• PT
  • EN
  • ES

SET e Trinta amplia horizontes e espaço no NABShow 2011

NAB 2011 – SET E TRINTA

NAB 2011 - SET E TRINTA

Ao final do último dia do SET e Trinta, a certeza de missão cumprida foi sentida por todos que trabalham para realizar o evento. Mais uma vez o Brasil teve a maior delegação internacional com cerca de 1700 brasileiros, superando os números do ano passado. “A Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET) é a grande responsável por essa adesão brasileira. Além do apoio prestado aos brasileiros que estão no evento, a entidade promove o café da manhã SET e Trinta, na Sala SET Brasil, que é um ambiente criado para discutir tecnologia, aproveitar melhor a feira e de apoio”, declara Roberto Franco, presidente do Fórum Nacional SBTVD e Fórum Internacional ISDB-T.

“A cada ano, somos mais eficientes e melhoramos nossa qualidade e empenho, tanto em relação à infraestrutura do evento em si, como em relação ao conteúdo”, afirma Daniela Sousa, diretora de eventos da SET. Durante os três dias de evento, 320 pessoas puderam assistir a palestras, fóruns e participar de sorteios diários ao término das atividades. Este ano uma novidade na área física do SET e Trinta. Devido ao prestígio e importância que o evento tem, a diretora de operações de convenções da NAB, Kathy Hartness, concedeu um novo ambiente destinado ao buffet do café da manhã. Com o novo espaço houve uma melhoria em todos os aspectos. Foi possível organizar melhor o ambiente das palestras e na área do café houve uma melhor integração e contatos.

As palestras agradaram aos participantes devido à amplitude de assuntos relacionados aos temas 3D, Service-Oriented-Architeture (SOA), Cloud, produção em 4K, desafios em relação ao espectro da radiodifusão e outras tecnologias. “Nós tivemos palestras muito interessantes e com dois temas centrais muito importantes para radiodifusão. “A Ameaça ao Espectro da Radiodifusão” é um assunto absolutamente pertinente. O mundo inteiro está discutindo o ambiente regulatório ameaçando o espectro da radiodifusão. Outro tema muito relevante é questão do ambiente multiplaforma dos televisores conectados e da experiência de ter os conteúdos disponíveis para que os seus consumidores possam acessá-los, em qualquer momento e lugar, usando o dispositivo da sua melhor conveniência. Falamos muito sobre a harmonização das experiências do broadband e broadcast”, ressalta o diretor de tecnologia da SET, Raymundo Barros.

A área editorial também ganhou novos rumos com o NABShow 2011. “Este ano conseguimos publicar no site, seis edições diárias do NAB Day by Day, permitindo que as pessoas que não puderam ir ao evento soubessem, quase que em tempo real, o que acontecia no congresso e na feira da NAB, nas palestras e fóruns do SET e Trinta”, explica Valderez Donzelli, diretora editorial da SET.

Day by Day na Revista
Sob responsabilidade de Alberto Paduan, revisor técnico da Revista da SET, as notícias do NABShow e resumos das palestras e fóruns do SET e Trinta eram postados no site – www. set.com.br – ao término dos eventos. Nesta seção, Alberto também colocou dicas para os visitantes brasileiros aproveitarem melhor a feira e apontou as melhores palestras do congresso dando uma prévia do tema que seria tratado. A seguir alguns destaques do SET e Trinta no NAB Day by Day:

Paulo Henrique Castro, do Comite de Tecnologia, fez a abertura do SET e Trinta e em seu discurso deu boas vindas a todos, falou da importância do evento e dos assuntos a serem abordados. O secretário de Serviços de Comunicação Eletrônica Genildo Lins de Albuquerque Neto também falou na abertura e parabenizou a SET pelo evento, em nome do Ministério das Comunicações. Em seguida o moderador Alexandre Sano, chamou à composição da mesa para dar início aos trabalhos.

