• PT
  • EN
  • ES

Harmonia: nota 10

No samba-enredo criado pelo Grupo de Trabalho Conjunto Brasil- Japão, o GTC, a fim de permitir a digitalização da TV brasileira, a harmonia é nota 10: no quinto encontro, realizado em dezembro, em Brasília, saiu a harmonização internacional das normas do ISDB-T. “Por meio dela, a indústria passará a dispor de documentos que contemplam os conceitos básicos das normas brasileiras e japonesas, com ênfase nos pontos comuns do ISDB-T Internacional”, observa Ana Eliza Faria e Silva, coordenadora do módulo técnico do Fórum SBTVD (Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre).

Com a publicação dos documentos, ao invés de se falar de uma norma japonesa, ou brasileira, se passará a falar de uma norma internacional. “A harmonização é isso”, diz Ana Eliza.

A harmonização vai dizer aos vizinhos da América Latina que o ISDB-T, embora com adaptações, é um padrão único e não deixa esse samba atravessar: quem examinar a documentação poderá optar por uma ou outra variante e certamente vai encontrar aquela que melhor atenda às suas expectativas.

“Acordamos que a publicação deve ser rápida, em livro e na internet, mas ainda estamos fazendo a parte final de revisão do documento atendendo ao rígido padrão de qualidade da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), do Fórum SBTVD e da ARIB (Associação das Indústrias e Negócios de Rádio, do Japão). Ninguém quer erro no documento”, afirma Ana Eliza.

A harmonização é uma grande conquista para o Brasil porque dá uma projeção maior ao seu padrão; e para os fabricantes de ambos os países, tanto de produtos de recepção quanto de transmissão, porque ve quais são os aspectos comuns e diferentes. “Aos países que vão adotar o ISDB-T ela dá uma maior segurança. Ao longo dos últimos dois anos trabalhamos no módulo técnico para publicar 17 normas, uma documentação que tem hoje mais de 3.000 páginas e a participação de 160 especialistas. As atividades já somam 2.000 homens/hora apenas nas reuniões presenciais. Então, para quem vai adotar a mesma base tecnológica, é um presente, uma receita pronta”, diz Ana Eliza.

O GTC é composto por representantes dos governos brasileiro e japonês e também por membros do Fórum SBTVD.

Revista da SET- ed. 105