• PT
  • EN
 

SET Artigos

ARTIGOS

Artigos publicados na Revista da SET.

Faça a busca por palavra-chave, data ou nome do autor.

Após a busca limpe o texto no campo de busca para voltar a tabela completa

 Data Artigo
 DataArtigo
 

Futuro da mídia: tecnologia e hábitos de consumo

by Tom Jones Moreira

Este tracking está sendo realizado há ao menos cinco anos, buscando identificar como as tecnologias afetam os hábitos de consumo. Como o consumo de mídia varia de acordo com a idade, geração, região, classe social? Quais inovações tendem a se perpetuar e quais são apenas hypes?

 
 

DTV PLAY/TV 2.5: Nuances, hibridizações e tendências do Sistema Brasileiro de Televisão Digital – Primeira Parte

by Deisy Fernanda Feitosa

A jornalista, professora e coordenadora do Obted analisa, em duas partes, o momento que atravessa o SBTVD, e como as emissoras brasileiras olham o fenômeno da TV híbrida e o Perfil D do middleware Ginga, que permite maior imersão e interação

 

Choosing Encoding Parameters for High-Dynamic Range Streaming

by Sean T. McCarthy

Este é um daqueles artigos que eu gosto, pois fornecem dados práticos e confiáveis para a implementação de projetos de streaming que desejem utilizar-se dos benefícios do HDR.

 

NHK e 8K Super Hi-Vision. O Japão desenhando o futuro

by Almir Almas

O Japão, por meio dos Laboratórios de pesquisa da NHK (Japan Broadcasting Corporation [日本放送協会 –Nippon Housou Kyokai]), conhecidos como NHK Science & Technology Research Laboratories (STRL – [NHK放送技術研究所 – NHK Housougijutsukenkyuujo]), vem desenhando o futuro da radiodifusão.

 
 

Importantes novidades apresentadas para o IP na produção ao vivo

by José Antonio Garcia

Uma importante novidade apresentada na área do IP Showcase dessa NAB 2019, foi o anuncio do Programa de Testes do JT-NM (Joint Task Force On Networked Media).

 

A Inteligência Artificial no aparelho de TV

by Francisco Machado Filho e Rosiene Tondelli Cazale

Autores afirmam que está consolidado que a Inteligência Artificial (IA) será a grande revolução que os meios de comunicação irão experimentar nos próximos anos

 

[email protected]: Um novo conceito baseado na automação e nos novos profissionais de televisão

by Fernando Moreira

Depois de mais de duas décadas de NAB tenho acompanhado além da evolução tecnológica, a especialização dos profissionais de televisão.

 

NHK e a 8K Super Hi-Vision

by Almir Almas

Professor analisa a sensação de imersão, de senso de realidade e de estar presente provocada por esta tecnologia

 
 

Revista da SET: os Estados Unidos na inauguração da TV brasileira

by Elmo Francfort

Primeiros grandes encontros entre empresários das duas nações que acabaram por criar a televisão no Brasil

 

Noções básicas das tecnologias de compressão e armazenamento aplicadas no ecossistema de uma produção de vídeo

by Fábio de Sales Guerra Tsuzuki e Fernando Moreira

Vivemos em um momento no qual a produção audiovisual, a engenharia de televisão e a Tecnologia da Informação (TI) ficaram totalmente interdependentes

 

2018 Update on High Dynamic Range Television

by Scott Miller

Scott Miller analisa neste artigo da SMPTE o estado da arte da HDR para televisão mostrando os avanços, impasses e retrocessos da tecnologia. Para isso faz uma análise detalhada dos principais eventos e disposições tomadas pela organização e a indústria durante 2018.

 

LGPD/GDPR e o diálogo entre engenheiros e advogados

by Andreia Saad e Renato Terra

O objetivo do presente artigo é assim chamar aten-ção para essa necessidade, cada vez maior, de coo-peração e entendimento entre advogados e técnicos, como engenheiros, programadores e profissionais da segurança da informação, a respeito deste assunto tão relevante, que é a proteção de dados pessoais.

 

Características técnicas e sensoriais dos vídeos em 360°

by Fernando Moreira e Felipe Soriano

Estes conteúdos estão inseridos dentro das tecnologias denominadas imersivas e tem sido objeto de aplicações em diversas áreas como o jornalismo, a publicidade, turismo e no campo corporativo.

 

Artigo da SMPTE: Looking Deep into the Future: Infrastructure Prospects for the Media Enterprise in 2036

by Al Kovalick

What will the media enterprise infrastructure look like in 2036? Current trends of IT/IP/cloud provide some guidance for the structure of future systems.

 

TV Digital

by Camilla Cintra e Flávia Silva

Após 11 anos do início da implantação da TV Digital no Brasil, o switch-off Analógico foi realizado em muitas capitais e grandes centros urbanos.

 

“50 Anos de Mídia”: uma viagem pela memória da comunicação

by Elmo Francfort

Uma forma diferente não só de relembrar a história, mas também de dar um presente aos profissionais de mídia e ao seu público.

 

Transmissão híbrida na TV aberta brasileira: o DTV Play e as suas potencialidades

by Deisy Feitosa

O perfil D do Ginga tem como principal objetivo trazer maior integração entre broadcast e broadband, integrando também dispositivos pessoais durante a experiência do usuário.

 

HDR Perception Challenges and Measurements in Cinema Environments

by François Helt

Este paper analisa formas de reflexão e como, nós engenheiros e técnicos, podemos utilizar modelos matemáticos muito bem definidos, que podem e devem ajudar nessa difícil tarefa de especificar melhores soluções para o cotidiano das pessoas, deixando os usuários com todos os benefícios que a tecnologia em seu desenvolvimento pode prover.

 

Interiorização da TV Digital no Brasil

by José Frederico Rehme

Compartilhamento de infraestrutura para redução de custos operacionais e de investimentos; uso intenso  e pleno das possibilidades de uma tecnologia diferenciada; e novo modelo de negócios debatido em São Paulo

 

Novidades na plataforma Mosaico e canais de rede reveladas no SET EXPO

by Francisco Sergio Husni Ribeiro

Radiodifusores, Anatel e MCTIC analisam migração e mudanças nos processos administrativos do setor audiovisual

 

HEVC, VP9, AV1: O que o mercado está esperando desses codecs?

by Tom Jones Moreira

HEVC cresce menos que o esperado, enquanto H.264 mantem
sua coroa de melhor codec implementado

 

Uma NAB disruptiva!

by Tom Jones Moreira

A NAB 2018 foi dominada principalmente por câmeras robôs autômatas, muita, mas muita mesmo! Realidade virtual (VR) e alguns anúncios empolgantes no mundo IP e dos codecs.

 

NAB 2018: Sem novidades retumbantes? Que bom!

by José Frederico Rehme

Autor reflete sobre os caminhos do desenvolvimento tecnológico em um indústria em mudança

 

Produção IP veio para ficar

by José Antonio Garcia

Esta foi a primeira NAB após a adoção dos padrões SMPTE ST 2110.

 

Inteligência Artificial na televisão: a verdadeira revolução começou

by Francisco Machado Filho

NAB apresenta o futuro da televisão mundial que pela primeira vez se baseia no relacionamento com o telespectador

 

NAB 2018: Quando as indústrias convergem inovações emergem

by Emerson Weirich

Novas ferramentas para o futuro da engenharia de áudio e vídeo: Blockchain, Smartdevices, Broadcast personalizado, Assistentes de Voz, Inteligência Artificial no fluxo de produção, Smartspeakers, entre outras tecnologias apresentadas em Las Vegas

 

Conversion of Conventional Video for Display on High Dynamic Range Televisions

by Simon Thompson

This paper presents the results of subjective experiments undertaken by the BBC R&D to create a reversible solution for the display of conventional video content on a Hybrid Log-Gamma high dynamic range (HDR) television. This algorithm is simple to implement in both hardware and …

 

Beyond the Limits of Visual Acuity: The Real Reason for 4K and 8K Image Resolution

by Edward Reuss

Several commentators have argued that 4K and 8K image resolutions are unnecessary because the human visual system cannot resolve the additional image resolution at normal viewing distances, either for viewing a large screen television at normal living room distances, or on a handheld display, such as on a smartphone or tablet.

 

SET A ZERO

by José Carlos Aronchi

A queda das barreiras de entrada para os negócios audiovisuais

 

TV brasileira e OTT pós-disruptura

by Carlos Barros Monteiro e Luana Chávez Bandeira de Brito

Este artigo aborda a constatação da necessidade de avanço
nas pesquisas e reflexões acerca das consequências da disruptura
na TV brasileira, players abertos e por assinatura

 

Skam: novos modos de criação e engajamento

by Vinícius Guida , Gabriela Borges e Daiana Sigiliano

Como o sucesso de uma trama da TV pública norueguesa nos ajuda a repensar os modelos tradicionais de produção e distribuição de conteúdos audiovisuais

 

Caminhos para a TV do Futuro

by Leonardo Chaves e Gabriel Ferraresso

Autores analisam experiências vividas nos dois maiores eventos esportivos do planeta realizados no Rio de Janeiro em 2014 e 2016

 

A incógnita sobre o futuro do espectro

by Paulo Esperante

O Congresso SET EXPO passa, a cada ano, por renovações, e notamos nas últimas edições que deixou de ser apenas Broadcast & Cable e se tornou Content & Media Technology Trade Show and Conference.

 

Nova Sede da Globo em Recife: Tudo em IP

by Roberto Menezes

A Globo de Recife iniciou em 2014 a construção da sua Nova Sede, localizada na Rua da Aurora, centro da cidade. Projeto grandioso e desafiador, em meio à crise que estava prestes a instaurar-se. Embora um prédio totalmente novo, seria um projeto de migração, onde seriam transferidos todos os ativos da antiga sede, localizada em Olinda, no Morro do Peludo, para o novo prédio.

