• PT
  • EN
  • ES

Governo realiza leilão de 4G

Claro, TIM e Vivo arrematam três primeiros lotes por um valor de 5.85 bilhões de reais.

Oleilão foi realizado em Brasília, na manhã de dia 30 de setembro de 2014. O primeiro dos seis lotes de telefonia de 4G/LTE na faixa de 700 MHz foi arrematado pela operadora Claro, com uma proposta de R$ 1,947 bilhão. O valor apresentado pela empresa representa ágio de praticamente 1% ante os R$ 1,927 bilhão, definido como preço mínimo da outorga para cada um dos três lotes nacionais. O segundo lote ficou com a TIM por praticamente o mesmo valor da Claro. O terceiro lote foi arrematado pela Vivo, pelo preço mínimo de outorga.
Dos seis lotes, três têm abrangência nacional. O quarto lote abrange todo o território nacional, menos as áreas destinadas aos lotes 5 (87 municípios de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e São Paulo) e 6 (municípios de Londrina e Tamarana, no Paraná).
TIM, Claro, Telefônica (Vivo) e Algar Telecom entregaram propostas para disputar quatro lotes nacionais de 10 MHz cada e dois regionais. No entanto, a Algar Telecom não participou da disputa destes três primeiros lotes por não ter apresentado garantia de proposta.
Para o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o leilão impulsionará a expansão da tecnologia 4G, já que esta frequência exige a instalação de menos antenas, o que ajudará as companhias telefônicas a oferecer internet de alta velocidade em cidades do interior, principalmente nas localidades de 30 mil a 50 mil habitantes. “Consolidamos a possibilidade de massificar o 4G no Brasil. O serviço será o grande motor para universalizar a internet de alta velocidade. Nos municípios de menos de 50 mil habitantes, uma empresa poderá operar antena conectada a uma linha de fibra óptica e vender o sinal 4G. Isso exige menos investimentos em estrutura física”, explicou o ministro.
Paulo Bernardo considerou o leilão um sucesso, apesar de dois dos seis lotes ofertados não terem sido arrematados, e de uma empresa, a Oi, não ter participado. “Já era esperado que não fossem vendidos todos os lotes depois da desistência da Oi. Temos de pensar que, em pleno momento de turbulências no mercado financeiro, quatro empresas estarem apostando e investindo no país é considerável”, declarou.