• PT
  • EN
  • ES

Divulgado resultado preliminar de emissoras selecionadas

Estações de TV públicas vão ganhar laboratórios para testar e desenvolver aplicativos interativos para a TV digital.

Nº 134 – Julho 2013

NOTÍCIAS

Dez emissoras públicas de TV vão ganhar um laboratório para testar conteúdos e aplicações para o middleware Ginga, que permite a interatividade na TV digital brasileira. O resultado preliminar das 11 propostas classificadas foi publicado na terça-feira, 16 de Julho de 2013 no Diário Oficial da União. As estações têm até o dia 22 de julho para recorrer do resultado. A lista final das dez selecionadas será divulgada no início de agosto de 2013. A iniciativa faz parte do programa Ginga.BR.Labs, que integra o programa Ginga Brasil, do Ministério das Comunicações.
As emissoras classificadas, segundo informou o Mini- Com, apresentaram projetos para desenvolver um produto audiovisual ou um aplicativo para a TV que vai utilizar a interatividade. O resultado inclui estações de TV públicas vinculadas a Estados, municípios ou universidades públicas que já transmitam programação em sinal analógico e tenham pedido a consignação do MiniCom para transmitir em sinal digital. A pré-seleção inclui emissoras de diferentes Estados brasileiros: Minas Gerais (3), São Paulo (2), Rio Grande do Sul, Paraná, Goiás, Bahia, Amazona e Tocantins.
O assessor da Secretaria-Executiva do MiniCom, James Görgen explicou que os critérios para escolha dos projetos foram ideias inovadoras. A seleção foi feita por uma comissão de representantes do Ministério das Comunicações, Anatel, Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e Universidade Federal da Paraíba. “O objetivo do Ginga BR Labs é conseguir que as emissoras públicas, que têm dificuldade de acesso a recursos e capacitação na área de desenvolvimento de software, possam trabalhar com melhores condições para ter um efeito demonstrativo de como funciona a interatividade na TV digital”, reforçou.
Como exemplos de conteúdos que podem ser desenvolvidos estão aplicativos de governo eletrônico, que dão acesso a serviços públicos pela televisão, ou produtos audiovisuais como séries e documentários que utilizem a interatividade. Os projetos apresentados abrangem diferentes áreas como agricultura familiar, educação e saúde. Além do laboratório, quatro técnicos de cada uma dessas emissoras também vão receber capacitação da RNP no desenvolvimento de aplicações para a TV digital.
Görgen afirmou que, no decorrer deste segundo semestre de 2013, as entidades vão receber os laboratórios e terá início a capacitação dos servidores para desenvolvimento do conteúdo em Ginga. “O laboratório vai simular como se fosse colocar o conteúdo no ar. Será possível fazer os testes ligados à transmissão digital interativa”, adiantou. Ao final dos testes com os aplicativos, os equipamentos doados pelo governo ficarão com as entidades. Desde o início deste ano, 75% dos televisores digitais saem de fábrica com o Ginga. Em 2014, o índice sobe para 90%.

Ginga Brasil
O Programa Ginga Brasil esta inserido dentro do Programa de Estímulo ao Desenvolvimento do Padrão Nacional de Interatividade da Televisão Digital Brasileira que foi lançado em dezembro de 2012 pelo Ministério das Comunicações como uma das ações da Política Nacional para Conteúdos Digitais Criativos, explica o site institucional do MiniCom. Tendo como base a parceria da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), com repasse de R$ 5 milhões, o Ginga Brasil prevê ações de capacitação de profissionais, além da criação e difusão de aplicativos de interatividade.
Segundo o MiniCom, o Ginga Brasil tem como principais objetivos: Fomentar a criação e a difusão de conteúdos e aplicações interativas transmitidas por emissoras de televisão digital, com ênfase na produção independente. Promover a capacitação de profissionais e estudantes das áreas do audiovisual, design, tecnologia da informação, engenharia, dentre outras correlatas. Disponibilizar aos cidadãos brasileiros conteúdos e aplicações que proporcionem experiências de interatividade em atendimento às finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas da televisão digital brasileira. E, implementar e manter repositórios digitais públicos, destinados a abrigar a produção de aplicativos do Ginga.
Fonte: MiniCom
http://gingabrasil.ginga.org.br/