• PT
  • EN
  • ES

É preciso ir à NAB todos os anos

Nº 143 – Julho 2014

Por Luiz Carlos Gurgel

ARTIGO

Sempre há uma boa razão e, geralmente um ganho importante, que justifica irmos, todos os anos, à NAB.

Ir à NAB, todos os anos, já se tornou uma rotina para engenheiros, técnicos e produtores de televisão do Brasil. Mas já ouvi alguém dizer que isso, realmente, não é necessário porque não haveria muitas novidades para quem visitou a feira do ano anterior. Por isso, complementam: ir de dois em dois anos, ou mesmo de três em três, seria o suficiente para manter-se atualizado.

O FT-ONE CMOS foi desenvolvido pela FOR-A para gravar em formato RAW nativo em alta velocidade para a memória RAM interna

Esse argumento pode até parecer um pouco verdadeiro, pois realmente não são em todos os anos que ocorrem mudanças radicais de tecnologia, ou lançamentos surpreendentes de novos equipamentos. O difícil é saber, antecipadamente, quando isso vai acontecer. Saber em que momento serão lançados, pelos fabricantes, equipamentos novos com características que atendam exatamente às nossas necessidades. No meu entender, para manter-se razoavelmente atualizado, não tem outra saída: é preciso ir à NAB todos os anos. E por vários motivos. O primeiro deles, é que há sempre novidades – uns anos mais, outros anos menos, mas sempre tem alguma coisa nova, interessante, que não se tinha visto antes.
Um segundo motivo, é que na NAB podemos encontrar, praticamente, todos os fabricantes mundiais de equipamentos, o que torna possível discutir soluções, solicitar orçamentos, comparar preços e características, esclarecer dúvidas. Por outro lado, todas as emissoras e produtoras estão, todos os anos, comprando novos equipamentos e precisam, por isso mesmo, ver as opções existentes no mercado, antes de decidirem o que adquirir. E, às vezes, até, decidirem “o que não adquirir”. Com base nessas observações colhidas na feira, descobrimos, muitas vezes, que é preferível esperar um pouco mais por um equipamento, ou tecnologia que está surgindo. Repito: sempre há uma boa razão e, geralmente um ganho importante, que justifica irmos, todos os anos, à NAB.
Enquanto 2012 foi o ano da televisão 3D – e muita gente se empolgou com ela – e 2013 o ano da Ultra High Definition (4K e 8K), 2014 foi o ano em que a utilização do 4k se consolidou e a “edição na nuvem” e o uso dos drones na captação de imagens para televisão passaram a ser seriamente considerados. Vamos falar um pouco sobre cada uma dessas questões.

4K
Para quem não está familiarizado com a denominação, 4K é um dos formatos da Ultra High Definition Telelevision (UHD ou UHDTV) – o outro formato é o 8K. Embora o 4K tenha, no total, quatro vezes mais pixels que o HDTV, não é correto dizer que ele seja “quatro vezes melhor que o HDTV”, como querem alguns. Na realidade o 4K tem 3.840 pixels na horizontal que correspondem a 2 vezes os 1.920 do HDTV e 2.160 linhas de pixels (medida vertical) que correspondem a 2 vezes os 1.080 pixels do HDTV. Por isso, o que podemos dizer, é que o 4K tem imagens “duas vezes mais nítidas” (tecnicamente falando, “tem duas vezes melhor definição”) que o HDTV.
Da mesma maneira como a ideia da uma televisão em alta definição (HDTV) teve sua origem nos laboratórios da Nihon Hoso Kyokai (NHK), a UHDTV também surgiu daquela corporação japonesa. Os formatos 4K e 8K desenvolvidos pela NHK são, de fato, as únicas propostas, tecnicamente consistentes, de televisão com qualidade superior ao HDTV.
O 8K, embora já tenha sido apresentado pelos japoneses na NAB de 2013 e de 2014, ainda encontra- se em fase de consolidação tecnológica – somente a NHK e seus parceiros de desenvolvimento possuem protótipos funcionais naquele formato.