 

The Future of Broadcast Engineering

by Imagine Communications

Acesso restrito a associados da SET

Clique aqui para acessar

 

IMF – InteroperableMaster FormatFonte

by Sergio Eduardo Di Santoro Bruzetti

Neste artigo o autor explica as principais funções do formato e como ele pode ser aproveitado na dublagem de conteúdos audiovisuais

 

Áudio imersivo: Evolução da experiência sonora, viável e para todos

by

Os autores sustentam neste artigo que a evolução da experiência sonora pode ser levada a todas as plataformas e com isto a um número maior de espectadores

 
 

NAB três décadas depois

by Raimundo Lima

Enquanto estamos completamente tomados com as providências para o desligamento do sinal analógico no Brasil, a NAB nos alerta que temos outros tantos desafios pela frente, abertos pelas conquistas de engenharia

 

Infraestrutura de Estúdios – Transição SDI para IP

by José Antonio Garcia e Raphael Barbieri

Este ano, a transição nos estúdios do SDI (Serial Digital Interface) para o IP (Internet Protocol), como forma principal de movimentar os sinais através da infraestrutura, ganhou ainda mais força.

 

O caminho para uma TV disruptiva

by Tom Jones Moreira

Nossos telespectadores tornaram-se teleparticipantes, e requerem que todo o conteúdo seja ligado

 

Novos dispositivos para arquivamento digital

by Fabio Tsuzukio

Os primeiros projetos para arquivamento digital, desenvolvidos na virada do ano 2000, foram baseados nas fitas DST desenvolvidas pela AMPEX. Os circuitos que controlavam as robóticas nessa época eram pneumáticos. Essas fitas foram apresentadas em 1992 ao mercado e até o ano 2000 eram a tecnologia de ponta para arquivamento.

 
 

Deploying Wide Color Gamut and High Dynamic Range in HD and UHD

by Charles Poynton, Jeroen Stessen, and Rutger Nijland

O artigo apresentado nesta edição aborda uma importante questão: Como a ampla gama de cores e as imagens de vídeo de alto alcance dinâmico devem ser codificadas? A principal conclusão a que os autores chegam é que a técnica Y’CBCR e as suas variantes são perfeitamente adequadas para uma gama dinâmica moderada, mas um menor desempenho quando combinadas com HDR. E, por isso, são necessárias novas técnicas de codificação.

 

As 10 tecnologias mais importantes para os próximos anos

by Jairo Barboza e Caio Seródio

Recentemente o Gartner Group, re putada consultoria americana, fez uma lista com as 10 tecnologias que, em sua visão, mais irão impactar o mundo e afetar, para melhor, a vida das pessoas e os negócios nos próximos cinco ou 10 anos.

 

Fórum SBTVD

by Laisa Caroline de Paula Costa

Neste quinto artigo da série sobre as tecnologias do Sistema Brasileiro de TV Digital, são descritas as ferramentas de controle de cópias e o modo como são empregadas nos receptores, e também porque elas têm papel decisivo no combate à pirataria do conteúdo de alta definição.

 

Workflow de jornalismo e produção integrado

by Daniela Souza

O movimento que transformou os VTs analógicos e casseteiras automatizadas de fitas para videoservidores iniciou-se em 1990. Na ocasião criaram um grande desconforto e dúvidas sobre o que seria esta nova era tecnológica.

 

O quarto encarte técnico do Fórum

by Carolina Duca Novaes e Danilo Ono

O quarto artigo da série sobre as tecnologias do Sistema Brasileiro de TV Digital apresenta a sintaxe das tabelas que caracterizam os serviços presentes no sinal de TV digital.

 

Rádio Digital

by Ronald Barbosa

Em continuação ao tema Rádio Digital, o passo seguinte dado pelo grupo coor denado pela ABERT para realização dos testes usou os Guias da Anatel, que estabelecem os Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC e os Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC.

 

by Michael P. Payne

ESTUDO DE TÉCNICAS DE TRANSMISSÃO TERRESTRE POR MICROONDAS QUE PERMITEM TAXAS DE BITS PARA CONTRIBUIÇÕES ACIMA DE 80 MB/S EM APLICAÇÕES NO CAMPO.

 

SISTEMAS IRRADIANTES AM, ONDAS MÉDIAS

by Rolf Sandmeier

SISTEMAS IRRADIANTES AM, ONDAS MÉDIAS
UMA VISÃO ATUALIZADA SOBRE TORRES, CAIXAS DE SINTONIA E TRANSMISSORES.

 

A ANTENA COLETIVA E A TV DIGITAL

by Eduardo Bicudo

NECESSIDADE DE INSTALAÇÃO DE ANTENAS COLETIVAS PARA RECEPÇÃO UHF EM CONDOMÍNIOS, PARA A PERFEITA TRANSIÇÃO DO ANALÓGICO PARA O DIGITAL

 

MEDINDO O DESEMPENHO DE SISTEMAS DE TELA LARGA – FINAL

by David Richards

A PARTE FINAL DESTE ARTIGO APRESENTA REGRAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIDAS PARA APLICAÇÃO EM DISPOSITIVOS DE TELAS LARGAS, A FIM DE EVITAR PROBLEMAS NA PROJEÇÃO DE CONTEÚDOS NO QUE DIZ RESPEITO A BRILHO, CONTRASTE E UNIFORMIDADE.

 

MULTIPLEXAÇÃO PARA TRANSMISSÃO DE TV DIGITAL

by João Paulo Ribeiro

DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE MULTIPLEXAÇÃO DIGITAL PARA TRANSMISSÃO DE TV

 

CAMINHO DO RÁDIO DIGITAL – PARTE 1

by Djalma Ferreira

A Associação Brasileira das Emissoras de Radio e Televisão – ABERT, vem estimulando a adoção de um padrão de transmissão digital para o rádio, incentivando emissoras a iniciarem experiências com o sistema IBOC, desenvolvido pela Ibiquity,  tanto para a faixa de FM, como para a faixa de Onda Média (AM).
Estas experiências envolvem um investimento bastante elevado para cada emissora, na compra de equipamentos e adaptação de suas instalações, a fim de que sejam satisfeitas as exigências mais rígidas da nova tecnologia

 
 

Grupo de Estudos SET – IBB

by Grupo de Estudos SET - IBB

 
 
 
 

São seus olhos…

by José Frederico Rehme

O foco da NAB 2016 foi a tecnologia 4k!

 

As novas possibilidades de uso da radiodifusão no mundo convergente

by André Barbosa

A Televisão Digital Terrestre (TDT) nunca foi utilizada no mundo em sua potencialidade, razão pela qual suas facilidades foram apresentadas ao público apenas parcialmente, ou mesmo, “engavetadas” pela indústria de equipamen-tos eletroeletrônicos de recepção

 

Entendendo a Camada Física do ATSC 3.0

by Cristiano Akamine

Você deve estar curioso com a nova versão do ATSC (Advanced Television System Committee) 3.0. O que será que existe de novo?

 

Como a parceria de programas de TV, séries e filmes com marcas pode ser uma alternativa aos tradicionais meios de financiamento audiovisual?

by André Campos Filippe

O mercado audiovisual brasileiro se desenvolveu graças à adoção de uma série de ferramentas
de fomento à atividade – tanto de âmbito federal, encabeçadas pela Ancine,como também na esfera estadual e municipal, sob a tutela das Secretarias de Cultura de cada estado e município.

 

Nativos Digitais

by Daniela Souza

A inércia não trará resultados neste momento de transformação da forma de consumo de conteúdo. O que fazer?

 

Métodos para a avaliação do sincronismo audiovisual em emissoras de televisão e sua aplicação para a medição de atraso de monitores de tela plana

by Estanislau Glod Swib e Lisandro Lovisolo

Neste trabalho, discutimos formas e estratégias para  medir esse erro. O foco central da discussão apresentada é a avaliação do atraso introduzido por monitores de vídeo de tela plana. Entretanto, as estratégias aqui discutidas de avaliação do erro de sincronismo labial podem também ser utilizadas em diferentes cadeias de processamento de áudio e vídeo ou mesmo em uma cadeia de distribuição de sinais. Aferição, avaliação  e medição do erro de sincronismo entre áudio e vídeo.

 

TRANSMISSÃO AM E FM EM HD RADIO

by Jeff R. Detweiler

BASEADO EM TECNOLOGIA IBOC, O HD RADIO, DA IBIQUITY, OFERECE MIGRAÇÃO PARA A TECNOLOGIA DIGITAL SEM INTERRUPÇÃO DO SERVIÇO E MANTÉM AS ESTAÇÕES DE RÁDIO EXISTENTES NAS MESMAS POSIÇÕES DO DIAL, COM QUALIDADE DE RECEPÇÃO SUPERIOR E REDUÇÃO DOS CUSTOS DE CONVERSÃO.

 

O design de interação nos projetos para televisão

by Dimas Dion

Apesar de parecerem áreas distintas, o design tem muito a ver com prática dos projetos em televisão. Dentre as diversas contribuições, o design pode ser usado para: planejamento, criatividade, testes, identificação de oportunidades de novos negócios, na produção, no desenvolvimento e entretenimento.

 

A evolução dos sistemas de gestão de acervos digitais (parte II)

by Fabio Tsuzuki e José Olairson Valentim

Nesta edição da Revista da SET avançamos com a segunda parte do artigo que analisa os sistemas de gestão de acervos digitais. Na edição anterior foram analisados a infraestrutura e os formatos de arquivos que podem ser utilizados nos sistemas MAM

 

Influência do MER na área de cobertura de transmissão de TV Digital

by Henry Douglas Rodrigues

A Revista da SET apresenta a seguir um interessantíssimo artigo científico apresentado no último congresso da Broadcast Engineering Conference em Las Vegas realizado em abril passado em conjunto com a NABshow, pelo engenheiro brasileiro, Henry Douglas Rodrigues, onde ele explica os desenvolvimentos realizados no país com respeito ao erro na modulação do sinal de TV Digital com padrão nipo-brasileiro.

 

Comunicação, convergência e interatividade

by Felipe Gomes da Silva

A quantidade de novidades no mercado mostra que existe um grande leque de possibilidades para se trabalhar, e a necessidade de interagir talvez tenha se tornado mais importante do que o conteúdo da mensagem

 

A evolução dos sistemas de Gestão de acervos digitais

by Fabio Tsuzuki e José Olairson Valentim

Sistemas de gestão de acervos digitais são designados pela siga DAM: Digital Asset Management ou MAM: Media Asset Management.

