• PT
  • EN
  • ES

Rede Globo adapta sua programação à nova lei de Loudness

Na quarta-feira, 31 de julho, a Rede Globo começou a aplicar as novas regras de Loudness, cumprindo assim com as novas determinações da Anatel. Desde 12 de julho passado a adaptação é obrigatória para todas as emissoras do País, os que não cumprirem terão multas e sansões graves. O prazo máximo de adaptação é de treze meses.

Nº 135 – Agosto 2013

Por Fernando Moura

REPORTAGEM

nova regulamentação sobre o controle do áudio entre as programações e os intervalos comerciais das emissoras de televisão que operam no sistema digital estabelecidas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) determina regras para o áudio entre programas e anúncios publicitários. O som neste intervalo deve ser padronizado de forma que a sua variação não ultrapasse 2 LU – unidade de medida relativa da intensidade subjetiva de áudio, de acordo com algorítmos definidos na recomendação EBU R-128-2011 – já que de acordo com a portaria de nº 354/2012, “a intensidade subjetiva de áudio (Loudness) dos blocos de programas deverá ser centrada em -23 LKFS, com tolerância, para mais ou para menos, de 2 LKFS”.

Segundo a portaria, o Loudness é a “intensidade subjetiva de áudio – percepção da intensidade do som ou dos sinais de áudio quando estes são reproduzidos acusticamente, tratando-se de uma função complexa, que pode ser medida objetivamente por meio de algoritmos definidos na recomendação ITU-R BS.1770-2 e na recomendação EBU R-128- 2011”.
Assim, “para efeito de fiscalização, serão analisadas seis amostras de áudio de uma programação, cada uma contendo um bloco de programa e o intervalo comercial imediatamente posterior, respeitado o disposto neste artigo”, explica a portaria, que afirma que “quando em, pelo menos, duas das seis amostras a intensidade média subjetiva do áudio do intervalo comercial for superior à do bloco de programa a ele anterior em mais de 2 LKFS, será caracterizada infração ao disposto na Lei nº 10.222, de 9 de maio de 2001”.
Se houver infração, “a entidade fiscalizada será advertida, dispondo do prazo de trinta dias para que proceda à padronização do nível de áudio de seus programas e intervalos comerciais, na forma do artigo 3º”, decorrido o prazo, se não houver correção da irregularidade “ficará a emissora sujeita à sanção prevista em lei”, o que pode levar a graves multas para a emissora, que podem levar até à suspensão temporária do sinal.
É importante destacar aqui que o controle de Loudness nas emissoras de televisão brasileiras foi estabelecido por lei em 2001, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, mas só foi regulamentada em 2012 após uma consulta pública realizada pelo Ministério das Comunicações.
A TV Globo foi a primeira emissora a declarar publicamente sua adaptação à nova regulamentação da Anatel, por isso a Revista da SET conversou com Paulo Santos, diretor de engenharia de programação e comunicação da Rede Globo, que fez um balanço da implementação dos novos equipamentos na emissora e explicou as mudanças que foram implantadas para seguir as novas regras de áudio da agência reguladora.
Como consequência da adaptação da TV Globo, a nova regulamentação que começou no mês de junho quando a emissora enviou um comunicado às agências de publicidade alertando sobre as novas normas, a Associação Brasileira das Produtoras de Fonogramas Publicitários (APROSOM) divulgou, no dia 31 de julho, os procedimentos e padrões necessários às produções audiovisuais publicitárias para que seja controlado o “Loudness”.
Segundo o comunicado da APROSOM, o cumprimento da regulação por parte das agências estabelece duas categorias de áudio, semelhantes às disponíveis para imagem. A primeira, denominada Áudio Off-Line, que é válida para situações em que não há garantias de que o áudio atinja os parâmetros técnicos requisitados. A outra, Áudio On-Line, que será usada para os trabalhos onde os parâmetros técnicos estabelecidos serão garantidos pelas produtoras de som.

