• PT
  • EN
  • ES

Fórum SBTVD

* Maurício Kakassu
Revista da SET – ed.107

Um sucesso. É assim que pode ser definida a participação do Fórum SBTVD na NAB 2009, realizada entre os dias 20 e 23 de abril, em Las Vegas. Devido à solicitação de testes em países que ainda não adotaram um padrão de TV digital, o foco do Fórum SBTVD para a última edição da NAB foi a divulgação internacional do padrão ISDB-T e a apresentação dos grandes diferenciais do sistema, por meio de demonstrações reais de interatividade e a versatilidade da transmissão do sinal one-seg para dispositivos portáteis dentro do mesmo espectro.

Desta forma, o estande contou com a importante participação da ARIB (Association of Radio Industries and Businesses) e do Dibeg (Digital Broadcasting Experts Group), entidades japonesas que trabalham em parceria com o Fórum SBTVD para a harmonização e promoção internacional do ISDB-T.

O ISDB-T realizou a transmissão e recepção do sinal no pavilhão da NAB, o que contribuiu para despertar o interesse do público e confirmar que interatividade e mobilidade são duas características amadurecidas no padrão brasileiro que ainda não estão disponíveis – no mesmo grau de desenvolvimento – nos demais padrões.

Outro ponto muito importante foi a apresentação do documento de harmonização das normas brasileiras e japonesas do ISDBT, necessário para a criação da norma internacional do padrão nipo-brasileiro. A importância da norma internacional para o ISDBT reside no fato de assegurar que a indústria possua uma norma que contemple as diferenças entre as versões japonesa (ISDB-T “puro”) e brasileira (ISDB-TB). O benefício prático é a possibilidade de que os equipamentos sejam fabricados indistintamente para qualquer versão do ISDB-T, aumentando a escala e, consequentemente, reduzindo os custos de manufatura dos equipamentos de recepção fixa e móvel, ponto relevante para a adoção do padrão por outros países.

Participaram do estande do Fórum as empresas EiTV! (playouts e aplicativos de interatividade), MOPA (playouts e aplicativos de interatividade), TQTVD (aplicativos de interatividade), Trans-tel Conti (antenas de transmissão) e Universidade Federal da Paraíba (aplicativos de interatividade).

Boa impressão
O estande teve um grande número de visitantes, interessados em conhecer os equipamentos portáteis para TV digital e as demonstrações reais de interatividade realizadas pelas empresas participantes, além de representantes oficiais de diversos países que ainda não adotaram um padrão de TV digital. Apesar dos diferentes perfis de visitantes no estande, a opinião era única: a boa impressão causada pela mobilidade e interatividade proporcionada pelo sistema, que foi adequado para a realidade brasileira e é semelhante àquela dos países que pretendem implantar a TV digital para sua população. O último dia do evento foi marcado por dois acontecimentos muito positivos para o padrão nipo-brasileiro: a visita de representantes do governo filipino e a escolha do padrão pelo governo peruano, fechando, de maneira muito positiva, a participação do ISDB-T na última edição da NAB. A promoção do ISDB-T na NAB 2009 foi viabilizada por meio do Projeto Setorial Integrado (PSI) Eletroeletrônicos Brasil, coordenado pelo Sindvel (Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica) em parceria com a APEX (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos).

Agradecimentos
ANATEL – AOC – APEX – Linear – Positivo Informática – Proview – Samsung – Semp Toshiba – SET – Sindvel

‘*Superintendente do Fórun
* Carlos Henrique Ferreira

As pequenas e médias empresas brasileiras especializadas em tecnologia para radiodifusão estão conseguindo lugar de destaque no cenário internacional. Prova disso foi o resultado que as empresas mineiras do Vale da Eletrônica de Santa Rita do Sapucaí obtiveram no pavilhão brasileiro da NAB Show 2009, a maior feira de mídia eletrônica do mundo, que aconteceu entre 20 e 23 de abril, em Las Vegas (EUA). As 16 empresas do Arranjo Produtivo Local (APL) de nossa cidade concretizaram mais de US$ 500 mil em negócios imediatos com México, Argentina, Brasil, Chile, Venezuela e Itália. Esperamos ainda que o evento gere mais de US$ 18 milhões ao longo de um ano, quase 160% a mais do volume de transações realizadas após a edição de 2008, que rendeu US$ 7 milhões.

Também podemos mensurar o sucesso do Pavilhão Brasileiro – promovido pelo Projeto Setorial Integrado (PSI) Eletroeletrônico Brasil, coordenado pelo Sindvel (Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica) em parceria com a APEX-Brasil – pela marca de 917 contatos realizados com empresas do Afeganistão, Itália, Peru, Chile, México, Paquistão, Índia, Macedônia, Equador, Brasil, Colômbia, Argentina, EUA, Venezuela, Bolívia, Panamá, El Salvador, Nigéria, Japão, Coréia, China, Espanha, Canadá, Angola, França, Paraguai e Alemanha.

O mercado nacional precisa de iniciativas como essa. Ter um local exclusivo para atender os brasileiros no exterior é promessa de bons negócios. Nosso país tem tecnologia à altura do que hoje em dia é desenvolvido no mundo e feiras desse tipo são ocasiões perfeitas para mostrarmos isso. As empresas conseguiram fazer uma exposição eficiente dos produtos e serviços, principalmente porque a feira reuniu os principais radiodifusores do Ocidente.

*Vice-Presidente do Sindvel