 

O ciber-watercooler e a volta a TV com hora marcada

by Daiana Sigiliano

Ao assistir os programas e tweetar simultaneamente, os telespectadores estabelecem uma nova maneira de se relacionar com o conteúdo televisivo

 

Drones, possibilidades de narrativa na era digital

by Rodrigo Dias Arnaut e Carlos Rodrigues Junior

A TV e as novas mídias, em um caminho só antes visto em filmes de ficção

 

Como medir a nova ordem de audiência na TV Digital Brasileira?

by Regina Diniz

Em tempos de segunda tela, smartphones, TVs conectadas e mídias sociais, as perguntas são muitas e as respostas nem sempre assertivas e abrangentes para o desafio de medir a audiência dos conteúdos televisivos no Brasil

 

A base para um roteiro transmídia perfeito

by Icaro de Abreu

Inovar consiste em saber entender e interpretar as mesmas histórias em papéis diferentes e contextos distintos. Entendendo isso, somos capazes de construir relevância e sentido aos nossos conteúdos.

 

Uso da Banda C-Planejada rumo à expansão de canais na América Latina

by Jurandir Pitsch

Continuando com o foco no setor de satélites, a Revista da SET convidou a SES para explicar o conteito de comunidades de vídeo e os beneficios que pode gerar a utilização de Banda C-Planejada na região

 

Convergência digital: O futuro da TV Aberta

by André Barbosa

A Televisão Digital Terrestre nunca foi utilizada no mundo em sua potencialidade, razão pela qual suas facilidades foram apresentadas ao público apenas parcialmente, ou mesmo “engavetadas” pela indústria de equipamentos eletroeletrônicos de recepção.

 

Papel do Satélite na Era da Tela Múltipla e do OTT

by Carmen González-Sanfeliu

O satélite sempre facilitou o transporte e a distribuição confiáveis de conteúdo com qualidade padrão radiodifusor (broadcaster quality) e adaptou com êxito seus modelos empresariais, de modo a atender aos requisitos em constante mudança dos clientes de mídia (isto é, de SD para HD para 4K).

 

A revolução do vídeo on demand. Binge-Watching, Time-Shiffiting

by Marilia Fredini

Na transição entre cinema, televisão e internet, a lógica do consumo permanece a mesma: a migração de audiência se dá em direção à maior oferta de conteúdos, com mais comodidade, personalização e economia

 

A transição para o IPv6 será necessária, mais cedo ou mais tarde!

by Tom Jones Moreira

Um por um, todos os serviços de comunicações e aplicações migraram ou estão em processo de migração para o IP (Internet Protocol)

 

TV, onde está você agora?

by Rodrigo Dias Arnaut e Daiana Sigiliano

O atual ecossistema de conectividade em que vivemos marca o fim de uma só mídia dominante.Grupo de Novas Mídias da SET promoveu painel no NAB Show 2015 para discutir os desafios da televisão no mundo conectado

 

TV Digital na América Latina: cenários, desafios e perspectivas

by Francisco Machado Filho e Maria Cristina Gobbi

Em alguns países e para algumas pessoas falar em Televisão Digital Interativa (TVDi) parece algo comum e integrado à vida cotidiana. Porém, como esse panorama está se desenhando na América Latina? Esta importante região em desenvolvimento tem papel preponderante na indústria televisiva mundial.

 

Os desafios da Reportagem Externa

by Tereza Mondino, Camilla Cintra, Deisi Wosch e Adones Guerra

O Setor de Radiodifusão aguarda a análise da Anatel relativa aos pleitos que podem equacionar as dificuldades da Reportagem Externa. Neste artigo apresentamos a visão da SET sobre a questão e os principais tópicos apresentados a Anatel.

 

Conceitos e Fundamentos do HEVC/H.265

by Tom Jones Moreira

Nesta segunda parte, finalizaremos a explicação conceitual do codec e mostraremos o seu desempenho e complexidade.

 

Protótipo de Segunda Tela para usuários de TV Digital Aberta no Padrão ISDB-Tb

by Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues

presente artigo descreve uma proposta de uma solução para o uso da tecnologia de Second Screen (Segunda Tela) para disposição de conteúdos interativos para o Sistema Brasileiro de Televisão Digital – SBTVD na qual os usuários possam, de forma síncrona com o conteúdo exibido na programação da TV digital, acessar informações auxiliares e interagir com conteúdos relacionados à programação por meio da internet.

 

A fórmula criativa da Netflix

by Daiana Sigiliano

Fundada em 1997 por Marc Randolph a Netflix começou a investir em conteúdos via streaming em 2007. Considerado um dos grandes expoentes da TV Everywhere, a plataforma oferece aos assinantes um catálogo com filmes, documentários, séries, shows, entrevistas e produções originais que podem ser acessados de forma ilimitada.

 

Radiodifusão e satélite: Uma dupla com futuro

by Carlos Espinós

O setor da radiodifusão via satélite está em um momento de plena efervescência e oferece um interessante horizonte para a inovação tecnológica que terá de responder aos múltiplos desafios

 

A engenharia de televisão entrando no caminho transmídia

by Dimas Dion

A partir de um breve histórico da TV Digital do Brasil, mostramos como a experiência do usuário vem construindo um novo caminho no desenvolvimento de interatividades na TV Digital e em 2nd Screen

 

O que esperar do mercado broadcasting em 2015?

by Gustavo Caetano

O que esperar do mercado broadcasting em 2015?

O mercado online esta crescendo significativamente no Brasil e no mundo, por isso, afirma o autor, é preciso oferecer conteúdo premium sendo criativo para reter a audiência

 

O futuro da televisão no Brasil? Ser híbrida

by

O futuro da televisão no Brasil? Ser híbrida

Para se manter relevante e continuar retendo a audiência a televisão brasileira deverá se integrar ao sistema broadband e oferecer conteúdo aberto e On Demand

 

Cobertura de TV Digital com uso de redes MFN e SFN

by José Frederico Rehme e Marco Antonio Martins

Artigo explica mediante dois cases realizados na RPC TV como é o processo de implantação da TV Digital no país comparando as opções de constituição de redes broadcast de mesmo conteúdo, com suas vantagens e desvantagens

 

Oportunidades para Start Ups na TV Digital

by José Carlos Aronchi

A adoção do SBTVD-t por 11 países da América Latina atende ao maior requisito das start ups que é o da escalabilidade, palavra chave para o investidor. Outro dos ponto é o T-commerce, operações de compra e venda pela TV Digital, o futuro do e-commerce.

 

Por que contar história é a melhor arma?

by Daiana Sigiliano

Não se conta mais histórias como antigamente. A convergência modificou a TV, o cinema, a literatura, o público e, acima de tudo, as narrativas. Hoje uma ‘simples’ série televisiva pode se expandir de uma forma que nem o próprio criador da trama previa.

 

Lost, a série que mudou a TV continua viva

by Fabio Hofnik

Durante o voo 815 da Oceanic Airlines, um avião passa por turbulências, sofre uma pane e cai em uma ilha tropical misteriosa, a partir daí Lost nos conta sobre a vida de cada um dos sobreviventes desse acidente. Mas não, a série não é isso, aliás nem perto disso, vai muito além.

 
 

Hot Sessions discutem o futuro da televisão dissipando alguns mitos

by Francisco Machado Filho

O futuro da televisão não se dará apenas no campo das tecnologias. Será definido pelas pessoas. Pelos hábitos, consumo, negócios e políticas. Será definido por nós, será definido pela sociedade

 

Conceitos e Fundamentos do HEVC/H.265

by Tom Jones Moreira

O futuro da televisão não se dará apenas no campo das tecnologias. Será definido pelas pessoas. Pelos hábitos, consumo, negócios e políticas. Será definido por nós, será definido pela sociedade

 

A utilização de elementos transmídia e de storytelling para o aumento do engajamento social dos comerciais de TV

by Luana Borges

De acordo com Manuel Castells (apud Santaella, 1996; Lemos, 2010), a sociedade em rede tem as seguintes características:O advento da Web 2.0 mudou a lógica da publicidade. A cadeia da comunicação que antes acontecia de forma linear, hoje é uma rede rizomática complexa que confunde emissores, receptores e possui ainda mais ruídos.

 

A radiodifusão e o consumo de energia elétrica

by Ronald Barbosa

Nesta segunda parte do artigo, Ronald Barbosa detalha os índices de preços de energia, os níveis de consumo, as consequências da migração para o sistema Digital e deixa ao leitor suas considerações sobre o futuro do setor.

 

Todo mundo gosta de uma boa historia

by Belise Mofeoli

Como roteirista transmídia tenho a liberdade de passar conceitos e falar não apenas de um produto ou serviço, mas de uma ideia, de modo criativo, fazendo com que o participante queira versar por toda minha narrativa.

 

Criatividade e inovação

by Icaro de Abreu

as poucas certezas que temos, é de que a publicidade de amanhã certamente não será a de hoje. Não há dúvidas de que o mercado busca se aperfeiçoar, mas infelizmente o faz num ritmo inferior a outros setores.

 
 

Como (e por quê) produzir um piloto de televisão

by José Renato Bergo

O crescimento do share da televisão por assinatura, as intervenções de políticas públicas de incentivo e proteção ao conteúdo nacional via Lei 12.485 – lei da TV paga – permitiram aos produtores independentes brasileiros a oportunidade de cruzar a linha primária que os limitava.

 

É preciso ir à NAB todos os anos

by Luiz Carlos Gurgel

A Cloud Edition (Edição na Nuvem) é uma aplicação de Cloud Computing que está sendo proposta por vários fornecedores, com maiores atrativos, no ambiente broadcast, para a edição de news (Cloud News Edition).

 

Standards for Hybrid Radio

by Nick Piggott

Broadcast radio and Internet Protocol (IP) have diverse and
complementary technical attributes. Whilst radio stations use
both technologies separately to distribute their programs to
listeners, creating a hybrid solution that is a seamless combination of both technologies could enable a step-change in
the listener experience of broadcast radio and remove some
of the inherent difficulties, both technical and commercial, of
streaming over the Internet. This paper considers the issues
involved with creating open standards for hybrid radio that
can be freely adopted by manufacturers, broadcasters and
service providers, the business drivers behind them, and the
practical issues of implementation.

 

Testes da SET revelam interferências do 4G na TV Digital

by SET/Mackenzie

Considerações da SET sobre os testes de Interferência do Sinal LTE na Recepção de TV Digital na Faixa de UHF – Estudo SET/Mackenzie
A banda larga móvel 4G/LTE na faixa de frequência de 700 MHz poderá causar interferências prejudiciais em milhões de televisores, revelou estudo da Universidade Mackenzie/SET apresentado na edição anterior da Revista da SET. Nesta edição apresentamos um resumo do estudo que afirma que a introdução dos sistemas de banda larga móvel 4G/LTE na faixa de frequência de 700 MHz poderá causar interferências prejudiciais em milhões de televisores, caso medidas adequadas de mitigação não sejam adotadas.

