• PT
  • EN

Satélites oferecem produtos mais baratos, visando 2023

Da esq. para dir: Alisson Heinemman, Lucas Morais, Rubens Vituli e Sérgio Martines. Foto: Mário Ohashi.

A necessidade de capilaridade de dados nunca foi tão relevante. Alternativas via rotas terrestres, redes de fibra ótica e satélite permeiam o dia a dia da radiodifusão e das mídias digitais.

O canal satelital tinha como barreira os custos elevados, realidade esta em transformação devido às tecnologias de compressão e à disponibilidade de serviços otimizados.

Alisson Heinemann, coordenador de RF e Projetos Regulatórios da NSC TV Florianópolis, moderou o painel no SET Sul 2019 que abordou o atual cenário do mercado de satélites e a importância da transmissão satelital nesta reta final do switch-off.

“O foco deste painel é analisar a contribuição da transmissão via satélite para as digitalizações de retransmissora, visando o grande desafio até 2023”, disse.

Lucas Morais, gerente comercial da 2Live/NovelSat, foi o primeiro palestrante e apresentou as soluções da empresa. “Temos confiança muito grande na expressiva economia que a modulação entrega”, disse.

Segundo ele, “a NovelSat deu um grande passo no mercado internacional, a ponto de chamar atenção da EBU, que fez a homologação de seus produtos”, ressaltou.

Rubens Vituli, diretor comercial da Divisão de Vídeo da SES, falou sobre compartilhamento de uplink de satélites para transmissão de vídeo.

“A SES está trazendo ao Brasil uma estrutura de teleporto para ajudar o broadcaster a economizar nos serviços de satélite”, informou.

Para ele, a SES se tornou uma empresa brasileira também. “Ganhamos um leilão de posição satelital, criamos um teleporto e uma estrutura de uplink compartilhado”, explicou.

Ao final, anunciou: “lançamos um serviço compartilhado de distribuição de vídeo em banda Ku com foco na retransmissão de canais abertos”.

Sérgio Martines, diretor executivo da SM Facilities, empresa de solução de integração de sistemas de transmissão, iniciou sua fala com dados demográficos da população brasileira nas pequenas cidades, em especial da Região Sul.

Depois, falou sobre a importância do compartilhamento de sites como solução para alcançar essas populações até o desligamento final do sinal analógico de TV e apresentou os produtos e as estratégias da SM Facilities para atender esta demanda.