• PT
  • EN
  • ES

NAB2007 – O show de mídia eletrônica

NAB2007

O MAIOR EVENTO MUNDIAL DE MULTIMÍDIA E COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA TEVE ENTRE SUAS PRINCIPAIS ATRAÇÕES A TV DE ALTA DEFINIÇÃO, TECNOLOGIAS DE COMPRESSÃO, TV NO CELULAR E IPTV.

Da Redação
NAB2007

NAB2007 – O show de mídia eletrônica

Reafirmando-se como o maior ponto de encontro mundial dos profissionais e usuários de mídia eletrônica, a NAB2007 (National Association of Broadcasters), realizada entre os dias 14 e 19 de abril, em Las Vegas, reuniu representantes de 141 países, nos 140 mil m² do Las Vegas Convention Center.
Nos quatro dias destinados às exposições, mais de 108 mil visitantes puderam vislumbrar a diversidade de tecnologias disponíveis para pesquisa, conhecimento, networking e suas utilizações na era digital. Destes, 26.824 eram visitantes estrangeiros, sendo que a delegação brasileira foi a maior, com 1.500 representantes.
O presidente da NAB, David K. Rehr, em seu discurso de abertura, disse que os radiodifusores entendem a importância e o poder da imagem e das palavras e citou como exemplo a cobertura da explosão do dirigível Hindenburg, no ano de 1937, em Lakehurst, Nova Jersey, onde o rádio repórter Herb Morrison, através de uma minuciosa descrição dos fatos, conseguiu demonstrar todo o horror da situação e criar uma imagem poderosa nas mentes da audiência.
Rehr falou ainda, que o ano de 2006 foi um ano dedicado a ouvir, mas 2007 é o ano de decisão e, portanto, os radiodifusores devem escolher bem as palavras, para descrever e definir a radiodifusão, a fim de levá-la para o futuro. O presidente da NAB pediu que, assim como a radiodifusão se reinventa tecnologicamente, o radiodifusor precisa utilizar o melhor do passado para redefinir o futuro e, deste modo, reinventar sua identidade, rumo ao progresso.

YouTube e o mercado de TV pela Internet
A batalha da Viacom contra o YouTube, através de uma ação por infração de direitos autorais, pareceu intimidar o gigante Google que, durante a NAB 2007, anunciou que sua mais recente aquisição terá, em breve, uma ferramenta eficiente para a filtragem de vídeos protegidos.
Seguindo essa tendência de legalização do mercado de TV pela Internet, a febre YouTube terá dois novos concorrentes, o Joost, anunciado pelo dinamarquês Janus Friis e o sueco Niklas Zennström, fundadores do Kazaa e do Skype e o Jalipo, lançado com o apoio de sócios que incluem a BBC World e a Al Jazeera English e presidido por Chris Deering, ex-presidente da Sony Europe. O Joost possibilita a transmissão de conteúdo de grandes emissoras de TV pela Internet, de forma eficiente e podendo ser acessado a qualquer hora, respeitando os direitos autorais. O Jalipo também não é focado em conteúdo gerado pelo usuário, mantém todos os direitos autorais preservados e promete gerar receita aos sócios, pois, para assistir aos vídeos, o usuário terá que pagar.
O site YouTube representou a aceitação da produção e aquisição de vídeos amadores e sua ascensão chamou a atenção da indústria para a melhoria dos sistemas de compressão, pois, segundo especialistas, consumidores de vídeo pela Internet esperam assistir, em breve, imagens com qualidade superior. Além disso, companhias internacionais estão adaptando-se ao meio, para garantir a satisfação de produtores, com a transmissão de imagens com mais qualidade.

Novas oportunidades com IPTV
Representando uma nova oportunidade de negócios para o mundo das comunicações visuais, assim como foi para as telecomunicações, com a tecnologia de voz sobre IP (VoIP), o protocolo IP tem movimentado grandes empresas de software e de soluções de serviços ao redor do mundo, que buscam fornecer tecnologia e soluções IPTV.
Essa busca do mercado leva em consideração que a transmissão aberta de sinal de televisão IPTV, tem a característica de consumir apenas 20% do espectro de freqüência, além de transmitir imagens, com qualidade, para qualquer parte do planeta e permitir, em breve, a transmissão de imagens de alta definição via web, desde que se utilize a velocidade adequada ou a banda larga exigida. Outro ponto importante para o mercado é a possibilidade de transmissão de IPTV através de linha telefônica. Este fato tem atraído o interesse das concessionárias de telefonia, que querem garantir seu pedaço nas transmissões de TV. Por outro lado, para que o IPTV se torne uma realidade mundial, é necessária a universalização da banda larga, além de legislação e apoio regulatório.