No primeiro dia, foram realizadas cinco palestras tendo início com o palestrante Andreas Hildebrand, da Lawo International, que falou sobre o futuro das redes de mídia em tempo real baseados em IP, dando enfoque nos equipamentos Ravenna. Em seguida David Ross, da Ross Vídeo, abordou o tema “A Evolução da Produção ao Vivo”. O diretor, Carlos Capellão, abriu a terceira palestra apresentando a empresa Evertz e seus lançamentos e Roger Heath, da Evertz, deu sequência à palestra falando sobre os “Workflows baseados em arquivos digitais para multicasting”. O terceiro tema “A caracterização de Antenas Digitais” foi abordado pelo diretor Dante Conti, da SPXTrans- tel. O diretor comercial Silvino Almeida, da Tektronix, finalizou os trabalhos falando sobre o “Gerenciamento integrado da qualidade da transmissão e contribuição”.

O vice-diretor de interatividade, Carlos Fini, abriu o segundo dia apresentando os palestrantes e agradecendo os patrocinadores e o diretor da regional Centro Oeste, Emerson Weirich, mediou os painéis. Além das palestras “Workflow, SOA and Cloud computing Coming Together” e “Comparação entre tecnologias produção de codec” ministradas, respectivamente, por Mark Darlow, da Harris Corporation, e Charlie Dunn, da Grass Valley, a manhã do dia 12 de abril foi marcada pelo primeiro Fórum de Tecnologia do SET e Trinta 2011. O diretor de tecnologia da SET, Raymundo Barros, fez a abertura do fórum moderado por Carlos Fini. Para debater sobre o tema “Over The Top (OTT) – Ameaças e Oportunidades para o Broadcaster” estavam presentes os especialistas mundiais David Wood, da World Broadcast Union, Colin Dixon, do The Diffusion Group, e Marco Pellegrinato, Mediast VP Research and Development. Conforme publicado na seção NAB Day by Day , “o que ficou bem definido após todas as apresentações foi que a entrega de conteúdo audiovisual pela internet para os novos dispositivos conectados como TVs broadband, tablets, consoles de videogames, smartphones, ou OTT é um caminho sem volta. Na Europa e Estados Unidos a audiência adicional em novas janelas de tempo e nos novos dispositivos já representa cerca de 30% da audiência da exibição dos conteúdos no primetime do broadcast. Por outro lado, como a internet não possui barreiras, nunca foi tão viável o antigo desejo de fazer sucesso representado pela frase “uma idéia na cabeça e uma câmera na mão”; faltava apenas um PC conectado à internet e agora presenciamos quase que diariamente hits do Youtube com milhões de telespectadores. Isso significa que a competição agora é em escala global e os players podem tanto ser grandes corporações de mídia ou o filho do seu vizinho”.

Sob o comando da vice-diretora editorial da SET, Ana Eliza Faria e Silva, o terceiro e último dia teve mais duas palestras e o segundo Fórum de Tecnologia. Após a apresentação dos palestrantes, Ana convidou Paul Turner, da Omneon/Brasvídeo para iniciar sua palestra sobre o tema “How the use of metadata management can simplify operations in a multi-delivery platform world (Como a utilização do gerenciamento de metadados pode simplificar as operações num universo de plataformas multi-entregas)”. Depois foi a vez de Hugo Caggioni, da Sony que dissertou sobre “Novas e futuras tecnologias voltadas para 4K com uma visão geral do fluxo de trabalho”.

A presidente da SET, Liliana Nakonechnyj, juntamente com Ana Eliza, foi moderadora do fórum sobre “Ameaças ao espectro de Radiodifusão”. Para debater o assunto, a SET convidou os conferencistas Mark Richer, representante da ATSC/Estados Unidos, e Peter Siebert, do DVB/Europa. A conclusão publicada no site da SET é que, “o uso da faixa de 700 MHz é decisivo para a continuidade da televisão aberta brasileira e tema fundamental para radiodifusão ao redor do mundo. Por outro lado, uma miríade de tecnologias está sendo desenvolvida para oferecer banda larga móvel nos canais de TV liberados pela TV analógica em países em que ocorre o switchover para TV digital. As grandes questões foram: “Como a TV digital conviverá com essas novas tecnologias? E haverá espaço para novas tecnologias na TV terrestre, ou seu futuro é incerto?”.

Como uma boa anfitriã da Sala SET Brasil, Liliana Nakonechnyj encerrou os trabalhos do SET e Trinta, agradeceu pela participação de todos neste ano e já convidou aos participantes para o próximo encontro em 2012. Os inscritos na programação da SET puderem assistir, durante os três dias de evento, a nove palestras, dois fóruns, participar de sorteios diários e fazer o seu networking enquanto desfrutavam do café da manhã.

