• PT
  • EN
  • ES

CBN Ribeirão Preto – Nova emissora EPTV em Ribeirão Preto

Nº 131 – Março 2013

Da Redação Foto: Divulgação

A CBN Ribeirão escolheu a tecnologia Livewire Fotos: Divulgação para funcionar, um padrão de red digital de áudio sobre IP para aplicações broadcast, que oferece de uma forma simples e fácil o encaminhamento de áudio e controle através de Ethernet.

A EPTV amplia seus horizontes na rádio com a compra de uma nova emissora em Ribeirão Preto, São Paulo, que permitirá que a CBN (Central Brasileira de Notícias) volte a ser emitida na cidade e alcance uma área de cobertura de 100 km2. Assim, a nova afiliada da CBN – FM 90,5, CBN Ribeirão Preto – está no ar desde os primeiros dias de março de 2013. Para isso foi necessário reformular os estúdios da rádio e necessário futuro próximo será preciso ainda mudar a antena de transmissão, que continuará sendo analógica já que os responsáveis da emissora preferem esperar que se defina qual será o padrão de transmissão digital brasileiro.

No dia 5 de março de 2013 começou novamente a emitir em Ribeirão Preto (SP) a CBN Ribeirão Preto, a nova afiliada da CBN na cidade, quatro anos depois de deixar de ter sua programação veiculada na cidade. Nesta nova etapa a emissora será, segundo os seus responsáveis, “a janela ribeirão-pretana”. Uma “janela que terá informações geradas por profissionais de três veículos do grupo: a EPTV, o jornal “A Cidade” e a redação da rádio CBN. Para isso, a empresa importou equipamentos e servidores de tecnologia digital, com comunicação entre si a partir de IP (Internet Protocolo) o que agilizará e facilitará a compilação de dados.
Marcos Frateschi, diretor regional da EPTV e coordenador geral do processo de implantação da CBN Ribeirão Preto, afirmou que “vamos usar esse tripé de informação, todos se comunicando entre si e oferecendo o melhor ao ouvinte”. Para o grupo EPTV, é mais que um novo desafio, diz Frateschi. “É a possibilidade de preencher a lacuna que o rádio local oferece e desenvolver um trabalho de informação isenta, responsável, um espaço para debates de polêmicos assuntos comunitários”.
Em entrevista à SET, Sérgio Coelho, gerente de operações e manutenção da EPTV, explicou que o projeto de engenharia foi dividido em duas etapas, o estúdio e a transmissão do sinal. Isso porque a EPTV comprou a antiga “Rádio Regional” e foram reutilizados alguns equipamentos durante o processo de transição.
“Para o estúdio utilizamos a tecnologia Livewire de áudio sobre IP (AoIP), que permite distribuir áudio linear a 24 bit e 48 KHz diretamente sobre sistemas de rede Ethernet, permitindo transportar e distribuir mais de 10 mil canais de áudio estéreo em tempo real, simultaneamente”, explicou o encarregado do projeto.
Coelho explicou que com este protocolo de áudio “temos um ambiente controlado de alta velocidade, sem riscos de drop-outs decorrentes de problemas comuns de rede. A codificação do sinal é sem compressão, em format PCM, com uma gama dinâmica de 138dB e um nível de distorção harmônica total (THD) inferior a 0,0002%, além disso, o protocolo Livewire utiliza dois tipos de streams de áudio: um tipo otimizado para fontes ao vivo com atraso muito baixo (delay), como microfones e fones de ouvido e outro tipo do padrão para as demais fontes de áudio”.
Para o gerente de operações e manutenção da EPTV, a mesa AXIA IQ Main Console possuí uma tecnologia de áudio sobre IP (AoIP), “em um único cabo Ethernet transportamos não só o áudio digital sem compressão em tempo real, mas também as mensagens de controle de dispositivos (GPIO), e até mesmo o tráfego de dados de controle da própria rede. Desta forma, foi possível instalar e configurar o nosso estúdio mais rapidamente, usando módulos de entrada/saída, facilmente configuráveis, pois as fontes de áudio são sempre identificadas na rede com o nome do canal e sua identificação numérica, independentemente da localização física do módulo”.
Por outro lado, “nossos computadores de produção, playout, censura entre outros, recebem e enviam áudio diretamente à rede sem a necessidade do uso de placa de som. A telefonia também está presente na rede, com uma híbrida de 6 linhas que nos permite fazer um “talk show” com até 3 conversas simultâneas e com cada linha recebendo seu retorno independente, pois o mix-minus gerado pelo console é automático. Com o remoto da híbrida e o terminal de atendimento telefônico – também conectado na rede, instalados no console, a operação entre o produtor e o operador no estúdio fica intuitiva, devido à representação gráfica do estado de cada linha”. Nas novas instalações, explica Coelho, “qualquer fonte de áudio da rede pode estar disponível em qualquer um dos 14 faders da console em segundos, bastando apenas alguns clicks e não mais com intervenção física no estúdio com (re)cabeamento e (re)conectorização”.
O segundo projeto, o de transmissão, estava sendo desenvolvido ao fechamento desta edição. No momento, a emissão esta sendo realizada das antigas instalações da “Rádio Regional”, mas a ideia da EPTV é criar um novo centro de transmissão na cidade. Assim, segundo Coelho, “optamos na transmissão por manter o padrão analógico, pois a escolha do padrão de transmissão digital brasileiro continua em aberto”.