Surround Sound para rádio
Este é um dos temas quentes do mundo do áudio. Como o Surround Sound já é uma realidade em sistemas de home theater e em crescente adesão em sistemas high-end para carros, tornou-se comum radiodifusores oferecerem mais que two-channel stereo.
O sistema de decodificação de áudio Neural, trabalha com vários rótulos de registro, para codificar som surround rádio 5.1, para o formato Audio CD, para uso da radiodifusão. Os receptores capazes de codificar o sistema Neural, podem transmitir sinais analógicos, sinais em alta definição e até mesmo Webcast. Isto representa uma oportunidade para os profissionais de engenharia de rádio, que poderão enxergar os desafios da indústria.

A TV sai da sala
Quando os consumidores começaram a querer acessar conteúdo de vídeo em dispositivos móveis, em qualquer lugar e a qualquer hora, a indústria remodelou-se para seguir essa tendência.
As tecnologias evoluíram e o consumidor vislumbra a possibilidade de acesso à sua própria programação, aonde quer que esteja. Tecnologias como o Slingbox, da Sling Media, podem beneficiar os radiodifusores, pois, ao transformar computadores em televisão, o dispositivo aumenta, consideravelmente, a audiência.
Além disso, um novo serviço de vídeo compartilhado, chamado Clip+Sling, oferecerá às redes de TV mais oportunidades de vender anúncios e reforçar suas marcas, através da transmissão de conteúdo na tela do computador.
Provedores de conteúdo protegidos estão preocupados com as perdas financeiras e representam ameaças legais contra o DVR e o Slingbox , portanto, deve-se chamar a atenção para os cuidados com a questão dos direitos autorais.

Novas tecnologias – Velhos interesses
Operações de entrega de áudio sobre IP tradicionais estão perdendo espaço para novas ferramentas capazes de dobrar o tempo e a qualidade do áudio.
Hiroyuki Segi, da NHK Science and Technical Research Laboratories, falou que a NHK desenvolveu um sintetizador de fala automatizado, que imita padrões humanos naturais. Segi disse que a compilação de elementos gravados é difícil e registrar todas as combinações de possíveis padrões de expressão vocal com antecedência é impossível, pois existem muitas limitações. No entanto, a fala sintetizada, que aproxima o som natural da coisa real, poderá ser criada, através da modelagem dos efeitos de co-articulação no processo do waveform. Além disso, aplicando a conversão automática de taxa de fala, o programa de sintetização permite ser precisamente ajustado para a radiodifusão.

Ultra-HD
High Definition continua sendo muito discutido, com muita propriedade por sinal, mas sem muita ênfase. Os entusiasmos estavam mais dirigidos aos softwares dedicados ao broadcast e aos prazos definidos para o Analogue Shut-Off (desligamento definitivo do sinal análogico) nos Estados Unidos e Europa, que aos equipamentos.
O Sistema de Televisão de Ultra-Alta Definição, apresentado pela NHK Science e Technical Research Laboratories, com definição de 7680×4320, 16 vezes mais nítido que o HDTV, mostrou-se como tecnologia inovadora e que dirigirá a evolução da forma de se assistir TV. O som multicanal de 24 canais (22.2) é o mais realista e envolvente já produzido pela tecnologia de áudio.
A NHK está desenvolvendo tecnologias para câmeras de alta velocidade e sensibilidade, como, por exemplo, câmeras HDTV que operam com um milhão de fps, para uso noturno e para transmissões de emergência. Estas câmeras oferecerão 100 vezes a sensibilidade de uma câmera convencional CCD. As câmeras e as exposições em Ultra-HD exigirão 32 milhões de pixels e a NHK está desenvolvendo suas especificações.
As imagens em tecnologia Ultra-HD poderão ser facilmente convertidas para HDTV, SDTV e imagens de baixa-definição, para exploração da tecnologia móvel.

Competição na era digital
Durante as apresentações, Christine DiStadio, vice-presidente de marke­t­­ing e novas mídias do grupo New York Times, discutiu idéias de money-making com soluções multicasting e multiplataforma.
DiStadio informou que enquanto as estações locais ainda estão progredindo na adaptação para a era digital, o conteúdo através das plataformas não será suficiente para competir com mídias como o Yahoo e Google.
O consumo do conteúdo através de diferentes plataformas difere por geração, relevância e utilidade. Num mundo multi-screen, uma estratégia consistente, torna-se crítica para todas as plataformas: rádio, Internet, canais digitais, dispositivos móveis e outras tecnologias emergentes, portanto, os radiodifusores devem reconhecer que modelos de anúncios tradicionais estão evoluindo, para atender ao público alvo.

