• PT
  • EN
  • ES

SISTEMAS IRRADIANTES APRESENTADOS NA BROADCAST & CABLE 2006

COMENTANDO
SISTEMAS IRRADIANTES APRESENTADOS NA BROADCAST & CABLE 2006

Imagem digital de alta qualidade ou nenhuma, eis a questão a ser definida.

comentandoPara que a programação das emissoras chegue de forma fiel ao espectador ou ouvinte, fazendo jus aos investimentos em captação, produção, estúdios, edição, ou seja, a todo conjunto de recursos direcionados à geração de um conteúdo da mais alta qualidade, é necessário o perfeito funcionamento de cada elemento integrante da estação transmissora, finalizando pela antena, que é o elemento-chave responsável pela propagação das ondas eletromagnéticas até seu destino final, com a melhor eficiência possível. Afinal, a vida de uma emissora assemelha-se a um organismo vivo e em crescimento constante, onde cada célula é composta pelos seus telespectadores e ouvintes, que a alimentam constantemente através da fidelidade e do consumo dos produtos veiculados na mídia. Se o conteúdo não chegar de forma satisfatória, a emissora irá perecer aos poucos e, nesse aspecto, cada elemento integrante é de suma importância.
E de que irá valer todo o investimento em recursos materiais e humanos se, no momento de transmiti-lo até o destino final, o sistema irradiante não o fizer com eficiência?
Essa preocupação se torna uma obsessão quando se trata de sistemas digitais. Nesse ambiente, se o diagrama de cobertura de uma antena transmissora não corresponder ao planejado e especificado, simplesmente o risco de o conteúdo não atingir o consumidor final é total. Daí o cuidado redobrado no projeto e na escolha das melhores antenas e empresas que detêm know-how suficiente para atender plenamente às expectativas técnico-comerciais e, principalmente, que estejam preparadas para os desafios da era digital.
A ênfase das empresas fornecedoras de antenas presentes no Broadcast & Cable 2006 foi justamente a da transição dos sistemas analógicos para os digitais, com soluções adequadas a cada caso, respeitando os limites e requisitos impostos pela diversidade de clientes. Uma grande variedade de soluções foi apresentada e pudemos relacionar alguns fornecedores com presença marcante e soluções interessantes no que se refere as aplicações no cenário brasileiro.
A RFS (Radio Frequency Systems), com fábrica no Brasil, apresentou diversas soluções para a transição analógico-digital de FMs e TVS e, dentre os produtos, destacou seu avançado sistema de monitoração via RF da ‘série MS’, com 50 entradas, podendo conjugar até 16 transmissores e um sistema de antenas com quatro alimentadores de rede. Ele possibilita a monitoração de potências de transmissão diretas e refletidas e exibe as informações sobre configurações dos comutadores. Outro produto demonstrado foi a Linha de Transmissão coaxial dielétrica de ar HELIFLEX, disponível nas dimensões de 3/8 até 9 polegadas, sendo de fácil instalação e reduzindo descontinuidades e perdas de retorno na banda. Para DTV de média potência, a RFS apresentou a antena “Superturnstile” UHF, compacta e leve, com excelente custo benefício. Por fim, foi apresentada a Antena para televisão 611-CP, para transmissão omnidirecional de polarização circular em VHF, com peças em aço e desenhada de forma a propiciar uma baixa carga eólica. Em breve a mesma estará em utilização no Brasil pela Rede Globo em São Paulo, que escolheu a RFS como provedor para seu novo site da Alameda Santos. A RFS fez questão de expor sua capacidade de prover soluções completas, desde antenas a cabos, combinadores e filtros, além de acessórios de forma a prover maior conforto aos broadcasters que desejarem soluções “turn-key”.
A Dielectric, que possui representante no Brasil, divulgou sua tradicional linha de produtos voltada a FM e TV digital, igualmente com ênfase em soluções de migração analógico-digital onde evidenciaram seus produtos aplicáveis a DTV. Combinadores e filtros também foram apresentados além de seus produtos dual Band. A Kathrein, que possui parque fabril no Brasil, demonstrou soluções de compartilhamento de torres de forma a acomodar os sistemas digitais com os analógicos, bem como seu potencial de soluções turn-key e de projetos, além de atuar na área de comunicação celular, através do fornecimento de antenas para estações de rádio-base, sistemas veiculares e comunicação em banda larga para redes a cabo.
As nacionais Trans-tel, a Ideal e a Mectronica, também destacaram suas linhas de antenas, acessórios e produtos.
Em contato com técnicos especialistas durante o evento, pudemos questionar a aplicabilidade das soluções de antenas duais (VHF e UHF) em emissoras de difusão de TV e notamos que os produtos que acomodam ambas as faixas acabam por degradar algumas das características elétricas das antenas de forma a acomodar uma resposta em freqüência satisfatória em ambas as faixas. Além disso, a complexidade na interface de alimentação dos cabos de VHF e UHF pode causar sérios transtornos em caso de necessidade de manutenção, uma vez que se trata de um conjunto único, não podendo ser reparado ou ajustado separadamente e, logicamente, a emissora não podendo sair do ar em caso de manutenção. Nesse aspecto, montagens laterais ou empilhadas com antenas separadas e otimizadas para a sintonia em cada faixa, apresentam vantagens de desempenho e menor risco quanto à operação quando comparadas à tecnologia dual.
Independente de cada solução apresentada há que se ter em mente cada vez mais, que a escassez de recursos financeiros e o reaproveitamento de investimentos nas emissoras no Brasil deixaram de ser uma realidade e viraram um parâmetro de projeto e, esse panorama é o que desafiará mais e mais as empresas, colocando o know-how, a competência e a criatividade dos engenheiros à toda prova, fazendo com que o ciclo de desenvolvimento tecnológico escreva mais um capítulo na história dos broadcasters brasileiros.
Assim, diante das opções existentes, que tal analisar as possibilidades de melhoria de desempenho de sua emissora quando da decisão de investimentos na transição dos sistemas analógicos para os digitais, ou no up-grade dos sistemas irradiantes existentes?