Mas, explica o responsavel da emissora, “o projeto está sendo desenvolvido de modo a oferecer uma melhor cobertura e qualidade de sinal aos ouvintes”, e quando “estiver em operação, contará com um novo transmissor em estado sólido de 35kW de potência, e uma nova antena com polarização circular de seis níveis, instalada a aproximadamente 100 m de altura, o que garantirá uma melhoria de aproximadamente 10% na cobertura atual.
Para realizar a retransmissão do sinal nacional, o sinal da CBN é recebido via satélite e junto com os conteúdos locais gerados nos estúdios de Ribeirão Preto é realizada a emissão da que agora é denominada CBN Ribeirão Preto. Para isso, disse Coelho, esta sendo feito e ainda será desenvolvido o projeto até modernizar todo o sistema de transmissão.
“Nesta etapa do projeto, todo o levantamento de cobertura está sendo feito com o auxílio do software COV- -LAB da empresa canadense CRC, que será verificada em campo, após a instalação, com o auxílio de nossa viatura de medição, afim de comprovarmos na prática, a cobertura teórica do sistema”, explicou.

Com essa escolha, Coelho afirma que a área de cobertura da 90.5 Mhz terá um raio de 100 Km a partir da cidade de Ribeirão Preto que engloba entre outras as cidades de Araraquara, Franca e São Carlos. Ainda, pelo eixo da Via Anhanguera, o sinal vai até as barrancas do rio Grande, na cidade de Igarapava, já na divisa com Minas Gerais. Desta maneira, a CBN Ribeirão Preto possuirá um universo de 2 milhões de potenciais ouvintes. Deste universo, Frateschi afirma que o objetivo é atingir o público em geral e repercutir acontecimentos com formadores de opinião. “Vai ser um trabalho voltado para todos os segmentos, com a divulgação de ampla agenda cultural de Ribeirão e região”, porque hoje o rádio, segundo Frateschi, virou veículo multiplataforma. “Pode ser ouvido no receptor normal e de outras várias maneiras, no computador, smartphones, tablets, etc. Tudo isso combina com o dinamismo do rádio, que empolga o ouvinte, sempre”.
A CBN conta com quatro emissoras próprias no país nas cidades de Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo, além de 27 afiliadas que retransmitem a sua emissão. O grupo EPTV detém emissoras de TV em Ribeirão Preto, São Carlos, Campinas no Estado de São Paulo, e uma outra em Varginha, Minas Gerais, e os jornais “A Cidade” (Ribeirão Preto) e “Tribuna Impressa” (Araraquara-SP), além de outras duas rádios (Jovem Pan FM em Ribeirão Preto e Araraquara).
www.viaeptv.com