 

TVs Conectadas: subutilização devido à baixa usabilidade

by Tom Jones Moreira

As TVs conectadas até agora, não conseguiram ir além dos limites de sua herança de TV, com pouco uso para sua enorme tela, a conexão com a internet tem sido usada para fornecer acesso a uma variedade muito maior de fontes alternativas de conteúdo de vídeo. É o que aponta o mais recente relatório do NPD.

 

A TV Digital e os caminhos do engajamento da audiência

by Dimas Dion

O empoderamento do controle remoto e dos outros dispositivos à disposição vem alterando de um comportamento antes passivo, para agora cada vez mais dono da decisão do que vai consumir.

 

Closed Caption na TV Brasileira – Segunda Parte

by Tiago Ribeiro de Lacerda

A Revista da SET solicitou a duas empresas brasileiras que trabalham com Closed Caption que expliquem porque é necessária a implantação desta ferramenta nas emissoras brasileiras. Nesta edição publicamos a segunda parte, com a visão da EITV, na anterior foi a vez da ShowcasePRO, ambas parceiras da SET, e comprometidas com o desenvolvimento de tecnologias brasileiras que possam ser utilizadas no padrão ISDB-TB. Para a EITV, o importante é garantir acessibilidade

 

Os Drones

by Luiz Carlos Gurgel
 

HEVC: The Path to Better Pictures

by Amberfin Academy

How to migrate from the interlaced origins of television to the progressive future of high quality, ultra high definition media

 

Big Data, Broadcasting Intelligence para a distribuição multi-telas

by Carles Rams

No entorno broadcast, qual é a relevância do dado? Tem valor a informação da audiência em tempo real? Tem valor se a podemos associar a informação de contexto relacionada com as tendências da atualidade dos entornos cercanos?

 

“ATSC 3.0,” The Next Generation Broadcast Television System

by Luke Fay, James Kutzner e Skip Pizzi

It is expected that the industry will take years to develop and implement a new broadcast television system. Anticipating this process, the Advanced Television Systems Committee (ATSC) began in 2010 to investigate replacement of its current DTV system at some point in the future. The ATSC ultimately established its Technology Group 3 (TG3) to develop new standards and practices for a next generation terrestrial broadcast system identified as “ATSC 3.0.” A specialist group within TG3 is now investigating the requirements for a future physical layer,
and that group will soon issue a Call for Proposals. A second specialist group is at work developing an overall set of system requirements, starting with likely use cases and scenarios. This paper provides an indepth description to date of TG3’s progress in these and other areas.

 

Salvem o SARC!

by Rodolfo Machado Moura

Desde agosto do ano passado, a competência para autorizar os pedidos para execução dos Serviços Auxiliares de Radiodifusão e Correlatos (SARC ) passou do Ministério das Comunicações para a Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel.

 
 

Channel Opportunity?

by Francisco Machado Filho

Um ponto comum a todos os participantes do congresso da NAB 2014 é que de que a TV aberta em pouco tempo concentrará sua programação nos programas ao vivo. Os programas gravados deverão se deslocar cada mais para a internet pelo serviço On demand.

 

A Indústria Broadcast precisa de um momento para refletir

by Ioma Carvalho e Gustavo Quintella

Switch-off da TV analógica. Leilão de espectro. Julgamento do caso Aereo. Disseminação das tecnologias Ultra HD. Novas mídias. Em um momento um tanto quanto turbulento e marcado por intenso dinamismo, os radiodifusores precisam de muita tranquilidade, estrutura e visão de futuro para entender e se adequar a cada uma dessas novidades.

 

Mídia Social

by Ronald Barbosa

A última NAB deixou claro a importância do Metadata, que a televisão passará por uma mudança importante indo para o Re-Pack, 4k e 8k; que o mundo caminha para a implantação de um sistema de rádio híbrido, e que a indústria broascast precisa olhar para novos negocios a través de novos modelos.

 

Novas resoluções e os desafios em conectividade

by José Antônio S. Garcia

Como já era previsto, este ano predominaram na NAB soluções para resoluções 4K e propostas de cabeamento

 

As expansões transmidiáticas de Saramandaia

by Daiana Sigiliano

Implantada nas telenovelas em 2006, a transmídia ainda é um desafio para os autores brasileiros

 

Rede Terrestre IP/MPLS para transporte de vídeo ao vivo

by Marcos Antonio Mandarano

A adoção da solução de redes MPLS pelas emissoras de TV é um processo natural na convergência da comunicação para uma única plataforma de tecnologia IP

 

Pela harmonia do 4G com a Televisão Digital

by Rodolfo Machado Moura

Não são novos os debates em torno do gerenciamento do espectro de radiofrequências e seus impactos sobre os serviços que nele trafegam, mas é inegável que nos últimos anos a relevância de tais discussões tem aumentado, não só pelo surgimento de uma gama cada vez maior de serviços que fazem uso do espectro, mas especialmente pela correlata necessidade de um seu aproveitamento cada vez mais racional e otimizado.

 

Terrestrial 4K-UHDTV Experimental Broadcasting in Korea

by Byungsun Kim, Injoon Cho, Ilsoo Kyung, Sangjin Hahm, Jinmo Kang KBS(Korean Broadcasting System) - Seoul, Korea

The term UHDTV derives from the dimension of its video of which horizontal and vertical resolution are two-fold or four-fold of those of HDTV. Therefore, UHDTV is classified into 4K-UHDTV(3840×2160) and 8KUHDTV( 7680×4320) according to screen resolution.

 

O dia seguinte

by Luiz Carlos Gurgel

O dia do “Switch-Off” no Brasil (desligamento dos canais de TV analógica) está chegando. Será que a sua emissora está preparada para esse momento?

 

A radiodifusão e o consumo de energia eléctrica

by Ronald Barbosa

O Setor de Rádio e Televisão, oficialmente chamado de Setor de Radiodifusão reúne um número expressivo de emissoras de altas, médias e baixas potências de radio e de televisão que demandam num período de 24 horas diário, energia e potências elétricas de valor significativo no cenário do Distrito Federal, nos Estados e em todo Brasil.

 

A radiodifusão e o consumo de energia eléctrica

by Ronald Siqueira Barbosa

O Setor de Rádio e Televisão, oficialmente chamado de Setor de Radiodifusão reúne um número expressivo de emissoras de altas, médias e baixas potências de radio e de televisão que demandam num período de 24 horas diário, energia e potências elétricas de valor significativo no cenário do Distrito Federal, nos Estados e em todo Brasil.

 

Sistema de IPTV com middleware brasileiro

by Ricardo May

A tecnologia IPTV, que possibilita o tráfego de dados, voz, imagem e sinais televisivos através das redes baseadas no protocolo IP, surgiu das necessidades encontradas em meio aos incontroláveis avanços tecnológicos e das rápidas mudanças existentes em um mundo cada vez mais digital em que as tecnologias sofrem constantes atualizações.

 

Which broadcast workflow will deliver Ultra High Definition to the home?

by Ian Trow

The hype surrounding Ultra High Definition Television (Ultra HD) has been driven primarily from moviemakers embracing 4K and broadcasters taking their cue and trying to follow cinema’s lead. While both 8K and 4K formats have been defined, it is the 4K format that is the backbone standard to the widespread transition from film negative to digital file. The 4K workflow supports all production aspects of digital cinema from capture through to distribution and archive.

 

Audio for Mobile TV, iPad and iPod

by Thomas Lund

For five years, the author has systematically studied audio capabilities of Pad and Mobile TV devices from Apple, Nokia, Samsung and Sony Ericsson.

 

Super Hi-Vision at the London 2012 Olympics

by Masayuki Sugawara, Satoru Sawada, Hayato Fujinuma, Yoshiaki Shishikui, John Zubrzycki, Rajitha Weerakkody, and Andy Quested

For the London 2012 Olympics, the BBC and Japan Broadcasting Corp. (NHK) in cooperation with the Olympic Broadcasting Service (OBS) held public viewings of Super Hi-Vision at venues in Japan, the U.K., and the U.S. This operation consists of program production at the Olympic venues, post-production at a BBC studio, IP distribution of live and nonlive programs through global and domestic IP networks, and regular presentations during the Olympic Games at nine venues in three countries.

 

Loudness no Brasil

by Henrique Viana

Para facilitar esse processo, alguns fabricantes, estão integrando em seus instrumentos de medição de Loudness opções para automação e geração de relatórios periódicos.
Automatic Loudness Control, esse é o nome do equipamento que provavelmente toda emissora acrescentará a seus ativos.

 

Sincronismo de midias e suas tecnologia

by Tom Jones

Como os tablets estão se tornando parte essencial da experiência de assistir TV.

 

O Switch off dos Técnicos e Engenheiros Analógicos

by Luiz Carlos Gurgel

A digitalização da transmissão, no Brasil, teve início em fins de 2007 com a ativação das primeiras estações transmitindo em ISDB-Tb. A escolha do sistema nipo- -brasileiro de TV digital foi uma decisão governamental na qual pouca influência tiveram os fabricantes de equipamentos. É

 

NAB proceedings – The Future of TV – Project Fresco

by Simon Pamall, Kevin Murray and James Walker

The Future of TV – Project Fresco
Within the next five years advances in display technology will make science fiction reality, with screens that are unobtrusive, frameless, ultra-high definition and ambient. No longer need there be a ‘black-hole’ in the corner of the living room, but screens will instead seamlessly blend into the home environment. Organic LED technology needs no edges at all, and it will be possible to create tiled displays of almost any shape using low-cost standard parts. The concept of ‘immersion’, readily expressed in a simple control, really does give viewers the opportunity to enjoy programs according to their wishes at that moment, with content whose size, position, and level of interactivity adaptively matches the current needs of each audience. Key to the concept is a simple architecture which reacts to user input and metada within a multiplicity of content items and streams, and display-independent metadata to support adaptive and dynamic content presentation across a wide range of domestic display environments.

 

A Física dos LEDs

by Fábio Stasiak

O LED é construído a partir de um pequeno pedaço de cristal, tratado em câmaras de Plasma por processos chamados CVD (Chemical Vapor Deposition). Essa deposição sucessiva de elementos químicos cria camadas sobrepostas com diferentes elementos químicos inseridos na estrutura cristalina.

