• PT
  • EN

SET Centro-Oeste 2019: A produção remota permite conteúdo de qualidade a baixo custo

Em 2019, o segundo dia dos eventos regionais da SET se inicia com o painel sobre Produção para TV |Produção Remota, ou seja, como as novas tecnologias de transmissão auxiliam na produção de conteúdo jornalístico e de entretenimento de alta qualidade e baixo custo.

No SET Centro-Oeste 2019, os trabalhos foram iniciados às 14 horas por Erick Soares, expert em tecnologia da Sony.

Ele destacou que a conectividade por meio de maior quantidade de banda, permite mobilidade das operações em nuvem. “Trabalhar em nuvem traz benefícios para a produção, operação e até para o setor de engenharia. Ao balancear o uso dessas novas tecnologias, as empresas começam a sair do conceito de trabalhar com hardware e passam a trabalhar com prestação de serviço”, afirmou.

Ainda abordando a produção remota, Soares ressaltou que a produção de conteúdo pode ser feita nativamente na nuvem. Dessa forma, a produção remota de conteúdo jornalístico tem seus custos diminuídos e sua qualidade potencializada.

Erick Soares, Expert em tecnologia da Sony | Foto: SET

Wagner Luiz, diretor de operações da 2Live, apresentou o produto criado pela empresa para a transmissão remota de conteúdo via IP, com ênfase em jornalismo e esportes.

Na sequência, Boris Kauffmann, Gerente Regional de Vendas da Imagine Communications, destacou a importância da aplicação prática da tecnologia IP 2110 para atingir o objetivo de fazer conteúdos de forma eficiente.

“O diferencial do broadcaster tradicional é o conteúdo ao vivo, pois atrai muitos olhos e anunciantes. Para se manter relevante, a produção tem que ser de alta qualidade, mas com baixo custo”, afirmou Kauffmann.

O executivo da Imagine abordou também o tema produção remota. “A produção remota diminui os custos operacionais, não há desperdício de recursos humano, ou seja, a equipe não fica isolada em um único evento e ociosa por um longo período, e mantém a qualidade do produto”, disse.

A moderadora do painel, Carolina Duca Novaes, gerente de tecnologia da Rede Globo, encerrou o painel fazendo um resumo das suas impressões sobre as palestras. “A busca do tempo na questão operacional é essencial para a produção e qualidade do produto. Nós passamos por um momento de mudança, muda a forma de fazer jornalismo, o esporte e outras formas de conteúdo. O ponto mais desafiador é talvez se tornar dependente da rede de terceiros, como 4G e 5G e suas infraestruturas”, encerrou.