• PT
  • EN

Produção ganha novos recursos e desafios

 

Participantes assistem o painel de produção no SET e Trinta. Foto: Fernando Gaio.

Texto e imagens: Fernando Gaio, de Las Vegas

Na sessão “Impactos das novas tecnologias nos modelos de produção”, Raimundo Lima, Membro do Conselho Deliberativo da SET e Diretor de Tecnologia e Operações do SBT, afirmou estar  “honrado por estar vivendo um tempo de grandes transformações no broadcast, com tantas soluções para levar as informações mais rápidas e com maior qualidade aos espectadores”. Ele revelou ainda a sua preocupação com a adaptação do mercado a um novo perfil de profissionais e com soluções que facilitem o seu trabalho.

Hugo Gaggioni, da Sony. Foto: Fernando Gaio.

O primeiro painel da sessão foi conduzido por Hugo Gaggioni, Chief Technology Officer da Sony Professional Solutions Americas, que dividiu a sua apresentação entre os desafios da tecnologia HDR e os lançamentos da marca na NAB Show 2019. Segundo o executivo, a produções e suas necessidades podem ser classificadas em quatro categorias: Jornalismo com altos orçamentos e alta velocidade de produção; Arte/Dramaturgia, com larga escala e flexibilidade na escolha de equipamentos; Produções de baixo orçamento e pouca flexibilidade; e Produções de média escala e flexibilidade na escolha de soluções.

Baseada nestas premissas, a Sony criou três classes de soluções com HDR: Produções ao vivo com S-LOG/HLG_Live; Produções com RAW e XAVC, e produções que usam apenas o codec XAVC. “Criamos uma grande variedade de documentos on-line especificando as curvas e conversões que geram as imagens para auxiliar nossos clientes na escolha da melhor solução”, explica Gaggioni.

“O fluxo SR Live, por exemplo, oferece um fluxo de trabalho que não compromete a qualidade dos fluxos SDR e HDR numa operação simultânea. Os engenheiros podem controlar as cores dos sinais em um monitor para SDR e outro HDR em monitorações separadas, avaliando todas as características. As novas CCUs permitem controlar os tons médios ao vivo dentro do ambiente HDR, atendendo a uma necessidade de criar materiais SDR a partir de materiais HDR em produções baseadas em arquivo”, explica.

“O problema de criar o vídeo SDR em tempo real está no risco de ter a sua qualidade destruída, por isso criamos uma descrição de metadados para no arquivo MXF, garantindo uma equalização eficiente”, finalizou.

Operação descentralizada

Em sua apresentação, Raphael Severo, Especialista em Produtos de Rede de Áudio e Vídeo da Lawo AG, explicou a que nas “últimas décadas tínhamos sistemas muito centralizados, concentrando todas as informações em poucos barramentos. Isso esta mudando para módulos de operação independente, com entrada, processamento e roteamento separados”.

Isso está mudando e a palavra de ordem é descentralizar. “Para coordenar esses módulos existem soluções de interface proprietárias e abertas. Nós entendemos que esse modelo descentralizado torna a integração entre engenharia e produção muito mais simples”, explicou.

Os equipamentos LAwo A_UHD Core, podem  ser ajustados a qualquer workflow, conforme as demandas do dia a dia. “É muito fácil reencaminhar canais processados de uma console para outra com muita simplicidade. O que facilita muito a operação, independente de ser remota”.

Outra novidade é o V Frame, que se adapta a produções sazonais, com módulos ajustáveis. Há ainda o sistema de controle VSM, com protocolos de diversos fabricantes para gerenciar todos os recursos e orquestrar a operação. “Esta aplicação tem uma camada única de controle , com muitos parâmetros para organizar toda a operação”. Com estas soluções de orquestração em IP, são feitos não apenas cortes de fluxos de IP, mas há muita segurança contra sobrecargas no sistema.

Workflow completo

Fábio Angelini, da Pinnacle. Foto: Fernando Gaio.

Fabio Angelini, Engenheiro de Vendas da Pinnacle Broadcast e Especialista de Produtos Blackmagic Design, apresentou em seu painel um histórico da empresa. “Somos distribuidores, assistência e suporte técnico da Blackmagic no Brasil, o que dá muita robustez a marca no país”. A empresa oferece serviços de assistência técnica, manutenção, configuração, montagem e instalação de estações de vídeo não-lineares. Sua equipe técnica é treinada no exterior.

Angelini destacou que todo o fluxo de produção da Blackmagic envolve controles com fibra óptica para controle de câmeras, switcher, gravadores, painel de controle, entre outros, o que torna-a apta a atender grandes emissoras