 

Como comprar e instalar um conversor digital (stb)

by Tom Jones Moreira e Euzebio Tresse

Oque é um Set-top-box, ou STB?
É um receptor de TV Digital Terrestre que não tem tela (Display) para mostrar imagens e nem caixas para reproduzir sons; tem uma saída para ser ligada nas atuais TV Analógicas de Tubo (CRTs –Tubo de Ráios Catódicos) e nos televisores de plasma ou LCD que não têm o STB integrado dentro dele; portanto ele pode ser usado para ver a TV Digital Terrestre em qualquer televisor que o telespectador tiver na sua casa.

 

TV por Assinatura VS TV Aberta

by Luiz Gurgel

Uma das mais importantes questões que se coloca hoje em dia é quanto ao futuro da TV aberta no Brasil e no mundo. Será que a TV por assinatura vai substituir a TV aberta num futuro próximo? Ou será que essas duas modalidades de distribuição de programas de televisão vão conviver, cada uma com sua fatia de mercado?

 

EDISON VERSUS NAKAMURA – A construção do cenário para a Revolução dos LEDs

by Fábio Stasiak

A eletroluminescência (fenômeno físico da luz dos LEDs) foi pesquisada desde o início do século passado e nas décadas de 1960 e 1970, nos Estados Unidos, pelas empresas Monsanto e Hewlett Packard. Boa parte da história dos LEDs infravermelhos, vermelhos, amarelos e verdes se deve a essa pesquisa norte-americana.

 

Redes de Frequência Única

by Vanessa Lima, Luiz Eduardo Machado e Felipe Amaral Barcia

Uma tecnologia capaz de aumentar a eficiência no uso do espectro e a probabilidade de recepção, desde que bem compreendida e implementada.

 

A batalha atual das emissoras americanas

by Ioma Carvalho e Gustavo Quintella

No dia 1º de abril, foi concluído mais um capítulo da batalha judicial que vem sendo travada, há mais de um ano, entre as grandes emissoras americanas e a Aereo, Inc., uma startup sediada em Nova York que tem tirado o sono – e possivelmente alguns milhões de dólares em direitos autorais – de broadcasters nos Estados Unidos. O caso dividiu os juízes responsáveis pelo julgamento, mas, até o momento, a Aereo tem saído como a parte vitoriosa.

 
 

A luz do “Maracanã” pela Mix TV

by Fernando Moura

Atendendo as normas estabelecidas pela FIFA para a realização dos jogos da Copa das Confederações em 2013 e o Copa do Mundo em 2014, a iluminação do maior e mais emblemático estádio brasileiro mudou totalmente passando dos antigos 120 projetores para uma iluminação de quase 400 com uma potencia de 2.000 watts que permitirá as televisões obter as melhores imagens da historia no renovado cenário.

 

Redes de frequência única

by Vanessa Lima, Luiz Eduardo Machado e Felipe Amaral Barcia

Uma tecnologia capaz de aumentar a eficiência no uso do espectro e a probabilidade de recepção, desde que bem compreendida e implementada

 
 

O que você sabe sobre a NAB?

by Luiz Carlos Gurgel

Para quem não está bem familiarizado com o 4K, esclarecemos que trata-se de uma imagem formada em 3.840 x 2.160 pixels. Grosso modo, pode-se dizer que 4K é duas vezes melhor que HDTV.

 

Sinal Digital – Cenário da TV Digital nas Américas: “Um olhar para fora do Brasil”

by Tom Jones Moreira

Decidi tirar um pouco os olhos do umbigo (Brasil) e olhar como o advento da TV Digital tem afetado outros países nas Américas como um todo, e descobri que na América Latina, por exemplo, a TV Digital Terrestre (TDT) tem desempenhado um papel de expansão levando a TV para locais onde antes não havia, enquanto nos Estados Unidos, entre outras coisas, tem dado mais opções para as minorias de baixa renda e causando um efeito chamado de “cort cutting “(do inglês: corte do cordão umbilical) que é o abandono das assinaturas de TV paga pelas famílias de baixa renda.

 

PRODUÇÃO LOCAL – Produzir é preciso

by Luiz Gurgel

As emissoras regionais precisam encarar, de frente, o desafio da produção local de programas para televisão.

 

Panorama da confusão tecnológica

by Valdecir Becker

Começa mais um ano e as dúvidas e questionamentos sobre a televisão seguem as mesmas: Quais tecnologias irão predominar nos próximos anos? O 3D irá vingar? O Ginga finalmente irá decolar ou está ultrapassado mesmo? Qual o impacto das tecnologias on line na audiência e no consumo da TV? Até onde as telas irão evoluir?

 

Lost: a narrativa transmídia é só o começo

by Daiana M. Veiga Sigiliano

A convergência midiática ainda é um processo, afinal, a cada dia inúmeros diagramas de Venn se interceptam criando, assim, novas possibilidades. A proliferação das caixas pretas começou, e o objetivo deste trabalho é compreender melhor que efeitos a convergência traz ao ethos contemporâneo e de que forma ela vem moldando e modificando os produtos midiáticos.

 

“Porquê não conseguimos visualizar ao telefone? Ou Por quê Transmídiar?”

by José Renato Bergo

Do ponto de vista de um produtor cultural/audiovisual, pensar sobre isto basicamente passa por: “Como se construir um conteúdo agora?” ou “Devo ou não entrar neste fluxo?”. Fora os motivos de cada um, fica claro que fazer parte deste fluxo vai aumentar a complexidade de produção (alguém discorda?), mas deixar de lado uma perspectiva transmidiática para o conteúdo de seu projeto, é com certeza uma opção de risco em um mercado cada fez mais competitivo de comunicação.

 

PI Propriedade Intelectual O que é isso?

by Por Augusto Velazquez de Brito

Intellectual Property (Abreviação – IP) é toda a Propriedade Intelectual (Abreviação – PI) criada por alguém. Pode ser uma criação como: Um personagem. Uma história. Um conto. Um livro. Uma história em quadrinhos. Um game. Uma narrativa publicitária. Um mascote corporativo. Um jogo. Um brinquedo. Uma novela. Uma série. Uma animação. Um aplicativo para tablets.

 

Novo codec traz benefícios reais para OTT

by Tom Jones Moreira

Quem visitou CES 2014 provavelmente não foi capaz de evitar todo o 4K (também conhecido como UHD) apresentado por diversos fabricantes de TV

 

As origens de uma grande invenção

by Alberto Deodato Seda Paduan

érie PP – TV Digital – Parte 1

Nós, os profissionais de televisão, somos frequentemente indagados sobre quem inventou e quando foi inventada a televisão. Confesso que são perguntas difíceis de responder, pois trata-se de uma área que envolveu muito tempo, muita pesquisa e uma grande variedade de tecnologia.

 

by José Walter Neto

Em um curso avançado de pós-produção em HD de que participei, a primeira frase do palestrante foi: “Hoje vamos falar de um sistema morto, o HD”. Este é o novo conceito de produção 2K e 4K, a película chegou ao seu fim. De agora em diante seu uso será uma opção conceitual.

 
 

ESPECTRO – QUAL A SUA DESTINAÇÃO?

by

ssim, é importante lembrar que, para a sociedade brasileira o rádio e a televisão aberta são os principais meios de acesso a notícias nacionais e locais, cultura e entretenimento. Em razão disso, é necessário que o governo brasileiro proteja os radiodifusores nacionais quando for realizado o switch-off da TV analógica previsto para 2016.

 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CUIDADOS COM A INFRAESTRUTURA

by José Frederico Rehme

A Unesco considera 2012 como o “Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos”. Seja por questões puramente mercadológicas ou por necessidade e diferencial, o uso racional e a eficiência energética estão presentes no dia a dia das equipes técnicas em qualquer setor: indústria, comércio, serviços.

 

SOLUÇÕES MAIS COMPLETAS A CUSTOS MAIS ACESSÍVEIS

by Paulo Roberto Monfrim Canno

Ressurgiram, também, na NAB 2012 e de forma mais vigorosa do que nos últimos três anos, as soluções de MAM (Midia Asset Management), alavancadas pela necessidade de estruturar e agilizar os fluxos de trabalhos em ambiente de mí-dia digital, onde o volume de conteúdo a ser manipulado e arquivado, é cada vez maior, devido, em parte, ao barateamento das mídias de armazenamento.

 

OS CAMINHOS DA TECNOLOGIA 3D

by João Braz

O cinema 3D teve seu momento de ápice em 2009 e experimentou um grande crescimento nos anos seguintes. Porém, este ano refletiu um pouco da realidade desta plataforma maravilhosa.

 

ISDB-T: no Brasil e em outros países

by Edson Geraldo Benedito

Existem atualmente aproximadamente 220 modelos de receptores de TVD, dos quais cerca de 39 já estão com o sistema de interatividade Ginga integrado. Em relação aos set-top box referiu-se a Zapper com seis modelos, sendo dois com o Ginga também integrado. O sistema já está adotado pela maioria das emissoras brasileiras – EBC, Globo, Gazeta, Record, Rede TV e SBT.

 

MFN X SFN

by Thiago Sapia

O serviço de televisão aberta no Brasil adota o sistema MFN (Multiple Frequency Network). Este é uma rede de múltiplas frequências, ou seja, é uma rede de transmissores que operam em frequências diferentes a cada localidade, porém, que transmitem o mesmo conteúdo.

 
 

Tendências e inovações alavancadas pela TV Digital

by José Carlos Aronchi

O padrão ISDB-T não se limita a transmissão de entretenimento e informação pela televisão. Outros usos já foram testados e Roberto Plass Gertsmann, subsecretario de telecomunicações do Chile, ressaltou outra funcionalidade estratégica para a segurança do país. Aponta como importante a aplicação no sistema de alerta de emergência para os abalos sísmicos sofridos no território chileno.

 
 

Desafios da Banda Larga Brasileira para o streaming de vídeo

by Uirá Moreno Rosário e Barros

O Brasil tem como característica a utilização de serviços de internet residencial em redes que compartilham banda com diversos usuários, sendo que links exclusivos são mais frequentemente encontrados no ramo empresarial.

 

Novas tecnologias na recepção digital

by Chrystianne Rocha

Conforme já foi mencionado, há diversas pesquisas sendo realizadas para melhorar a recuperação digital. Para tanto, foram mostradas duas instituições brasileiras de grande reconhecimento não só na área profissional como também no mundo acadêmico. Elas são o Inatel, Instituto Nacional de Telecomunicações, e a Universidade Presbiteriana Mackenzie.

