• PT
  • EN
  • ES

Novo codec traz benefícios reais para OTT

 

Nº 139 – Dez 2013 e Jan 2014

Por Tom Jones Moreira

Artigo

Quem visitou CES 2014 provavelmente não foi capaz de evitar todo o 4K (também conhecido como UHD) apresentado por diversos fabricantes de TV. Dado todo esse alvoroço, só se pode deduzir que 4K é o futuro para toda a indústria, já que não passa uma semana sem que se veja notícias sobre 4K ou sobre alguma iniciativa que prometa entregar 4K na casa dos usuários.
O próprio Netflix está testando stream de conteúdos em 4K. O serviço OTT já incluiu ao seu catálogo alguns vídeos nesta resolução, oferecendo, nos Estados Unidos, algum conteúdo como por exemplo a série original “House of Cards” que foi gravada em 4K nativo.
Tecnicamente falando existem ainda alguns impeditivos para que isso aconteça em larga escala: a curva de adoção do novo padrão (H265/HEVC): Deve levar ainda um ano ou dois para termos chipset´s que suportem H264 e H265, ( até hoje temos legado em MPEG2, porque alguém acha que isso não vai acontecer com o HEVC também).

HDMI
Embora o atual padrão HDMI 1.4 possa suportar a resolução 3840 × 2160 UHD (onde a resolução 4K é realmente de 4096 × 2160), ele só suporta até 30fps e com apenas 8 bits por cor. O novo HDMI 2.0, suporta todos os recursos do UHD, incluindo a maior gama de cores (REC2020) e uma melhor resolução (30 bits deve ser suficiente), o que é realmente essencial para melhorar a imagem.
O HDMI 2.0 foi oficialmente anunciado e lançado pouco antes do IBC em 2013 com alguns grandes fabricantes (exceto a Panasonic), que já anunciaram modelos específicos de apoio a ele na IFA2013 em Berlin. Porem a verdadeira massa de monitores com suporte a HDMI 2.0 foi anunciada na CES agora em janeiro , de modo que provavelmente vão começar a aparecer nas lojas dos Estados Unidos só a partir de março de 2014, no mínimo.
Assim, todas as iniciativas de incluir UHD/4K na sala dos usuários, provavelmente vão levar pelo menos mais um ano antes de demonstrarem qualquer possibilidade que possa ser implantada. Mesmo assim, este tipo de solução estaria longe de atingir um mercado de massa e só seria relevante para um punhado de felizardos, que podem pagar cerca de US$20.000 dólares por uma tela de 80” UHD, pois os preços só devem cair para o mercado de massa em 2015, no mínimo.
O grande mercado que realmente acredito que deve usufruir dos benefícios do HEVC é o OTT SD/HD. Primeiramente pela capacidade que esse novo codec tem de permitir que se transmita o mesmo conteúdo em menor largura de banda, ou ainda, melhorar o conteúdo (resolução) usando a mesma largura de banda.
Se levarmos em conta que a média da largura de banda dos usuários aumenta de forma consistente em todo o mundo, o impulso que o HEVC pode dar (em qualidade de imagem, ou em redução de banda contratada) aos provedores de TV OTT é substancial.
HEVC não é apenas um alavancador para o UHD/4K (que como já falei deve demorar para chegar ao mercado de massa) , é um alavancador para toda a indústria ,pelos reais benefícios que pode trazer de redução do uso de largura de banda necessária na rede . Para quem como eu, acredita que o 4K só vai estar presente nos lares em um ano ou dois, o HEVC/H265 deve ser reconhecido como a melhor solução para o mercado de TV OTT em 2014.

Tom Jones Moreira

Eng. Tom Jones Moreira é consultor para a Tecsys do Brasil, membro do fórum SBTVD, membro da diretoria de ensino da SET e membro do IPV6 Task Force Brazil.