A seguir, a Revista da SET transcreve alguns trechos da entrevista realizada com Paulo Santos após a TV Globo ter se adaptado à nova regulamentação:
Revista da SET: Quais as principais mudanças da emissora para se adequar à nova regulação?
Paulo Santos: Sabemos que não é tecnicamente possível atender à regulamentação através apenas de um processador instalado no centro de exibição, pois isso introduziria distorções na faixa dinâmica que causariam muito mais incômodo para o telespectador que um eventual aumento de volume nos comerciais. Por isso, todo material exibido tem que seguir especificações de Loudness médio e de Loudness range, o que não é uma tarefa simples. Como ponto de partida, todos os centros de produção e pós-produção precisam ter equipamentos para medir os parâmetros de Loudness e permitir os ajustes necessários. Devemos levar em conta que em programas de entretenimento o nível de áudio em cada cena tem um impacto significativo em sua dramaticidade, por isso não usamos sistemas automáticos de processamento para esse tipo de conteúdo. Ainda mais difícil é ajustar o áudio em programas que não produzimos, como filmes, por exemplo.

Tabela 1: Faixa de Loudness (Loudness Range)

Revista da SET: Como a TV Globo vai controlar o Loudness na programação ao vivo?
Paulo Santos: O instrumental é similar ao usado para programas gravados, a diferença é que nesses casos é impossível garantir o mesmo nível de precisão.

Revista da SET: E nos intervalos publicitários?
Paulo Santos: Cada material exibido nos intervalos precisa ser produzido com especificações ainda mais rigorosas que os programas, por isso, as normas necessárias foram divulgadas para o mercado. Pela curta duração e pelo baixo Loudness range normalmente encontrado nos comerciais, tende a ser mais fácil fazer esse controle.

Revista da SET: Que tipo de equipamento esta sendo utilizado pela TV Globo para o efeito?
Paulo Santos: Há vários equipamentos no mercado que podem fazer as medidas necessárias de Loudness, tanto por hardware quanto por software e no formato de plug-ins para os principais softwares de edição. Em princípio, qualquer medidor que se adeqúe à recomendação EBU R 128 -2011 pode ser utilizado.

Revista da SET: Como será feito o controle?
Paulo Santos: Todo material para exibição deverá ser conferido e ajustado com antecedência.

Revista da SET: O controle será realizado nas emissoras da TV Globo no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Recife, e Brasília ou vai se estender as afiliadas?
Paulo Santos: Como cada emissora exibe conteúdos locais, cada uma terá que fazer seu próprio controle.

Revista da SET: Que pensa a TV Globo da nova regulamentação que entrou em vigor dia 12 de Julho e tem multas tão pesadas para os radiodifusores?
Paulo Santos: A regulamentação apresenta desafios desde a fase de produção até a de transmissão dos programas. Não é fácil, por exemplo, aferir as transmissões em tempo real, por isso é possível que eventualmente um erro só venha a ser detectado quando conferirmos as gravações do que foi transmitido. Apesar de todas essas dificuldades, nossa intenção é fazer tudo que estiver ao nosso alcance para minimizar os incômodos para os telespectadores provocados por excesso de Loudness em qualquer parte de nossa programação.

Revista da SET: Sabendo que um dos maiores desafios foi transformar uma percepção subjetiva em uma técnica com métricas objetivas, a TV Globo pensa que é possível trabalhar com os níveis estabelecidos por lei?
Paulo Santos: Vamos fazer o possível para isso.

Revista da SET: Sabendo que as métricas de padrões e recomendações deverão ser associadas às sessões durante a programação e comercialização, quais os padrões da TV Globo?
Paulo Santos: Os padrões da TV Globo são os estabelecidos pela legislação, sendo que a tolerância para os comerciais precisa ser ainda menor que a dos programas para que a especificação do intervalo como um todo seja atingida.

Fernando Moura
Revista da SET.