“Todo o planejamento do SET e Trinta foi realizado graças ao empenho dos diretores e do staff da SET. No tocante às palestras, concentramos nossos esforços para levar e conseguimos ter a presença de profissionais extremamente conceituados no cenário internacional, que dificilmente poderiam estar no Congresso da SET, que acontece em agosto. A idéia é promover a troca informações entre palestrantes da indústria, protagonistas das grandes discussões, e os radiodifusores brasileiros no SET e Trinta. Claro que temos muito a melhorar e temos espaço para fazer a cada ano um encontro melhor”, conclui Raymundo Barros.

A importância dos patrocinadores
Apesar de o evento brasileiro acontecer entre os dias 11 e 14 de abril, a cobertura na internet começou a partir do dia 10 de abril e contou com o patrocínio das empresas Ad Digital, Guedes Mídia Digital e Screen Service do Brasil. Além dos patrocinadores do site, o evento SET e Trinta também contou com o apoio de 29 empresas. O patrocínio é dividido em três categorias – Ouro, Prata e Bronze. As empresas Grass Valley, Harmonic/Brasvídeo, Harris, Line- Up/Lawo, Phase,Evertz, Brasvideo/Ross Vídeo, Sony, Tektronix e Trantel/SPX fazem parte da categoria ouro. No grupo Prata estão dez empresas, entre elas, Hispamar, Intelsat, Megatrax, Newtec, Panasonic, SES Wordk Skies, Salzbrennder Stagete, Sonda Telsing, Star One e Telem. A categoria bronze também tem dez patrocinadores: AVP MFG.&Supply, DVPRO Vídeo, Imagenharia, Kami Electronics, Leader America, Sennheiser, STI Telecom, Telesat, Thought- Development e TOTVS/TQTVD.

