• PT
  • EN

Inteligência Artificial entusiasma equipes de produção de conteúdo

 Phil Kurz, TV Technology, NAB Show Daily News

Ainda é muito cedo para a inteligência artificial (IA) e o machine learning, mas já há grandes players como a HBO e a Deluxe explorando como a tecnologia pode melhorar a produção de vídeo.

Weyron Henriques, vice-presidente de desenvolvimento de produtos da Deluxe Technology, Barbara Ford Grant, vice-presidente sênior de Serviços de Produção Digital da HBO, Adrian Graham do Google Cloud Solutions e o moderador Kylee Peña da Netflix Flux debateram o tema na key session do NAB Show intitulada   “Inteligência de máquina chega workflow de produção de vídeo”.

“A IA por si só é estatisticamente impressionante, mas individualmente não confiável”, disse Henriques a uma multidão que estava assistindo à sessão. Ele observou que são necessários métodos adicionais de processamento de imagens para marcar objetos e ações.

Henriques contou o exemplo de uma cena em que um ator simulava cair, em um cenário verde. O ar que soprava em alta velocidade a partir do fundo fez o cabelo do ator se arrepiar. Entretanto, sem a intervenção de um humano para complementar os dados disponíveis, a AI deduziu que o ator está sendo eletrocutado. “Um erro que poderia impacta nas ferramentas de busca”, disse ele.

No entanto, esse desafio não diminui o fato de que a IA pode ajudar  nas pesquisas de conteúdo, disse Henriques. Sem AI, um supervisor de efeitos visuais pode passar dias com um editor de efeitos visuais procurando por planos para um determinado programa. “No entanto, essa tarefa pode ser concluída em segundos com a ajuda da inteligência artificial”, acrescentou.

Na HBO, há muito entusiasmo pela IA, disse Ford Grant, executiva da empresa. Por enquanto, no entanto, a HBO está “apenas mergulhando os dedos dos pés e explorando algumas das maneiras de usar a tecnologia”, disse. Isso inclui dados estruturados e associados a efeitos visuais, scripts e planilhas de produção.

“Uma das coisas que estamos fazendo é a construção de taxonomias e ontologias dinâmicas em torno desse material e como isso pode ser utilizado”, disse Ford Grant.

“A HBO está olhando para a inteligência artificial não apenas para aumentar a eficiência, mas como um meio de encantar o público com novas experiências imersivas e interativas, bem como para estender seus serviços de streaming”, acrescentou.

Graham, do Google, identificou a AI como um meio de entender os padrões que existem em todo a cadeia de produção e como um meio para ajudar a preencher dados que faltam no workflow, afirmou.

“Você pode treinar um modelo de aprendizado de máquina para compreender o comprimento de uma lene, o lugar da câmera, sua elevação e inclinação, uma tomada ampla contra uma tomada de zoom ou uma dolly contra uma pista”, disse.

Uma vez que os dados estejam disponíveis, a próxima tarefa é incorporá-los às imagens para que possam ser utilizados pela produção, compreendidos e capturados a qualquer momento, acrescentou ele.

A inteligência artificial também tem um papel importante na localização do conteúdo, disse Henriques, da  Deluxe. Não é incomum que a Deluxe envie conteúdo para empresas de dublagem em 30 países diferentes, finalizou.