NAB2007
CEO do Google descreve o futuro
Eric Schmidt, CEO do Google, empresa proprietária do fenômeno social YouTube, esteve presente na NAB2007. Denominado por seus colegas como um homem com habilidades para mudar o mundo, Schmidt prefere descrever seu papel como o de uma pessoa que se adapta às mudanças.
Responsável por decidir quais serão os próximos passos do Google no mercado, Schmidt afirma que em cinco anos, o mundo terá telefones móveis com 10 vezes mais capacidade e que o Google e as ferramentas da Internet são o boom da indústria de transmissão. Segundo ele, o Google segue a política das parcerias, em que a Internet e os radiodifusores podem expandir-se no mercado, através de publicidade.
Quando se fala em direitos autorais, Schmidt explica que empresas que colocam conteúdo no YouTube, mantêm a posse do direito autoral, porém, correm o risco de perder o controle na fiscalização.
Para Schimidt, o mundo está sendo dirigido para novos usuários, que querem colocar conteúdo em seus telefones móveis, iPods e MP3 Players, moldando um novo mercado. É por isso que as tecnologias empregadas pelo Google especializam-se em encontrar, ou tornar fácil de encontrar esses conteúdos.
Aproximadamente 27 mil estrangeiros estiveram na NAB.

A evolução das tecnologias

por Paulo R. M. Canno – Diretor de tecnologia da Rede Gazeta – ES
Pudemos assistir a apresentações realmente impactantes. Destaquei algumas, dignas de nota, nem todas, porém, pelo brilhantismo.

O gigante Google
David Eun, Google´s VP of Content Partnership, deixou muito claro o motivo do sucesso da mega corporação, que decorre de uma combinação explosiva de extraordinária visão de negócios, extrema ousadia, principalmente no conteúdo da missão, e muita competência na estratégia de pesquisa e distribuição de conteúdo.
Muito em função dessa última competência, o executivo sinalizou, com muita clareza, a disposição do Google em realizar parcerias com as empresas geradoras de conteúdo de mídia eletrônica, visando comercializá-lo através do referido portal. Face ao gigantismo da operação do Google, como também pela sua onipresença, não parece ser uma decisão sábia, por parte dos geradores de conteúdo, virar as costas a esse Golias da Web.

NAB2007
Empresas orientavam sobre a utilização de seus produtos.

ATSC com mobilidade
Impactante, porém, não pelo brilhantismo, foi a apresentação dos melhoramentos a serem introduzidos no sistema americano ATSC, pela Samsung e, também, pela Zenith, visando a mobilidade.
Para nós brasileiros, que operaremos um sistema (ISDTV) que já foi concebido, desde o início, com o recurso da mobilidade, as abordagens para adequação do ATSC nos soam um tanto quanto insólitas, pois sacrifica parte da banda disponível para o conteúdo, em detrimento da necessidade de espaço para os artifícios que tornam possível a mobilidade.
Além disso, falaram em preservação do legado, isto é, todas as implementações não deverão prejudicar a recepção nos, relativamente, poucos aparelhos de TV digital já vendidos nos EUA.
Essas apresentações deixaram a impressão de que os artifícios a serem introduzidos no ATSC, para permitir a mobilidade, constituem-se, na verdade, de um arranjo um tanto quanto precário.
Ficou, também, mais claro do que nunca, que a engenharia de televisão do Brasil, indicou e sempre apoiou, a melhor alternativa de todas, em relação ao sistema de TV digital.
Esses fatos, ao mesmo tempo em que nos causam perplexidade, inevitavelmente, nos remetem a algumas reflexões, do tipo:
• Como um País tão avançado tecnológica e estrategicamente, como os Estados Unidos, só agora se deu conta da importância da mobilidade, para a TV digital?
• O que se esperar em relação ao sucesso da mobilidade no ATSC, quando se constata que, além das dificuldades de base, há ainda o engessamento das implementações técnicas, imposta pelo legado dos poucos receptores, já vendidos?

Surround Radio
Com o som surround embarcado na TV digital, é natural que se pense, também, no rádio digital com som surround.
Além disso, parte apreciável da audiência de rádio acontece nos veículos, cujo interior é bastante adequado para se desfrutar da sensação de ambiência proporcionada pelo som surround.
Dentre as conferências de Broadcast Engineering, uma delas tratava esse tema, sendo que, em alguns painéis, foram mostradas algumas experiências de irradiação já realizadas.
Por ora, resume-se a duas ou três estações que se propõem a realizar tais transmissões.
A principal dificuldade é a escassez de conteúdo surround gravado, para ser irradiado, conforme afirmou-me um dos palestrantes, Alex Kosiorek, Director of Audio Services, Cleveland Institute of Music.
Dessa forma, a maioria das transmissões ocorre com apresentações ao vivo de orquestras sinfônicas, como também de eventos esportivos.
No entanto, a iniciativa parece ter futuro. As próximas NABs nos mostrarão a evolução da tecnologia.

