• PT
  • EN
  • ES

Uso da Banda C-Planejada rumo à expansão de canais na América Latina

ARTIGO

Nº 152 – Jul/Ago 2015

por Jurandir Pitsch

Continuando com o foco no setor de satélites, a Revista da SET convidou a SES para explicar o conteito de comunidades de vídeo e os beneficios que pode gerar a utilização de Banda C-Planejada na região

Ocrescimento do mercado de TV Paga na América Latina e da demanda por canais Full HD e Ultra HD é cada vez maior. Enquanto esse setor, em 2011, possuía cerca de 45 milhões de assinantes, a previsão para 2015 é que esse número ultrapasse os 88 milhões de usuários [1].

No Brasil, por exemplo, esse mercado teve um aumento de 8,6% em comparação com 2013. Esse cenário traz uma nova demanda por capacidade e, por isso, as operadoras de satélite e TV iniciaram a utilização da banda C-Planejada, uma novidade que aumenta o número de transponders [2] disponíveis em toda a região e, principalmente, no Brasil.
Essa nova banda, localizada um pouco acima da frequência da Banda C padrão, é autorizada pelo Apêndice 30-B da UIT (União Internacional de Telecomunicações) e adiciona mais faixas de frequência às operadoras.
Seu uso já é comum na Asia (onde é conhecida como banda Insat) e está começando a se tornar mais frequente na América Latina. Ela traz diversas vantagens, que vão desde a expansão de comunidades de vídeo – com a adição de novos canais em posições orbitais já consolidadas, até a facilidade de recepção – uma vez que as antenas dos operadores não precisam ser reapontadas a novas posições orbitais.
Do ponto de vista técnico, a recepção dos sinais exige um novo equipamento, que é instalado nas antenas já existentes. Por isso, operadoras de satélite como a SES disponibilizam aos seus parceiros um Programa de Antenas completo, que oferece o novo material e garante que todos os operadores de TV por assinatura tenham 100% de visibilidade e acesso à expansão e programação dos canais disponíveis.

No caso da SES, o programa abrange o satélite SES-6, que está localizado em uma posição orbital já estabelecida e com uma forte comunidade de vídeo. Nesse caso, o uso da banda C-Planejada traz a disponibilidade de 15 novos transponders, o que significa uma maior capacidade para receber sinais nas qualidades Standard, HD, Full HD e até mesmo UHD 4K e a oferta de produtos melhores e mais atraentes para os assinantes das TVs por assinatura. Além disso, com a mudança para TV Digital no Brasil até 2018, cada vez novos espectros serão necessários para levar o sinal à população Ou seja, o aumento da demanda no Brasil e América Latina é bastante forte e é fomentado pelo crecimento do poder econômico, a exigência por conteúdo Premium e pelos eventos esportivos na região, como os Jogos Olímpicos de 2016 e a Copa do Mundo de 2014, que trouxeram grandes aprendizados. E os satélites são a forma mais confiável e econômica de se suprir a demanda e alcançar essa audiência massiva em nível nacional, regional e mundial. Com esse Programa de Antenas, a capacidade necessária está garantida, e as operadoras e distribuidoras poderão contar todo com todo o suporte e ambiente necessário para que respondam ao desafio de estar presentes aos seus usuários e prover um maior e melhor número de canais a cada um dos países.

Referências:
[1] Dataxis, 2Q12, Estimativa Dataxis e SES. [2] Transponders (abreviação de Transmitter-responder) são dispositivos de comunicação que recebem, amplificam e retransmitem um sinal em uma frequência diferente.

Jurandir Pitsch é Vice-presidente Comercial da América Latina Sul na SES. Ingressou na companhia em 2002, após trabalhar no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Telebrás e passar pelas áreas de engenharia, operações, desenvolvimento de produtos e vice-presidência de Marketing da Comsat Internacional do Brasil.