PATROCINADORES OURO FAZEM PALESTRAS NO SET E TRINTA
Como bônus de patrocínio, representantes das empresas da categoria ouro são responsáveis pelas palestras apresentadas durante o SET e Trinta e podem publicar na revista um compacto de seus assuntos. A seguir os resumos das palestras enviadas pelos patrocinadores à Revista da SET
Workflows BASEADOS EM ARQUIVOS DIGITAIS PARA MULTICASTING.
Palestrante: Roger Heath – EVERTZ
Palestrante: Carlos Capellão – PHASE ENG A TV a Cabo e o DTH provocaram um enorme aumento no número de canais de programação, expandindo a atividade televisiva, mas por outro lado demandando um incremento na eficiência das equipes de pós-produção e exibição.
Roger Heath explica os benefícios que o “Pharos Mediator”, um produto Evertz de Gerência de Conteúdo, oferece em relação aos workflows tradicionais baseados em fitas. O broadcasting baseado em fitas é estressante e ineficiente, remanescente dos tempos em que grandes equipes operacionais eram empregadas na transmissão de um único canal de programação. Fitas podem ser facilmente perdidas ou danificadas e o workflow relativo à movimentação de mídia física é pouco confiável além de ser intensivo em termos de mão de obra.
A meta da Evertz é tornar a operação de broadcasting mais eficiente, previsível e replicável, uma ou múltiplas vezes. Um gerenciamento de conteúdo eficiente e corretamente projetado permite que os Broadcasters possam se concentrar na sua atividade fim gerando maiores receitas através da oferta de mais serviços em combinação com custos operacionais reduzidos e maior eficiência.
Atinge-se esta meta através do uso de técnicas baseadas em arquivos digitais que são seguros, fáceis e rápidos, com o conteúdo sendo imediatamente digitalizado na chegada à emissora. As informações de metadados que acompanham o conteúdo são simultaneamente salvas e associadas ao arquivo por todo o seu ciclo de vida.
Codec de Produção – Compara – ção de Tecnologias
Palestrante: Charlie Dunn – GRASS VALLEY
Hoje, uma das decisões mais importantes que os produtores de conteúdo HD precisam fazer é a escolha do formato de arquivo (codec) que melhor se encaixa na necessidade de cada um. Isso se deve ao fato de existir vários codecs disponíveis, cada um com vantagens e desvantagens específicas. Você pode, por exemplo, perder uma resolução full HD para evitar processos de transcodificação; ou um orçamento apertado pode levá-lo a utilizar taxas de compressão menores; ou pode simplesmente utilizar o codec que vem definido no seu editor sem realmente saber os inconvenientes de usar tal codec.
Esta apresentação faz uma comparação entre os principais codecs disponíveis hoje, incluindo DVCPRO HD, XDCAM HD, ProRes, DNxHD, e AVC-Intra, explicando os prós e contras de cada um, e ilustrando os impactos práticos no seu negócio. Também fornece informação de duas das principais tendências hoje no ambiente de produção que, estando juntas, fazem o AVC-Intra a 100 Mb a melhor opção para a produção.
GERENCIAMENTO INTEGRADO DA QUALIDADE DA TRANSMISSÃO E CONTRIBUIÇÃO
Palestrante
: Silvino Almeida – TEKTRONIX
A Tektronix apresenta um novo paradigma para o controle de qualidade de áudio e vídeo na transmissão, que permite identificar os problemas que realmente impactam no espectador em tempo real.
A solução monitora tanto a qualidade de sinal (QoS – problemas de rede e geração) quanto a qualidade da Experiência (QoE – problemas de áudio e vídeo que impactam na visualização do espectador), através de um sistema de gerência de rede, correlacionando diversas métricas através da rede que possibilitam ao operador determinar rapidamente a origem destes eventos. Esta solução abrange todas as plataformas: Satélite, TV terrestre, TV cabo, IPTV, ASI. E pode ser usada com diversas finalidades: Verificar a qualidade visualizada pelo espectador em qualquer ponto do Brasil, gerenciar departamentos de uma emissora (ex. CTRS), verificar o tráfego e qualidade das redes de contribuição, verificar o sinal próprio da emissora na plataforma de terceiros.
REVISITANDO O TEMA SOBRE A CARACTERIZAÇÃO DE ANTENAS DIGITAIS- SPX
Palestrante:
Dante Conti – TRANSTEL
Testes de sistemas irradiantes com levantamentos de diagramas horizontal e vertical para antenas transmissoras usadas em sistemas digitais, com polarização horizontal e elíptica. Parâmetros que devem ser cuidadosamente aferidos, suas variações e implicações caso estejam fora dos limites especificados.
Aspectos construtivos que podem degradar ao longo do tempo alterando os parâmetros elétricos do sistema e conseqüentemente, a cobertura pretendida.
Itens que diferenciam a robustez, eficiência e confiabilidade em sistemas digitais, e servem de parâmetros comparativos de preço x qualidade que diretamente influencia na relação custo/ benefício das soluções.
EVOLUÇÃO NA PRODUÇÃO AO VIVO.
Palestrante:
David Ross – ROSS VIDEO