 

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS DA TV DIGITAL

by Marcos Krisp de Lucena

Se olharmos para as emissoras brasileiras e estrangeiras, atualmente, teremos todo tipo de exemplos, bons e ruins, do emprego de técnicas de digitalização de processos, além de outras em que ainda se trabalha com arquiteturas “clássicas”.

 

SISTEMA DE ALERTA DE EMERGÊNCIA

by Ronald Siqueira Barbosa

Após os testes iniciais que foram desenvolvidos pelo governo americano, na importante questão sobre alertas de emergência, a FCC (Federal Communication Commission) tem feito algumas visitas de inspeção às emissoras para avaliar o grau de observância aos requisitos do Sistema de Alerta de Emergência.

 

COM O ADVENTO SEGUNDA TELA NASCE O CONCEITO TELEPARTICIPANTE

by Tom Jones

Segunda Tela é o nome ao qual as emis-soras tem dado ao hábito dos “teles-pectadores” de navegarem na internet utilizando tablets, smartphones ou até mesmo notebooks, enquanto assistem televisão.

 

A CONFERÊNCIA MUNDIAL DE RADIOCOMUNICAÇÕES DA UIT – 2012, OS DIVIDENDOS DIGITAIS,A RADIODIFUSÃO BRASILEIRA E CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

by Paulo Ricardo H. Balduino

No período de 23 da janeiro a 17 de fevereiro de 2012 realizou-se em Genebra, durante o “grande inverno suíço”, a Conferência Mundial de Radiocomunicações da UIT (CRM 12). Cerca de 3 mil delegados de 165 países e representantes de mais de 100 observadores analisaram mais de 500 propostas sobre quase todos os serviços e aplicações que dependem do espectro radioelétrico.

 

INTELLECTUAL PROPERTY – IP – PI – PROPRIEDADE INTELECTUAL – O QUE É ISSO?

by Augusto Velazquez de Brito

Intellectual Property (Abreviação – IP) é toda a Propriedade Intelectual (Abreviação – PI) criada por alguém. Pode ser uma criação como: Um personagem. Uma história. Um conto. Um livro. Uma história em quadrinhos. Um game. Uma narrativa publicitária. Um mascote corporativo. Um jogo. Um brinquedo. Uma novela. Uma série. Uma animação. Um aplicativo para tablets.

 

Radiação Ultravioleta – Riscos e precauções

by Sender Rocha e Manoel Gomes

A exposição à radiação luminosa é inerente no ambiente de broadcasting; como em estúdios onde há grande quantidade e diversidade de luminárias.Entretanto, comumente é ignorado que esses ambientes podem conter certos níveis de radiação ultra-violeta que trazem perigo à saúde ocupacional, quando alguns cuidados não são tomados.

 

Alerta de emergência

by Ana Eliza Faria e Silva

A implantação e operacionalização do alerta de emergência não dependem apenas da criação de um canal de comunicação direta com os cidadãos através da TV Digital…

 

Interferência política no acesso democrático à informação

by Ronald Siqueira Barbosa

Sabemos o quanto é difícil regular um setor – qualquer um deles e, principalmente, o da comunicação, pois, diferentemente dos setores, por exemplo, da saúde e transporte, onde cada estado e município desenvolvem técnicas e especificidades diferentes.Os veículos de comunicação levam a informação como fundamento para disseminação do conhecimento de forma igualitária em todo o território nacional.

 
 

Câmera de vigilância causa interferência em radar da aeronáutica

by Edgar Pakes

Em agosto do ano de 2006 chegou ao escritório regional da Anatel em São Paulo, um comunicado da aeronáutica solicitando com a máxima urgência a eliminação de fonte de interferência na frequência de 1090 MHz utilizada pelo radar secundário localizado na Avenida Sapopemba, 19988. Tal urgência se dava pelo fato de a interferência ser visualizada na tela daquela estação como um borrão em todo o setor compreendido entre os azimutes 274° e 278°.

 

Exibição do programa pronto e avaliação da audiência

by Nádia Hatori

Um programa de televisão ou um produto audiovisual só passa a existir, realmente, quando ele nos emociona, motiva, faz rir, chorar, aprender, julgar, viajar. Conhecer a reação do público em relação a um produto de cultura de massa é de grande valor para todos os envolvidos sejam eles exibidores, patrocinadores ou realizadores, desde há muito tempo.

 

Pós Produção de Programa de TV

by Alberto Paduan

Terminada a fase de produção do programa de TV, onde estiveram envolvidos diversos tipos de profissionais especializados e muitos equipamentos, o programa está agora totalmente gravado, mas não pode ainda ser considerado um “programa de televisão”. Isto porque as cenas foram gravadas sem muita preocupação de sequências, o áudio precisa ser complementado com efeitos e inserções, alguns efeitos de vídeo também podem ser necessários, enfim, é necessário um toque final.

 

Programa Piloto

by Nadia Hatori

O programa piloto ou simplesmente “piloto” é um programa de televisão que dá inicio (ou não) à produção de um número maior de programas.

 

Ruído e Interferência: Flagelos para o Rádio

by Ronald Barbosa

Todos nós sabemos os graves problemas que o ruído e a interferência causam em serviços regularmente autorizados. Essas causas são as mais diversificadas possíveis, de estações clandestinas a estações que operam fora de suas características técnicas, passando por trólebus a produtos disponíveis nas residências e nas empresas. Conhecidos como ‘gadgets’ temos uma infinidade de fontes de ruídos e interferências.

 

Produção e pós-produção de vídeo – Parte 3

by Alberto Paduan

s sinais de vídeo capturados pelas câmeras, dentro do estúdio ou no set externo de gravações, não servem para nada se não forem gravados. É claro que essa afirmação não é verdadeira se o programa para o qual esses sinais estão sendo produzidos for “ao vivo”.

 

Melhores Práticas: DVB-S2 Tutorial e Estudo de Caso

by Tom Jones

O Padrão Digital Video Broadcasting – Satélite – Segunda Geração (DVB – S2) é uma tecnologia relativamente Nova desenvolvida em 2003 e ratificada pelo ETSI em Março de 2005 ( ETSI EN 302 31.2.1). Por isso podemos dizer que ele é um dos desenvolvimentos de decodificação de canais e modulação mais utilizado, que permite um acréscimo de 30% na capacidade de transporte de sinais em relação à tecnologia DVB-S.

 
 

Produção e pós-produção de vídeo – Parte 2

by Alberto Paduan

Nessa edição da Revista da SET estamos dando continuidade ao assunto “Produção e pós-produção de vídeo”, prosseguindo com a descrição dos acessórios das câmeras e também apresentando outros equipamentos destinados a essa atividade.

 

O momento da regionalização

by Júlio Prado

Tudo teve início em meados dos anos 1990, quando o Brasil começou a estudar os diferentes padrões de TV digital utilizados mundialmente. Naquela época debatia-se sobre o impacto que o modelo adotado causaria à população e os reflexos que ele traria para o desenvolvimento do País.

 

Produção e Pós-Produção de vídeo – Parte 1

by Alberto Paduan

Como já sabemos, o assunto “Produção de Ponta a Ponta” terá uma série de artigos publicada na Revista da SET. Nesta edição daremos sequência ao tema falando sobre os profissionais e equipamentos relacionados à produção e pós-produção do vídeo de um programa de TV.

 

Radiodifusão como Infraestrutura CríticaInfra

by Flávio Archangelo e Gilberto Studart

Manter uma estação de rádio quando há falta generalizada de energia elétrica, telefonia fixa, telefonia móvel (celular) e internet, ultrapassa as obrigações legais do radiodifusor: trata-se de uma missão humanitária tanto do ponto de vista do gerador de conteúdo jornalístico como da equipe de tecnologia e engenharia.

 

Sistema de Radiocomunicação Congnitiva

by Ronald Siqueira Barbosa

O sistema de radiocomunicação cognitiva veio como uma evolução dos sistemas adaptativos (adaptive systems) que estavam afetos às faixas de onda média e de HF em que as condições de propagação eram incontroláveis. Os sistemas adaptativos mudavam seus parâmetros, frequência e potência de transmissão, buscando sempre as melhores condições para beneficiar a qualidade da recepção desses sinais. Isso não foi para a frente.

 

TI X TV – QUEM GANHA?

by Marcelo Hideichi Kavamoto

Uma das frases que tenho ouvido de engenheiros de TV é: “Agora a TI é quem vai dominar o cenário”. Assim como muitas outras frases e palavras conhecidas, entre elas buzzwords ou como dizíamos antigamente “tá na moda”, esta é uma frase mais para causar efeito do que retratar o futuro.

,

 
 

PRODUÇÃO E PÓS-PRODUÇÃO DE ÁUDIO – PARTE 2

by Alexandre Dias Gomes Tauhata e Antonio Celso Mazzarelli

O sistema de comunicação também faz parte do sistema de áudio.

 

OPERAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE UMA RÁDIO FM FRENTE À ENERGIA DE SUPRIMENTO

by Arnulfo Barroso de Vasconcellos, Roberto Apolônio, Alcides Teixeira da Silva, Thiago Vieira da Silva, Alexandre Vinícius Festa e Fernanda Leles Gomes

A constante evolução tecnológica no rádio desde a descoberta das primeiras experiências realizadas por Guglielmo Marconi, somada as contribuições das invenções de James Maxwell e Heinrich Herts, fez com que o rádio se tornasse um veículo de comunicação de massa. Com o sucesso do rádio e a evolução da eletrônica que teve início com as válvulas de transmissão e posteriormente com a descoberta do transistor, componente que viabilizou a mobilidade do rádio receptor, as estações transmissoras das emissoras de FM e de OM sofreram grandes transformações do ponto de vista de tamanho dos equipamentos e de consumo de energia elétrica. Isto proporcionou um crescente uso de cargas não lineares em todos os setores, principalmente nos sistemas de transmissão das emissoras. Este artigo apresenta medições em um barramento que alimenta cargas não lineares comuns em instalações de uma estação de transmissão de rádio FM e analisa as distorções harmônicas de corrente, assim como, se as distorções harmônicas individuais e totais de tensão estão de acordo com a Resolução 345/2008 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

 

O SERVIÇO, A NAVEGAÇÃO E A AUDIÊNCIA

by Ronald Barbosa

No mundo atual, onde os serviços são oferecidos de todas as formas possíveis e imagináveis, percebe-se que esses mesmos serviços podem ser acessados também de todas as formas possíveis e imagináveis. É o que chamamos de serviços de um mundo globalizado.

