• PT
  • EN
  • ES

Pavilhão Brasil abre caminho para empresas brasileiras

NAB 2011 – PAVILHÃO BRASIL

Pavilhão Brasil

O saldo positivo do balanço final do Pavilhão Brasil no NABShow é confirmado pelos números do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindvel). De acordo com Daniela Saccardo, gerente do Projeto Setorial Integrado Eletroeletrônicos (PSI), “as 17 empresas participantes fizeram 727 contatos e foram fechados 17 negócios na ordem de US$2,24 milhões. A expectativa, para os próximos 12 meses, decorrente dos contatos é de US$ 10.225.000,00”.

O evento mais uma vez foi uma grande oportunidade para as empresas associadas ao projeto demonstrarem seus produtos, realizarem contatos, prospectarem novos mercados e fecharem negócios. Os novos contatos foram realizados com empresas dos Estados Unidos, França, Argentina, Chile, Brasil, Peru, Espanha, Equador, Filipinas, México, Colômbia, Canadá, Ucrânia, Bolívia, Venezuela, Austrália e Uruguai. Algumas empresas participaram pela primeira vez do Pavilhão Brasil e já manifestaram interesse na próxima edição da feira.

O Pavilhão Brasil, promovido pelo PSI Eletroeletrônicos do Sindvel, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil, conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET) e do Fórum Nacional do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre (SBTVD). Para André Barbosa Filho, assessor especial do ministro chefe da Casa Civil da Presidência da República, “essa parceria e apoio entre as entidades são muito importantes e devem ser mantidos para termos a oportunidade de continuar mostrando o que estamos fazendo e gerar mais negócios para as empresas brasileiras. O Brasil está à frente do padrão de TV digital e este é mais um motivo para divulgar o nosso produto e nossa interatividade. Já são 12 países com o mesmo sistema e esperamos que este número suba para 20, nos mantendo na liderança”.

Na área de 240 metros quadrados destinada ao pavilhão, as 17 empresas nacionais puderam expor suas soluções tecnológicas e ficaram satisfeitas com o resultado. “Dos expositores desta edição, apenas um não tem certeza do retorno ao evento, os demais já manifestaram interesse em participar da próxima edição do Pavilhão Brasil”, conta Daniela. As empresas que fizeram parte da delegação brasileira são ATIVA Soluções, EiTV, Tecsys, Sonatec, Showcase Pro, Casablanca Online, Linear, TOTVS, STB, Ideal Antenas, Screen Service, Teclar, Biquad, TSDA, Transtel, Inatel. O Fórum SBTVD e a SET também tiveram seus espaços no pavilhão.

Com a adoção do sistema brasileiro de TV digital por muitos países, não foi surpresa que os estandes com produtos e, principalmente, soluções destinados a este sistema fossem os destaques do pavilhão. Segundo Daniela, os estandes das empresas EITV e TOTVS, que apresentaram softwares com aplicativos para interatividade, foram os mais procurados, pois suas soluções apresentam aplicação para TV digital diferente das demais empresas do pavilhão.

Participação do Fórum Nacional
No espaço destinado ao Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre além das apresentações das soluções para o sistema, também foram realizados muitos contatos com outros países. Durante a feira, o Fórum SBTVD e seus associados – EiTV, Inatel, Linear, Screen Service, TQTVD, Tecsys e STB – fizeram demonstrações do padrão nipo-brasileiro de TV digital com transmissões simultâneas em televisores e em dispositivos móveis. O Ginga middleware de interatividade, desenvolvido no Brasil, foi demonstrado durante todo o evento em um televisor com o middleware embarcado cedido pela Panasonic do Brasil.

Representantes de países das Américas, Europa e África procuraram o estande do Fórum Nacional por que tinha uma necessidade, uma pergunta, uma posição, e ao mesmo tempo os brasileiros tiveram a oportunidade de se posicionar diante desses países. Alguns desses países, que estão propensos para o sistema europeu, procuraram o estande do Fórum para conhecer mais sobre o sistema brasileiro e saber qual a diferença entre as tecnologias. Para Barbosa, esse contato abre espaço para o Brasil visitá-los e sondá-los. “Foi muito positiva essa troca de informação, tanto que tem apalavrado, através de Angola, uma conversa com representantes de Botsuana, Namíbia, República do Congo e Zâmbia. Já houve um primeiro contato com esses países, numa visita que o grupo brasileiro fez à África, que se solidificou no NABShow.

Pavilhão Brasil

Gilmara é editora da Revista da SET. E-mail: gilmara@gelinska.com