O ambiente da exposição

Camcorder Sony com cartão de memória
Digna de nota foi a demonstração da Sony, ainda em protótipo, da camcorder HDV para cinema de baixo custo, com 3 dispositivos (ainda a se decidir se CCD ou CMOS) de captação e armazenamento em cartão de memória PCExpress, de 8, 16 e 32 GB. Dessa forma, a Sony, que não falava do assunto nas NABs anteriores, focando com vigor sua plataforma XDCAM baseada no Blue Ray DVD, como mídia de armazenamento, sinaliza para o mercado que, daqui para frente, passa a considerar, também, essa mídia. Afirma, no entanto, que como dos outros lançamentos, espera a evolução da tecnologia e melhor relação custo/benefício para sua introdução em outros produtos.
NAB2007
Tecnologias apresentadas focaram o HD.

A era dos monitores LCD
Quem passou pelo estande da Sony também percebeu que a era dos monitores de tubo chegou ao fim. A empresa não mais produzirá tais monitores, tendo substituído toda sua linha por displays LCD, mesmo aqueles da série BVM, tidos como monitores de avaliação.

Fusões, aquisições e parcerias
No ambiente da exibição de equipamentos notou-se, ainda, o efeito das fusões e aquisições de empresas. Várias delas, que nos anos anteriores tinham seu espaço próprio, já compartilhavam o estande da compradora nessa NAB 2007. Percebeu-se que a busca pela oferta de soluções completas ao cliente, foi a premissa básica que norteou a estratégia dessas fusões e aquisições.
A Harris, com as aquisições da Leicht, Videotek, Inscriber e Encoda, é um exemplo típico.
É de se esperar que essas operações tenham continuidade nos próximos anos.
Pelo lado do cliente, a compra de uma solução completa tem a vantagem de se ter apenas um fornecedor que, em tese, deve responder pelo bom funcionamento de todo o sistema, ao invés de vários fornecedores, onde cada um é responsável por uma parte dele. Nesse caso, quando temos problema nas interfaces, fica complicado atribuir responsabilidades na busca da solução do problema.

A opção pelo HDTV
por João Braz – Diretor Geral de Operações da TV Anhanguera

A NAB 2007 foi palco do estado da arte em tecnologia para o HDTV. Muitos fabricantes oferecendo novas opções de câmeras a transmissores, para todos os gostos e de acordo com a realidade mercadológica de cada emissora.
A Sony aderiu a mídia em memory card, em aberta concorrência com a Panasonic, que já trabalha com este sistema há três anos e promete menor custo e maior velocidade de transmissão de dados (áudio e vídeo).
A Canon, com toda sua linha de lentes para câmeras HDTV, deixa a performance de fabricante de câmera, pela qualidade eletrônica de seus sensores e CCD’s. Uma grande semelhança entre os switcher’s, diferenciando, apenas, na quantidade de Key’s, que o cliente precisa dentro das dimensões de sua produção local. No telejornalismo, alguns fabricantes melhoraram o que já tinham, como é o caso da Avid, com um workflow completo e bastante ágil, independente do volume das estações, que fica a critério do cliente. Na área de grafismo, os novos geradores de caracteres, em sua maioria trabalhando em tempo real e acoplados a switcher’s control (master) inteligentes, pouparão tempo na reutilização de gráficos, sendo necessária apenas a troca da base, onde gráficos e caracteres entram como layer’s totalmente independentes.

O conceito de asset management (arquivo) está impregnado na maioria das grandes companhias, oferecendo a quantidade de Terabits na dimensão de horas já produzidas e a produzir. Tudo funcionando em rede e com muita agilidade, principalmente na busca dos arquivos necessários para a produção de matérias jornalísticas. O áudio na TV de alta definição tem valor tão expressivo quanto o vídeo. Microfones e mesas de mixer’s demonstraram excelente performance, com mesas modulares de 12 a 68 canais, com qualidade 5.1. Em matéria de iluminação, a luz fria foi a mais contemplada nos estandes de demonstração de câmeras, pois consomem menos energia e atendem melhor ao controle dos dimers, suavizando as imagens de primeiro plano e contemplado a cenografia do ambiente.
Concluindo, será difícil os radiodifusores não optarem pelo HDTV, pois a diferença de preço para o SD diminuiu muito no último ano e, numa negociação que envolve toda a cadeia de equipamentos e periféricos digitais, os preços poderão não ser o grande empecilho de investimento pois, conhecendo o povo brasileiro, temos a certeza que a TV ABERTA, com alta qualidade, fechará as portas para novos entrantes e barrará, em parte, uma possível concorrência com as telco, já que bastará a compra do set-top box, num primeiro momento, e o receptor de HDTV como presente do dia das mães de 2008, ou de natal, para a alegria geral da família.
NAB2007
Tecnologias para utilização na era digital.