• PT
  • EN
  • ES

Futurecom – Fórum realça sucesso do Modelo Nacional

*Por Raphael Bontempo

Realizada entre os dias 13 e 16 de outubro, no Transamérica Expo Center, a 11ª edição do Futurecom, um dos maiores eventos em negócios de telecomunicações da América Latina, foi palco o sistema brasileiro para transmissão digital, ISDB-TB, que esteve no centro das discussões. O secretário de Telecomunicações Roberto Pinto Martins falou sobre as expectativas do Ministério quanto à TV digital brasileira. “Levar o padrão brasileiro para países vizinhos e as tecnologias utilizadas na radiodifusão, como também importantes aplicativos que estão surgindo com a convergência de mídias, nos traz grande repercussão internacional”, comemora Martins.
O representante do ministério lembrou das desconfianças quanto à adoção de um padrão único de TV digital na América do Sul, que era tida como um delírio, mas que hoje se tornou real. “Isso se deve ao processo que o Brasil atravessou, com o fortalecimento da TV aberta, a transmissão por ondas eletromagnéticas que nos proporciona a melhor portabilidade. Somado a isso, a transição dos próprios aparelhos de recepção. Os 60 anos de terminais por tubo foram substituídos rapidamente pela recepção em tela plana”. Martins também destacou o sucesso do ISDB-TB ao afirmar que os países, ao aderirem ao sistema, se transformam em divulgadores da tecnologia brasileira.

Interatividade inteligente
Com ampla experiência em convergência e telecomunicações, o argentino Ariel Barlaro, editor da NexTV Latam, contou que na Argentina, a tônica do assunto está focada nos impactos que a digitalização vai gerar na TV móvel. Frederico Nogueira, atual presidente do Fórum SBTVD, elogiou a capacidade do sistema nacional. “Eficiência limpa e de sucesso, mostrando sua idoneidade em pouco tempo”. Nogueira ressalta que o modelo brasileiro conta com uma estrutura sofisticada, aliada a uma tecnologia que leva em conta a renda da população e propõe baixos custos e destaca aquilo que chama de ‘interatividade inteligente’. “No padrão one-seg, o sinal não é direcionado para as Telecomunicações. Ele afeta diretamente os dispositivos móveis”. Como desafios, ele sugere que a TV por assinatura estude uma aproximação com o ISDB-TB.
estude uma aproximação com o ISDB-TB. A presidente da SET, Liliana Nakonechnyj, enfatizou o papel da associação na valorização dos profissionais do setor. Ela reforçou que o ISDB-TB oferece uma transmissão móvel sem perda de HD; além de ser gratuito porque o sinal é propagado pelo ar. E enalteceu a ambição do Fórum em levar o sinal digital gratuitamente para toda a América Latina.

Outros continentes
A presidente da SET comentou a possibilidade de outros continentes adotarem o padrão digital brasileiro, porque há países na Ásia e na África que não decidiram pelo sistema e estudam a hipótese. “Algumas nações já optaram pelo nosso padrão, uma vez que nossos transmissores são fabricados por empresas mundiais. Implantar uma infraestrutura de transmissão é muito fácil. Hoje a Harris, a Rhode & Swartz, fabricantes mundiais, produzem com tecnologia para ISDB-TB”.
Liliana também ratificou as características que conferem vantagem ao sistema nacional em relação aos demais. “É o mais avançado que existe hoje para TV digital. É o que conta com as tecnologias mais modernas, que permite a melhor qualidade de imagem, que permite enviar gratuitamente imagens ao telespectador em movimento. É um sistema avançadíssimo, o melhor que está disponível no mundo inteiro. Porque o modelo europeu que vai ser lançado não privilegia o movimento junto com a alta definição”.
No final do congresso, o diretor de int e r a t i v i d a d e da SET, David Britto, por ser um dos responsáveis pela implantação do middleware Ginga no mercado, lembrou que a interatividade foi um processo mais complexo quanto à análise da tecnologia. A exemplo de Liliana, ele também considera o padrão brasileiro “o melhor do mundo”. Britto disse que nosso sinal digital é robusto. Para exemplificar lembrou episódio no qual pessoas receberam pelo celular, durante um voo a oito mil metros de altura, uma transmissão HD. “O sinal chega em velocidade por condutores de radiodifusão e não por canais compartilhados”, explica.

Banda larga Popular
No dia 15, o evento foi um pouco mais concorrido ao receber 6.793 pessoas. O governador de São Paulo, José Serra, anunciou um plano que minimiza o custo do acesso à internet banda larga no estado – Programa Banda Larga Popular. Ele prevê isenção de ICMS cobrado sobre o serviço em São Paulo. Andrew Lees, vice-presidente da Microsoft, apresentou inovações da empresa sobre o Windows Phone e a nova versão do vídeo-game Xbox 360. Os presidentes das operadoras Vivo, Roberto Oliveira de Lima; da Oi, Luiz Eduardo Falco Pires Correa e da Embratel, José Formoso Martinez, também participaram de um painel Premium sobre telefonia.
No último dia do evento o programa de entrevistas Roda Viva, da TV Cultura, ganhou espaço especial. O âncora Heródoto Barbeiro entrevistou Jon “maddog” Hall, o “guru” do Linux e presidente da Linux International, órgão que visa promover softwares de código aberto. Ao todo, o evento contou com 12.804 participantes, sendo 8.869 referentes ao Business Trade Show e 3.935 ao Seminário Internacional; deste último, havia 350 palestrantes, sendo 65 internacionais e 385 nacionais. Entre os congressistas, 3.479 eram nacionais e 456 internacionais.

Evento recebe presidentes
O Futurecom contou com a presença maciça de empresas do mundo inteiro. Ao todo foram 243 expositores de 37 países. Somente a cerimônia da abertura reuniu quase 2.000 pessoas no local. A solenidade de abertura reuniu autoridades públicas e dirigentes do setor de Telecomunicações e TI. A jovem soprano Paula Eduarda, de 11 anos, interpretou o Hino Nacional, o clássico de João Gilberto “Aquarela do Brasil”, além de “Cidade Maravilhosa”. Foi no dia 14 que o ecossistema de negócios e tecnologia teve maior impulso com a participação de 6.337 pessoas do Brasil e do exterior.
Estiveram presente ao evento executivos de peso como os presidentes do Grupo Telefônica, Antônio Carlos Valente da Silva; da Portugal Telecom, Zeinal Bava; da TIM, Luca Luciani, e da Claro, João Cox. Eles participaram do painel premium “O Cenário Global das Comunicações e as Transformações no Mundo Dos Negócios”. Nesse mesmo dia, o Futurecom recebeu a visita do presidente da Linux International, Jon “maddog” Hall, que percorre o mundo em defesa dos softwares livres. Jeffrey Cole, representante da USC Annemberg School of Communications, e o representante do Metro Ethernet Forum, Kevin Vachon, também estiveram presentes.
Raphael é repórter da Revista da SET.
Revista da SET – ANO XXI – N.110 – OUT/NOV – 2009