• PT
  • EN
  • ES

Loudness : Oportunidade para solucionar o problema de variações de volume de áudio

ARTIGO – LOUDNESS

Loudness : Oportunidade para solucionar o problema de variações de volume de áudio

Por Luiz Fausto de Souza Brito e Alexandre Yoshida Sano

Problema
Muitos de vocês já devem ter notado, eventualmente, variações de volume de áudio dentro da programação de uma mesma emissora. Ainda com maior freqüência as variações são notadas quando você troca de um canal para o outro. Estes problemas não são exclusivos do serviço de radiodifusão (mais especificamente televisão) no Brasil, mas estão presentes em grande parte do mundo.

Atualmente existe uma grande variedade de gêneros de programas produzidos e exibidos pelas emissoras, tais como, jornalismo, auditório, variedade, talk show, novelas, filmes, séries, humor, infantil, game show, musical, reality show, esportivo, religioso, dentre outros. Os gêneros de programa buscam atender as necessidades do grande público ou de um público específico. Sendo assim, os programas possuem características distintas para atender a necessidade de cada telespectador. Enquanto em um filme de suspense as variações bruscas de volume de áudio são essenciais, em um programa de entrevistas as variações quase não existem.

Outra situação que agrava o problema das variações de volume de áudio é a exibição de comerciais e chamadas de programas. Estas ações têm por objetivo promover algo, em um curto espaço de tempo (15 ou 30 segundos). Desta forma, as ações buscam causar algum impacto no telespectador para que a atenção seja voltada para o anúncio.

Sistemas de medição tradicionais
Amplamente utilizado para ajuste de níveis de áudio nas operações e distribuições das emissoras, o medidor de VU (Volume Unit) foi um desenvolvimento do trabalho conjunto da Bell Labs, NBC e CBS em meados de 1939. O medidor de VU não indica os picos, uma vez que foi projetado para indicar os níveis médios, além de não diferenciar a medição das freqüências graves e agudas. O medidor indica 0 VU quando mede uma senóide com frequência de 1 kHz a +4 dBu. Outra característica do medidor de VU é que a sua resposta é relativamente lenta, ocorrendo uma deflexão de 99% da escala em 300ms (tempo de subida ou descida do medidor).

Outro medidor amplamente utilizado para ajuste de níveis de áudio nas operações das emissoras é o PPM (Peak Program Meter) digital. Este foi desenvolvido para medir os picos de um sinal de áudio e é utilizado para ajustar o limite máximo. Sua escala varia de -60 a 0 dBFS (dB relativo ao fundo de escala digital), onde -20 dBFS corresponde ao 0 dBVU (+4 dBu) e exibe o valor da maior amostra de áudio dos últimos milisegundos.

Contudo, nenhum dos métodos de medição de áudio tradicional representa de maneira fiel a percepção humana de intensidade sonora.

Padrões e recomendações internacionais
A percepção subjetiva de intensidade sonora é conhecida como loudness. Em 2006, a ITU publicou uma recomendação (ITU-R BS.1770) que trata sobre a medição objetiva de loudness de programas de áudio. O algoritmo proposto apresentou 98% de correlação entre a avaliação objetiva resultante e a avaliação subjetiva (por dezenas de pessoas) de centenas de amostras de programas e comerciais de rádio e televisão, em diversos idiomas. Desde 2006 diversos medidores e processadores de loudness têm sido fabricados baseados nesta recomendação.

Em 2009, a ATSC publicou uma recomendação (ATSC A/85), em que orientava para que os programas tivessem o nível ajustado (através de metadados ou aplicando ganho ou atenuação) para a normalização do loudness, medido de acordo com a ITU-R BS.1770. Poderia ser medido o programa inteiro ou apenas um trecho representativo (ex: diálogo em nível “normal”). A aplicação dessa recomendação técnica tornou-se obrigatória através de uma lei conhecida como CALM Act (Commercial Advertisement Loudness Mitigation Act).

No IBC 2010, a EBU publicou uma recomendação (EBU R 128), baseada na ITU-R BS.1770, que trata sobre a normalização do loudness e estende as funcionalidades dos medidores de loudness. Os primeiros medidores compatíveis ainda estão sendo lançados. Essa recomendação orienta que o nível de Loudness do Programa seja normalizado entre todos os programas e comerciais de todas as emissoras para um nível comum (-23 LUFS, onde LUFS é a unidade de medida de loudness). A medida de Loudness do Programa é um valor médio considerando toda a duração do programa, e utiliza uma função de gating automático para desconsiderar silêncios e sons de segundo plano. Essa recomendação também introduz um descritor para caracterizar a variação estatística do loudness ao longo do programa, a Faixa de Loudness. Esse descritor pode ser utilizado, por exemplo, para verificar se um programa possui uma faixa dinâmica aceitável para o ambiente doméstico de reprodução sonora ou se será necessário utilizar algum processamento para reduzir a Faixa de Loudness.

No Brasil
Em 09 de maio de 2001 foi sancionada, pelo Presidente da República, a lei n°10.222 que dispõe sobre a padronização dos sinais de áudio das emissoras de rádio e televisão, de modo que não haja elevação injustificável de volume nos intervalos comerciais. De acordo com a lei, o Poder Executivo deveria criar mecanismos para normalização técnica e metodologia de fiscalização. O descumprimento da lei sujeitará o infrator à pena de suspensão da atividade pelo prazo de 30 dias e 90 dias em caso de reincidência. Desde então, a lei não foi regulamentada e desta forma não existem parâmetros para que as emissoras sejam fiscalizadas.

Na Diretoria de Tecnologia da SET foi criado um Grupo de Trabalho de Loudness da SET, para estudar e acompanhar a evolução deste tema no mundo. O grupo conta com a participação das principais emissoras cabeças-de-rede e tem por objetivo minimizar as variações de volume em sua programação e entre as demais emissoras. Além disso, o grupo tem como função auxiliar o Governo na elaboração da regulamentação da lei.

Os estudos preliminares do grupo apontam para uma recomendação brasileira baseada na EBU R 128, com algumas considerações adicionais, tais como ajustar o loudness por bloco de programa, ao invés do programa inteiro (para aumentar a consistência dos resultados), além de sugerir um limite superior para a Faixa de Loudness, a fim de limitar as potenciais variações de nível no instante das transições entre programas e comerciais, principal objeto da reclamação dos ouvintes/telespectadores. Estudos científicos sobre a tolerância subjetiva a variações de nível na transição entre programas e comerciais, realizados pela Dolby e pela TC Electronic, podem fornecer subsídio para a escolha de tal limite. Mais alguns estudos e testes serão realizados pelo grupo para que se chegue a uma recomendação definitiva.

Luiz Fausto é engenheiro da TV Globo Rio e Coordenador do Grupo de Trabalho de Loudness da SET. e-mail: luiz.fausto@tvglobo.com.br
Alexandre Sano – Gestor Técnico Operacional do SBT e Vice Diretor de Tecnologia da SET. e-mail: alexandresano@sbt.com.br