O aumento da potência nos switchers de produção; De onde viemos, inovações, patentes: Desde o analógico por todo o caminho, através dos switchers de produção 3G; Primeiras inovações na indústria; Arquitetura: Processamento 3G (normas SMPTE, conceitos de design); Suporte a 3D; Multi-Panel suport. Tela Múltipla – Multi MLE (Alto nível de integração – Studio-in-a-Box); Processamento de Vídeo (Frame Sync, Up/Down/Cross, Proc Amps, Color Correction); Roteamento; DVE; Media Player (capacidades embutidas; Integração com estações gráficas s e servidores de vídeo); Multi-Viewer Built-In(flexibilidade do hardware); Controlador de Dispositivos como base para APC; Controle de Produção Automatizada; O Processo de conversão da Produção de Notícias Automatizada, nos EUA: Hoje, 1/3 da produção de notícias locais os EUA é automatizada. A primeira “Nation Wide”, nos EUA, irá ao ar em abril.
Descrição Técnica dessa tecnologia: Complexidade, consistência e capacidade de repetição, se possível. É requerida vasta gama de drivers de dispositivos controladores. Plataformas abertas, protocolos requeridos; Conceito operacional; Fluxo de trabalho integrado MOS; O próximo passo após as implementações NRCS; Lançamento de Produtos – Introdução de Novos Produtos.
HOW THE USE OF METADATA MANAGEMENT CAN SIMPLIFY OPERATIONS IN A MULTI-DELIVERY PLATFORM WORLD.
Palestrante
: Paul Turner – OMNEON/ BRASVIDEO
Workflows baseados em arquivos são complexos, para dizer o mínimo. Os desafios inerentes à implementação de um fluxo de trabalho de sucesso, baseado em arquivo, incluem o gerenciamento de sistemas de arquivos, oferecendo visibilidade dos conteúdos para toda a empresa e trabalhando com várias versões do mesmo conteúdo, lidando com as incompatibilidades de formatos de media, controle e monitoramento do fluxo do conteúdo através de várias etapas de processamento.
Metadados, sejam de ordem estrutural, descritivo, ou ambos, abordam estas complexidades de uma instalação baseada em arquivo. Metadados simplificam o gerenciamento de conteúdo e aumentam o desempenho da produção, permitindo um sistema de armazenamento central para ajustar sua performance e estruturas de arquivos automaticamente – com base nos metadados estruturais do material ou o fluxo de trabalho de destino, por exemplo – e, simultaneamente, permitindo o gerenciamento do workflow baseado em regras para tomar decisões inteligentes que melhoram dramaticamente o processo de gerenciamento de projetos.
Workflow , SOA e Computação em Nuvem
Palestrante:
Marcos Darlow – HARRIS CORPORATION
A apresentação desenvolverá a explicação de como workflow, SOA e computação em nuvem estão surgindo juntos para permitir aos nossos clientes terem uma operação mais flexível e otimizada. Assim que o conteúdo é digitalizado, os workflows, baseados em arquivos, se tornam possíveis. Os workflows, baseados em arquivos, podem utilizar os recursos baseados em nuvem (por exemplo, a transcodificação) e a requisição de trigger (ativar) esses fluxos de trabalho surgirá dos usuários e operadores do sistema (de edição, de tráfego, de automação, etc), o que representa uma abordagem SOA, tornando-se uma exigência cuidar de toda a operação do ecosistema em sua totalidade.
NOVAS E FUTURAS TECNOLOGIAS VOLTADAS PARA 4K COM UMA VISÃO GERAL DO FLUXO DE TRABALHO
Palestrante
: Hugo Gaggioni – SONY
O Objetivo é cobrir as novas tecnologias futuras voltadas para 4K com uma visão geral do fluxo de trabalho, desde a aquisição até o sistema de projeção, em caso de cinema digital e aplicações possíveis, tais como 3D digital Cinema ou outros. Destacando as principais tecnologias e os benefícios para este Mercado: F65 4K Câmera Tecnologia: tecnologia e seus principais benefícios, os benefícios do sensor grande, 4K tecnologia de sensores de matriz, sensibilidade, qualidade de imagem, D-Range, Espaço de Cor. Tecnologia de gravação 4K: visão geral da tecnologia, os principais benefícios, a tecnologia de gravação, esquema de compressão, taxa de dados, fluxo de trabalho em formato 4K com benefícios, (online, off-line, DI), vantagem em NLE
Tecnologia de monitor 3.8K de monitoramento: mostrar alguns aplicativos, como novela para a TV, comercial, cinema digital e quaisquer outras aplicações potencialmente relacionadas.
AUDIO WORKFLOW IN MODERN OB VAN ENVIRONMENTS
Palestrante:
Andreas Hildebrand – Lawo Representante no Brasil: LineUp.
A palestra da Lawo apresentou a sua nova tecnologia em áudio, uma solução que apresenta uma nova distribuição em tempo real de áudio e outros conteúdos de mídia em ambientes de rede baseados em IP, utilizando tecnologias e protocolos de rede padrões, ela pode integrar e operar em uma infraestrutura de rede já existente.
Andreas Hildebrand, engenheiro da Lawo, apresentou também as informações técnicas deste novo produto e suas possíveis aplicações, sua capacidade e a performance que são escaláveis de acordo com as capacidades da arquitetura de rede principal, ela foi criada para anteder as rígidas regras do mercado de áudio profissional, oferecendo baixa latência, sinal transparente completo e máxima segurança.
Tecnologia nomeada Ravenna, foi criada para operar em determinados campos de aplicação, que incluem (mas não são limitados a) distribuição de sinal in-house em centros de broadcast e outras instalações fixas, configurações flexíveis em eventos ao vivo, suporte a Van-OB, conexões entre estúdios através de links WAN e instalações em produções.
Gilmara é editora da Revista da SET. E-mail: gilmara@gelinska.com