 

NORMA TÉCNICA – TV DIGITAL

by Francisco Sergio Husni Ribeiro

O Ministério das Comunicações aprovou a Norma n° 01/2010 – Norma Técnica para Execução dos Serviços de Radiodifusão de Sons e Imagens (TVD) e de Retransmissão de Televisão (RTVD), utilizando tecnologia digital, através da Portaria n° 276 de 29 de março de 2010, publicada na seção 1 do Diário Oficial da União (DOU) de 5 de abril de 2010, pagina 97 e suas respectivas retificações nos DOU de 28.04.2010, pagina 217 e 30.04.2010, pagina 132.

 
 

PROPOSTA DE COMPARTILHAMENTO DE FREQUÊNCIA

by Valderez Donzelli

A Anatel publicou no Diário Oficial da União em 13 de julho de 2010 a consulta pública de número 28, que propõe alterações referentes ao Plano de Atribuição de Faixas de Frequências no Brasil, tem em vista as modificações de atribuição de frequências aprovadas na Conferência Mundial de Radiocomunicações em 2007.

 

RUíDOS NAS FAIXAS DE RADIODIFUSÃO DEMANDAM NOVAS ESTRATÉGIAS SETORIAIS

by Flávio Archangelo

aumento real na renda do brasileiro e a expansão da classe média observada nos últimos anos motivaram o consumo de equipamentos eletrônicos e comunicações.

 

ILUMINAÇÃO DE CENÁRIOS

by Sérgio Almeida Lopes

A produção de um programa de televisão passa, como sabemos, por várias etapas antes de chegar ao ponto de ser gravado. Todas essas fases são exaustivamente estudadas, discutidas e ensaiadas para que a possibilidade de ocorrência de problemas na hora do vamos ver seja mínimia. Tudo é feito primeiro, no computador, e então, estando tudo bem… luzes, câmera, ação! Na verdade mesmo, esse jargão é mais usado em cinema. Na TV o diretor diz: “gravando”!

 

TRANSMISSÃO: SOLUÇÕES INOVADORAS

by Tom Jones Moreira

Compressão de sinais BTS (Broadcast Transport Stream) para transmissão em links digitais

 

TECNOLOGIA ENVOLVIDA NA COPA DO MUNDO DE FUTEBOL DA ÁFRICA DO SUL

by Alberto Paduan

Para nós, profissionais de radiodifusão, quando falamos em tecnologia viajamos direto para câmeras, sistemas de transmissão via satélite, 3D, som surround, etc. Nem damos bola para, por exemplo… a bola! Sim, ela, o motivo principal do evento, a vedete da festa, afinal, é dela que vemos, durante um mês, vários marmanjos correndo atrás.

 

Utilização de fibra ótica nas instalações de TV

by Steve Russell

A maioria de nós da indústria de radiodifusão está familiarizada com os sistemas de transmissão de fibra óptica e as soluções amplamente utilizadas para aplicações de radiodifusão. São tipicamente aplicações externas para conduzir sinais de vídeo entre locais distantes, ou transportar sinais de câmeras distantes para unidades de móveis de transmissão.

 

É o Rádio AM ainda importante ?

by Ronald Siqueira Barbosa

Recente artigo americano pergunta Is the AM Still Relevant? É uma pergunta um tanto quanto intrigante, num momento que se discute a digitalização do rádio AM e do rádio FM. Muitos consideram que a maioria da juventude atual já não ouve rádio AM, que o nível de ruído nos grandes centros tem impedido que receptores de rádio AM tenham boa audiência. A interferência quem diria é um grave problema de nossos dias e isso não é privilégio do rádio AM.

 

PLANO AMERICANO DE BANDA LARGA : COMO ISSO PODE AFETAR A RADIODIFUSÃO BRASILEIRA ?

by Ana Eliza Faria e Silva

Reconhecidamente a criação de uma infraestrutura de banda larga eficiente é um dos grandes desafios do século XXI não apenas no Brasil, mas para a grande maioria dos países.

 

CENOGRAFIA

by Célio Inada

om certeza, alguém um dia já viu um filme ou uma novela em que alguns cenários continham texturas de ferro, tijolo ou pedra por exemplo. Na maioria das vezes, essas texturas podem ser cenográficas – ou seja, compõem a cena de forma alusiva – e também podem ter características realistas ou lúdicas.

 

CENOGRAFIA PARA TV

by Keller da Veiga

O propósito do trabalho do cenógrafo de televisão é conceber, projetar e montar o cenário de gravação, ou seja, criar e viabilizar tecnicamente a construção e tratamento do espaço cênico em estúdio ou locação

 

A CENA – Terceira parte – final

by Ricardo Kauffmann

Luz é essencial, se não houver luz, não existirá nem imagem nem vídeo. Mas necessitamos saber como iluminar. A iluminação pode alterar as sensações de uma cena, produzir medo, suspense, mas pode também transmitir alegria.

 

A EXTENSÃO DA FAIXA DE FM (eFM) E A MIGRAÇÃO DA FAIXA DE OM

by Egon Cervieri Guterres e Thiago Aguiar Soares

O que fazer com os canais 5 e 6 da televisão na era digital

 

Multiplexador para o Sistema Brasileiro de TV Digital

by Carolina Duca Novaes e Danillo Ono - Contribuição: Carlos Fini

A digitalização dos serviços de radiodifusão trouxe muitos benefícios, tanto para os telespectadores, como para os radiodifusores. Imagens em alta definição, áudio com múltiplos canais, imunidade aos ruídos, informações sobre a programação (EPG), interatividade e a multiprogramação são apenas alguns exemplos de funcionalidades oriundas deste processo. Agora é possível transmitir não apenas as informações de áudio e vídeo, mas também dados e informações de múltiplos conteúdos ao mesmo tempo, dentro de um único canal de 6 MHz. Com isso, a correta configuração do multiplexador, cuja principal função é receber todos esses sinais e concatená-los em um único fluxo de dados BTS (Broadcast Transport Stream), é de extrema importância para o correto funcionamento dos receptores de TV digital. Este artigo abordará a configuração do multiplexador e trará uma analise das principais inconformidades detectadas nos 3 anos iniciais de operação do SBTVD.

 

O programa de televisão

by Nádia Hatori

A produção de um programa de televisão exige trilhar um caminho complexo que parte de um planejamento minucioso e passa por uma série de etapas que envolvem uma perfeita integração entre as áreas artísticas e técnica.

 

Sistemas de Iluminação – LED e sua aplicabilidade – 2a. parte

by Ricardo Kauffmann

O uso do Led na produção de vídeo
No início de 2006, devido ao baixo consumo elétrico e pouco peso, as luminárias de LED começaram a aparecer timidamente no jornalismo de TV e em aplicações especiais na produção.
Diferentes aplicações – Led 30º, Led 60º, Multicolor e Multifocu, Portabilidade, Custo operacional

 

Radio Digital – FM HD Radio e DRM+

by Ronald Siqueira Barbosa

A Recomendação ITU-R BS 1114-6 “Sistemas para Radiodifusão Sonora Digital Terrestre para Receptores Veiculares, Portáteis e Fixos na faixa de frequências 30 – 3000 MHz” apresenta alguns sistemas digitais nomeados pelas letras A, F, C que representam respectivamente os padrões Eureka 147, ISDB-Tsb, HD Radio. Atualmente, o consórcio DRM busca incluir um sistema digital G, conhecido como DRM+ para adoção e aprovação no Grupo de Estudo 6, de forma a ser incluído na referida Recomendação.

 

UHDTV – Sistema de TV de Ultra-Alta Definição – 5ª Parte

by Alberto Deodato Seda Paduan

Sistema de transmissão do uHDTV
Nas quatro partes anteriores dessa série de matérias, tivemos a oportunidade de conhecer um pouco o sistema de TV em Ultra Alta Definição (UHDTV) quando falamos sobre vídeo, áudio e métodos de codificação e decodificação dos sinais.

 

Sistemas de Iluminação

by Ricardo Kauffmann

A tecnologia LED – Durante muitos anos, utilizamos os recursos do planeta como se estes fossem inesgotáveis. Felizmente, este é um comportamento que a sociedade de hoje em dia já não permite mais. Adquirimos novos hábitos e o mais importante, tomamos consciência. Nessa nova jornada global foram várias as tecnologias que vieram como solução para o desenvolvimento sustentável, uma delas é o LED. – 5600K – em algum momento você irá converter – Luz de LED –como comparar com as luminárias incandescentes – Ângulo de iluminamento – como escolher corretamente – Ângulo de luz

 

Radio Digital – Tecnologias de transmissão

by Ronald Siqueira Barbosa

O atual chamamento público estabelece alguns parâmetros para avaliação do desempenho de um padrão de rádio digital a ser adotado no Brasil. Permitir o simulcasting, com boa qualidade de áudio e com mínimas interferências em outras estações é o primeiro item do chamamento público.

 

Perfil do mercado na fase de digitalização

by José Carlos Aronchi

Entre outros pontos, pesquisa mostra que arquivo de conteúdo é uma preocupação das emissoras, enquanto investimento em tecnologia é feito sem planejamento.

 

Sistema de TV de Ultra-Alta definição

by Alberto Deodato Seda Paduan

Nos dias de hoje já se tornaram corriqueiros os comentários sobre televisão em alta definição (HDTV), não só nos ambientes técnicos como domésticos, apesar de se tratar de uma tecnologia tão nova que apenas metade dos países do mundo a possui.

 

Os limites à exposição humana

by Francisco Sérgio Husni Ribeiro

A Presidência da Republica sancionou a Lei n° 11.934 de 05 de maio de 2009, publicada no Diário Oficial da União em 06 de maio de 2009, que dispõe sobre limites à exposição humana a campos elétricos magnéticos e eletromagnéticos e altera a lei n° 4.771 de 15 de setembro de 1965. (Obs. Lei n° 4.771/63 – Institui o novo Código Florestal).

 

TMC – O que é isso?

by Ronald Siqueira Barbosa

Tudo começa com a especificação do Radio Data System (RDS) utilizado por emissoras de FM, para informações de dados adicionais, tornando o receptor de rádio um equipamento mais amigável.

