• PT
  • EN

SET Nordeste 2018: Rádio investe em reinvenção na maneira de criar e ouvir

Rádio precisa engajar os públicos e encontrar modelos mais dinâmicos, afirmam palestrantes em Fortaleza

Com as constantes e rápidas mudanças de comportamento e de consumo , cada vez mais a tecnologia pede um olhar sistêmico em busca de soluções, até inusitadas, para que se fuja do lugar-comum. No painel de rádio do SET Nordeste 2018, o moderador Ronald Almeida, gerente de Engenharia do Grupo de Comunicação O POVO, apresentou alternativas para agregar valor ao rádio, defendendo a reinvenção na experiência de ouvir.

“Temos que ser dinâmicos. Não dependemos apenas da tecnologia para tocar o negócio, e sim de pessoas que interpretem toda essa transformação com engajamento e foco em desafios e resultados”, explica Luciano Costa Hoerbe – Gerente de Redes, Licenciadas e Afiliadas de rádios do Grupo RBS e vice-presidente de Marketing da AGERT (Associação Gaúcha das Emissoras de Rádio e TV).

O palestrante apresentou em Fortaleza um case no qual a Rádio Gaúcha montou uma “casa” dentro de uma universidade particular no Rio Grande do Sul, com o intuito de incentivar e melhorar a audiência do rádio em públicos que poderiam se distanciar do meio frente a alternativas pela internet. “Não posso pensar só na tecnologia, mas em criar conteúdos atrativos para a audiência. Essa ideia surgiu isso quando colocamos a hierarquia linear dentro das nossas empresas para lidar melhor com a tomada de decisões, foi aí que conseguimos encontrar essa solução”, comentou.

Neste mesmo caminho, Marco Túlio Nascimento, Vice-diretor de Rádio da SET e Diretor da ZYDigital mostrou novos caminhos para o futuro do rádio discutindo as transformações no ambiente competitivo. Nascimento apresenta números do mercado norte-americano para guiar a discussão. “As análises do que acontece lá deve nos guiar para encontrar soluções aqui na esfera nacional”, pondera. Hoje 85% do nosso mercado são de aparelhos Android e somente 12% IOS.  “Ouve-se muito rádio embarcado ou seja, no carro, no trajeto casa-trabalho. Alia-se a essa experiência uma gama de novas possibilidades por meio de inteligência artificial com assistente pessoal, o chamado Rádio Inteligente”, mostrou.

As caixas acústicas inteligentes evoluem para as caixas acústicas com tela. “Verificamos ainda que no mundo, o segundo idioma mais acionado por comando de voz é o português. Até o final do ano teremos a primeira caixa acústica totalmente nacional. Com certeza vai atender a demandas mais específicas do nosso mercado brasileiro”, avaliou o vice-diretor de rádio da SET.

Podcasts

De acordo com os dados apresentados por Marco Túlio, o mercado do podcast tem crescido em quantidade de conteúdo e publicidade. “São dois os perfis de consumo: quem escuta mais podcast ouve menos rádio e de outro lado, procura-se entregar um conteúdo mais diversificado e organizado ao ouvinte”, afirma.

Rádio Híbrido

O conceito desponta como canal de transmissão FM que, em paralelo, recebe dados da internet. “Caso falte o sinal do ar, ele comuta automaticamente para o streaming, oferecendo uma solução com muito pouca chances de falhar na transmissão”, explicou.

Por Tainara Rebelo e Aurelio Alves (Fotos) em Fortaleza (CE),e Fernando Moura, em São Paulo (SP)

SET Nordeste 2018 acontece os dias 17 e 18 de outubro, das  14h às 20h no Sebrae Fortaleza

Parceria: 

Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT)

Associação Cearense das Emissoras de Rádio e Televisão (ACERT)

Sebrae

Realização: Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET)