• PT
  • EN
  • ES

SOLUÇÕES MAIS COMPLETAS A CUSTOS MAIS ACESSÍVEIS

COBERTURA NAB 2012


Por Paulo Roberto Monfrim Canno

Impressões gerais

Um dos pontos de destaque do evento foi a queda dos preços das soluções, aliás, significativa em alguns segmentos.

Outro aspecto bastante notado foi a ausência quase que total de soluções exclusivas para SD. Ou seja, o HD é praticamente o padrão vigente, tratando-se o SD como uma espécie de subpro-duto do HD. O formato SD é lembrado apenas nas aplicações web ou jornalismo via internet.

Ressurgiram, também, na NAB 2012 e de forma mais vigorosa do que nos últimos três anos, as soluções de MAM (Midia Asset Management), alavancadas pela necessidade de estruturar e agilizar os fluxos de trabalhos em ambiente de mí-dia digital, onde o volume de conteúdo a ser manipulado e arquivado, é cada vez maior, devido, em parte, ao barateamento das mídias de armazenamento.

Também, digna de nota, foi a visibilida-de da tecnologia 4k, agora com câmeras um pouco mais acessíveis (foto 1), assim como o encoder da NTT (High Efficiency Video Coding HEVC) para transmissão, a taxas compatíveis com aquelas utilizadas atualmente em 2k (http://www.youtube. com/watch?v=yD_8Hz6Zr6A&feature=pl ayer_embedded#!) , o que sinaliza uma grande possibilidade da distribuição de produções em 4k.

Notamos ainda que o assunto 3D, no ambiente do NABShow2012, não teve a mesma visibilidade dos últimos três anos, embora, no ambiente das conferências, tenha sido bastante debatido.


Detalhamos a seguir, alguns outros aspectos do evento:
Evolução consistente e redução de custo das tecnologias de transmissão ao vivo por rede celular 3G/4G/LTE, WiFi e
microondas.

Encontramos várias soluções, cujos preços variavam desde U$7,500.00 até por volta de U$40,000.00, dependendo, é claro, das funcionalidades de cada uma.

Pudemos também observar que essa tecnologia vem evoluindo, ano a ano, e as melhorias são contundentes.

Constatamos também, que tais soluções não se limitam apenas à transmissão utilizando os circuitos de rede celular, mas também através de internet wireless ou mesmo por redes de rádio microondas. Uma das melhorias introduzidas pela LiveU (marca já bastante conhecida no Brasil) foi na eficiência da antena (foto 2) que conecta a unidade remota às estações base de telefonia 3G/4G, visando tornar possível essa conexão com estações mais distantes, quando da transmissão de eventos de locais, onde as estações das proximidades já estão congestionadas pelo uso do próprio público do evento.

A TVU apresentou uma linha bastante ampla de soluções. A solução mais completa permite que se grave a reportagem, durante a transmissão, para uma posterior exibição, caso haja uma falha no circuito de comunicação (foto 3).

As soluções Teradek (Cube) foram as de mais baixo custo que encontramos, que, no entanto, não deixaram de surpreender pela engenhosidade das configurações sugeridas para adaptação às câmeras (foto 4), como também pelo software de monitoramento da conexão (foto 5).

A frustração ficou por conta da Comrex, que ainda não disponibilizou para a venda seu LiveShot. Esperávamos que já houvesse vários desses equipamentos em operação, pois na NAB_2011, a empresa sinalizava para o mercado, sua disponibilização no último trimestre do ano passado (foto 6).

A Vislink apresentou também sua solução AirStream (foto 7).

Robótica de armazenamento de dados, com arranjo de discos óticos, da Sony A constante atualização dos formatos de armazenamento de dados em fitas magnéticas (AIT3, SAIT, LTO5, LTO6, etc) têm demandado processos de migrações sucessivas, o que além de implicar em custos financeiros, acarreta muito trabalho, bem como riscos de se corromper os dados.

A tecnologia de armazenamento ótico de dados, em volume comparável ao armazenamento em fita magnética, e que vem sendo desenvolvida pela Sony há alguns anos, também foi apresentada de forma mais completa. Os cassetes de discos (XDCAM Single, Double ou Quad layer), contém 12 deles, cada um com capacidade de 125GB (Quad layer), resultando num total de 1,5TB por “cassete ou cartridge”, que é como vem sendo chamado o produto na literatura de língua inglesa (foto 8).

O grande benefício esperado em relação ao armazenamento de mídia em disco ótico, é que o espaço de tempo entre migrações de formato aumente consideravelmente. Fala-se num espaço de tempo que pode aumentar de 3 a 5 anos, no caso da fita magnética, para 20 ou até 50 anos. Além disso, afirma-se que o meio ótico resiste mais às variações de temperatura e umidade do que a fita magnética, sendo também mais resistente aos danos provocados pela poeira e fungos.

A capacidade de armazenamento da robótica de cartuchos de discos, apresentada na NAB_2012 (foto 9) é de 660TB, comportando 440 cartuchos de 12 discos XDCAM quad layer.

Opções de solução “all in one”, de baixo custo, para transmissões ao vivo.

Neste ano tivemos a oportunidade de examinar mais atentamente as soluções “all in one”, tais como o TriCaster (http://www.newtek.com/tricaster/) da NewTek e o RouteCase (http://www. sislive.tv/portable-production-studio. php) da Sis Live.

Para emissoras de médio e pequeno porte, o TriCaster parece ser uma boa solução para iniciar o processo de transmissões ao vivo em HD, além de oferecer saída também para streaming, com uma excelente relação custo/benefício, oferecendo recursos de replay, gerador de caracteres e cenário virtual, além de outros, todos em uma mesma caixa.

O RouteCase da Sis Live é um produto bem mais modesto, sendo mais apropriado à transmissão de eventos jornalísticos ao vivo de baixa complexidade, tanto em HD como para a web. O atributo mais interessante do equipamento é que a monitoração encaixa-se na parte interna da tampa da maleta (foto 10). Fomos informados pelo expositor que o custo situa-se ao redor de U$9,000.00.

 

 

Paulo é Diretor de Tecnologia da Rede Gazeta (ES) e Vice Diretor da SET Regional Sudeste .