Com respeito ao 4K, a situação é bem diferente, solidado e foi incorporado às linhas de montagem de quase todos os grandes fabricantes de equipamentos broadcast, a exemplo da Sony, Panasonic, Canon etc. Até no segmento dos equipamentos “for consumer” já podemos encontrar monitores, televisores, câmeras e projetores 4K. Mesmo no Brasil.
Naturalmente, os equipamentos 4K, não importa o fabricante, ainda apresentam preços bem mais elevados que os seus correspondentes 2K (os HDTV), mas isso sempre acontece quando são lançadas novas tecnologias. Certamente, em pouco tempo, esses preços vão cair e ficar ao alcance de todos. E, não resta dúvida, o 4K veio para ficar, veio para se incorporar ao nosso dia a dia.
Em razão de tudo o que se disse, você deve estar pensando que, em pouco tempo, vamos trocar as nossas transmissões HDTV por transmissões 4K, ou mesmo 8K. Embora isso não seja impossível, acreditamos que essa substituição, se vier a ocorrer, ainda vai demorar bastante.
Por outro lado, produzir filmes e comerciais de TV utilizando 4K, já é uma realidade em muitos países, principalmente substituindo as produções em película. O Digital Cinema Iniciatives (DCI), inclusive, já estabeleceu um padrão 4K para produções cinematográficas que se constitui de imagens 4.096 x 2.160 pixels com aspecto 256:135. É bem provável que você, sem se dar conta, já tenha assistido filmes recentes, nos circuitos comerciais, que foram produzidos nesse padrão.

Edição na Nuvem
A Cloud Edition (Edição na Nuvem) é uma aplicação de Cloud Computing que está sendo proposta por vários fornecedores, com maiores atrativos, no ambiente broadcast, para a edição de news (Cloud News Edition). Basicamente, ela consiste em utilizarmos um data center remoto (usualmente de terceiros) para armazenamento das nossas matérias jornalísticas, tanto brutas como editadas. Essa solução apresenta algumas vantagens e algumas desvantagens. São duas as principais vantagens, sendo a primeira a redução no investimento imobilizado com sistemas de armazenamento, sua manutenção e contínua atualização tecnológica. A segunda consiste na disponibilidade do material e do sistema de armazenamento, a partir de qualquer lugar do planeta, precisando apenas que ele tenha acesso à rede mundial de computadores.
Qualquer material captado, em qualquer local, é transferido para a nuvem (entenda-se, data center de armazenamento) e fica disponível para uso pela emissora. A própria edição ocorre na nuvem a partir de um sinal de monitoração de baixa definição que, por isso mesmo, gera um baixo tráfego de dados entre a emissora e o data center. Editar na nuvem, portanto, não apresenta maiores problemas.
Tudo parece maravilhoso nessa nova fronteira tecnológica, mas há um “calcanhar de Aquiles” que é a rede de acesso ao data center. A capacidade de tráfego e a confiabilidade da rede podem por tudo a perder. Lembre que precisamos fazer o upload, para a nuvem, de todo o material bruto captado, com o máximo de qualidade e gastando o menor tempo possível e precisaremos depois fazer o download do material editado para garantir a sua exibição. Em tese, podemos exibir a partir da nuvem, mas para isso precisaríamos dispor de uma rede absolutamente confiável e de alta velocidade. No mundo real, contudo, se não tivermos uma cópia do material na emissora, correremos um risco muito grande.
As emissoras que fazem cobertura jornalística nacional, ou mundial terão com a edição na nuvem, certamente, vantagens interessantes. Para as emissoras com cobertura local a situação é um pouco diferente, o ganho vai ser praticamente, apenas, quanto ao investimento imobilizado. Os custos operacionais tendem a ser mais significativos pois, de fato, o se estar a fazer, nada mais é que uma terceirização do armazenamento e dos aplicativos de edição.
Não tenho dúvidas, contudo, de que a edição na nuvem é o futuro dos sistemas de jornalismo. Não sei se no presente, representa uma boa aposta, principalmente em razão da baixa qualidade dos sistemas de comunicação de que ora dispomos no Brasil. Na próxima edição da Revista da SET falaremos dos drones.

Continuará…

Luiz Carlos Gurgel
Diretor Regional Nordeste da SET.