 

Fórum SBTVD

by Maurício Kakassu

Divulgação Internacional do padrão brasileiro

 

O Desenvolvimento das Recomendações Internacionais de Rádio e Televisão e as Comissões Brasileiras de Comunicações

by Pedro Humberto de Andrade Lobo

Este artigo apresenta a nova estrutura das Comissões Brasileiras de Comunicações (CBCs), sua atuação e objetivos, com enfoque no desenvolvimento das recomendações internacionais de rádio e televisão.

 

Compatibilidade Analógica e Desempenho Digital

by Ronald Siqueira Barbosa

Nesta terceira etapa da discussão – para facilitar o entendimento do Relatório de testes – a questão da compatibilidade dos sinais digitais com os sinais analógicos existentes, considerada aqui como ‘compatibilidade analógica’, merece tratamento especial, pois envolve a análise do impacto do sistema de transmissão HD Radio IBOC vis-à-vis a transmissão analógica simultânea.

 

UHDTV – Sistema de TV de Ultra-Alta Definição – 4ª Parte

by Alberto Deodato Seda Paduan

Sistemas de codificação e decodificação
Esses dados são nossos velhos conhecidos através dos artigos anteriores, mas vale relembrar que, o sistema de televisão em ultra-alta definição (UHDTV ou SHV) possui um formato com varredura progressiva de 4000 linhas, 60 quadros por segundo e definição de 7680 x 4320 pixels, ou seja, com uma definição 16 vezes maior do que a do HDTV. O áudio é constituído de um super sistema de som surround com 22.2 multicanais. Com tudo isso, o resultado é uma gigantesca, porém proporcional, relação de bits do sistema de 24 Gbit/s.

 

Radio Digital – Status no Brasil

by Ronald Siqueira Barbosa

Após quase um ano do teste realizado pela ABERT com o padrão HD Radio da empresa norte-americana iBiquity, em emissoras AM e FM, o governo brasileiro busca ainda a definição para um padrão de Rádio digital no Brasil, por meio de testes finais com o padrão DRM.

 

Sinal digital por todo o país

by Pedro Lívio e Raphael Bontempo

Desde abril deste ano, o sinal digital de inúmeras emissoras espalhadas pelo Brasil foi ao ar. A digitalização das TVs brasileiras segue seu ritmo normal já que a data marcada para que seja desligado o sinal analógico é 2016. Os desafios para os radiodifusores são grandes e cada emissora tem suas próprias necessidades quanto a infraestrutura, cobertura e potência de equipamentos.

 

O vídeo no sistema de TV de Ultra-Alta Definição – 3ª Parte

by Alberto Deodato Seda Paduan

sistema de vídeo do SHV é constituído, como em qualquer outro sistema de de televisão, de câmeras, gravadores e processadores de sinais em geral. Nesse sistema, porém, devem ser acrescentados os projetores, uma vez que o SHV exibe imagens projetadas numa tela, ao invés dos convencionais televisores ou monitores, pelo menos por enquanto.

 
 

Medo Paralisante – 10 anos já se passaram, agora só faltam 90

by Ronald Siqueira Barbosa

A repetição de fatos históricos demonstra ser um fenômeno incessante na história da humanidade. Para tanto, basta observar os livros de história, bem como a Bíblia. Vale lembrar também que no campo tecnológico não é diferente. A repetição cíclica dos fatos aparece com bastante freqüência. A Revolução Industrial teve em James Watt um de seus primeiros exemplos ao inventar a máquina a vapor.Danos pela inércia

 

FÓRUM DO SISTEMA BRASILEIRO DE TV DIGITAL TERRESTRE

by Dr. Fujio Yamada

ESQUEMA DE MODULAÇÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE TV DIGITAL

 

JavaDTV é liberado pela Sun Microsystems e beneficia interatividade na TV Digital

by Patrícia Cressoni Gomes

A Comissão Ginga-J, criada dentro do Grupo de Middleware do Fórum do Sistema de TV Digital Terrestre (SBTVD) recebeu, em novembro, de um grupo de trabalho conjunto formado por integrantes da Sun-Microsystems e do próprio Fórum, as especificações do JavaDTV…

 
 

FÓRUM DO SISTEMA BRASILEIRO DE TV DIGITAL TERRESTRE

by Charles Prado, Daniel Monteiro e Eduardo Costa

CODIFICAÇÃO DE ÁUDIO E VÍDEO PARA A TV DIGITAL BRASILEIRA

 

MIGRAÇÃO TECNOLÓGICA

by Ronald Barbosa

Testes do comportamento do IBOC em cidades brasileiras

 

Fórum SBTVD

by Aguinaldo Silva

Da primeira patente no final do século XIX de um sistema de televisão eletro-mecânico por Paul Nipkow, até a primeira patente do sistema totalmente elétrico no início do século XX, muita coisa mudou e muita ainda vai mudar.
As técnicas digitais, até pouco tempo exclusivas dos computadores, têm permeado uma série de produtos cada vez mais suis generis e se apresentado como uma das mais irreversíveis realidades contemporâneas.

 

Avaliação de Arquiteturas IPTV em redes ADSL

by Luciano Henrique Duque

ANÁLISE DE PONTOS RELEVANTES PARA O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DE SERVIÇOS IPTV, PARA GARANTIR QUALIDADE E CONTINUIDADE DE SERVIÇOS PRESTADOS, TORNANDO-O ALTAMENTE COMPETITIVO.

 

TESTES E DIRETRIZES PARA SISTEMAS DE TRANSMISSÃO

by Ronald Barbosa

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão – ABERT, com o objetivo de auxiliar as emissoras que realizam testes de rádio digital, autorizadas pela Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL, equipou um veículo para dar suporte às medições.

 

Medindo o desempenho de sistemas de tela larga – Parte 2

by DAVID RICHARDS

APRESENTAÇÃO DE MÉTODOS SIMPLIFICADOS DE MEDIDA DE DESEMPENHO DE TELAS LARGAS, BEM COMO A DESCRIÇÃO DO CÁLCULO DE LUMEN E A UTILIZAÇÃO DA REGRA DE SIMPSON PARA MELHORAR A PRECISÃO DESSES CÁLCULOS.

 

Programação Interativa para TV Digital

by Lauro Teixeira

A PROGRAMAÇÃO INTERATIVA DEVE SER PENSADA NÃO APENAS SOB ASPECTOS TÉCNICO-OPERACIONAIS E PERSUASIVOS, E OS APLICATIVOS DEVERÃO POSSUIR ELEVADO GRAU DE USABILIDADE E CONVENIÊNCIA, JÁ QUE O RELACIONAMENTO INFLUENCIA A PERCEPÇÃO DE QUALIDADE E A PRÓPRIA MANUTENÇÃO DA GRADE

 
 

Serviços Bidirecionais em Sistemas de TV Digital

by Angelo Pinelli Martins Samia e Luiz Fernando Bourdot

STUDO BASEADO NA OPERAÇÃO DE TV DIGITAL INTERATIVA DA VIVAX, NA CIDADE DE MANAUS, COM O OBJETIVO DE ESTABELECER AÇÕES DESTINADAS A DIMINUIR O PERCENTUAL DOS DECODIFICADORES, CLASSIFICADOS PELA CONTROLADORA DO SISTEMA COMO NÃO-RESPONDEDORES CRÔNICOS.

 
 

A INTEROPERABILIDADE

by Peter Elmer e Henry Sariowan

ESTE  ARTIGO  RETRATA  AS  DISCUSSÕES  DO  FÓRUM  PRO-MPEG  QUE  REUNIU  FABRICANTES,  USUÁRIOS  FINAIS  E PROVEDORES  DE  SERVIÇO  SOBRE  INTEROPERABILIDADE  PARA  REDES  DE  VÍDEO  BASEADAS  EM  PROTOCOLO  DE  INTERNET  (IP).

 

MPEG-2 e o datacasting suportado na TV digital – final

by Carlos Piccioni e Carlos Montez

A  SEGUIR,  A  ÚLTIMA  PARTE  DO  ARTIGO  “MPEG-2  SYSTEMS  E  OS  MECANISMOS  DE  DATACASTING  SUPORTADOS  NA  TV  DIGITAL”  DOS  PESQUISADORES  CARLOS  PICCIONI  E  CARLOS  MONTEZ  DA  UNIVERSIDADE  FEDERAL  DE  SANTA  CATARINA  (UFSC).

 

VC-1: PADRÃO DE COMPRESSÃO DE VÍDEO

by Shankar L. Regunathan, Ann Marie Rohaly, Regis Crinon e Patrick Griffis

COMO OS PCS E OUTROS DISPOSITIVOS DIGITAIS SÃO CADA VEZ MAIS USADOS NA MANIPULAÇÃO, ENTREGA E ADMINISTRAÇÃO DO VÍDEO DIGITAL, COMEÇA A NÃO EXISTIR DISTINÇÃO ENTRE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS DE CONSUMO E COMPUTADORES.

 

VC-1: PADRÃO DE COMPRESSÃO DE VÍDEO – 1ª PARTE

by Shankar L. Regunathan, Ann Marie Rohaly, Regis Crinon e Patrick Griffis

COMO OS PCS E OUTROS DISPOSITIVOS DIGITAIS SÃO CADA VEZ MAIS USADOS NA MANIPULAÇÃO, ENTREGA E ADMINISTRAÇÃO DO VÍDEO DIGITAL, COMEÇA A NÃO EXISTIR DISTINÇÃO ENTRE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS DE CONSUMO E COMPUTADORES.

 

AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS DE TV DIGITAL TERRESTRES – FINAL

by F. Yamada, F. Sukys, C. E. S. Dantas, L. T. M. Raunheitte. e C. Akamine

ACOMPANHE A PARTE FINAL DO ARTIGO QUE MOSTRA OS RESULTADOS DOS TESTES DAS CONDIÇÕES DE RECEPÇÃO DA TV ANALÓGICA EM SÃO PAULO; AGORA A DISCUSSÃO GIRA EM TORNO DE ALGUNS TIPOS DE INTERFERÊNCIA ENCONTRADOS NA PESQUISA.

 

SINCRONISMO EM TV DIGITAL MÓVEL – final

by Por Roberto Mitsuake Hirayama, e Regina Melo Silveira
 
 
 

Teste de avaliação comparativa dos sistemas de TV digital terrestres

by F. Yamada, F. Sukys, C. E. S. Dantas, L. T. M. Raunheitte, C. Akamine