de drones “traz viabilidade de medidas em campo de forma rápida e ágil, além de reduzir os custos quando comparados com técnicas anteriormente efetuadas com aeronaves de grande porte”.