• PT
  • EN
  • ES

Canon mais perto dos seus clientes

Nº 148 – Jan/Fev 2015

por Fernando Moura

REPORTAGEM

Canon Brasil inaugurou dois laboratórios para suporte técnico no Brasil e operação comercial e distribuição das linhas Broadcast & Communications e Cinema

Canon do Brasil está mais perto dos seus clientes desde que assumiu a operação comercial e a distribuição das linhas Broadcast & Communications e Cinema no país. Para isso, a companhia mudou a sua estrutura local e desenvolveu dois laboratórios de análise técnica e suporte local para os seus clientes nacionais. A ideia da companhia com esta nova estrutura é reforçar a importância do mercado brasileiro e estreitar o relacionamento da marca com os consumidores do país, a fim de oferecer produtos, soluções e serviços que atendam às suas reais necessidades e um suporte técnico apropriado estando mais perto deles e brindando uma assistência técnica mais rápida.
A iniciativa conclui o projeto iniciado em 2012, quando a marca assumiu a distribuição de suas câmeras e lentes no mercado brasileiro, seguida pela abertura de uma fábrica em Manaus (AM) em 2013.

A Canon conta com três engenheiros para manutenção de equipamentos nos laboratórios do Rio de Janeiro e São Paulo

“Nosso objetivo com este movimento é unificar toda a distribuição de equipamentos de imagem e vídeo que são produzidos pela Canon. Agora, temos capacidade de fornecer o equipamento necessário para os mais variados perfis de consumidores, desde o fotógrafo amador, até grandes empresas que têm uma demanda por equipamentos de Alta Definição, com qualidade Canon”, afirma Takashi Osawa, diretor comercial da Canon do Brasil Indústria e Comercio Ltda. Segundo Osawa, outro fator que impulsionou os investimentos da marca é o fato do Brasil ser sede de dois grandes eventos esportivos, Copa do Mundo em 2014 e Jogos Olímpicos em 2016. “Apostamos na tecnologia de ponta tanto na nossa linha de cinema como a Broadcast, tendo como objetivo a criação de objetivas de alta qualidade”.

Os laboratórios
Para isso, durante 2014 a Canon inaugurou dois laboratórios, um na sua sede de São Paulo e outro no Rio de Janeiro, onde engenheiros da companhia realizam trabalhos de manutenção e reparo de equipamentos da marca que “garantam a cobertura de qualidade na captura das imagens”, afirma Edson Thomioka, supervisor técnico da área Broadcast de Canon (ITCG) e responsável pelo laboratório.

A Canon conta com três engenheiros para manutenção de equipamentos nos laboratórios do Rio de Janeiro e São Paulo

A Revista da SET visitou o laboratório da capital paulista instalado no prédio onde a empresa tem seus escritórios e conversou com os responsáveis deste laboratório e das aéreas de Broadcast da empresa, tanto para câmeras como para lentes e objetivas. O laboratório do Rio de Janeiro inaugurado em agosto de 2014 conta com um engenheiro e o de São Paulo com dois profissionais trabalhando a tempo inteiro.

“Temos nos laboratórios back-up de materiais para a substituição para, desta forma, agilizar o trabalho e encurtar os tempos entre a chegada do equipamento e o retorno ao cliente”, afirma Thomioka. Estratégia Comercial Em entrevista à Revista da SET, Fabrízio Reis, executivo de Contas Broadcast & Communication (BCTV), afirmou que neste momento a empresa trabalha na divulgação da linha de objetivas Cine-Servo para produção 4K. Nessa linha foram especialmente desenvolvidas para produções em 4K lentes que podem ser utilizadas tanto como Positive Lock (PL) ou Electro Focus (EF).

Hoje a Canon do Brasil conta com equipamentos novos para pronta entrega na sua sede de São Paulo

Assim foram lançadas recentemente a CINE-SERVO 17-120mm T2.95-3.9 e a CINE-SERVO 50-1000mm T5.0-8.9, que “são produtos excelentes para o mercado e já chegam com servo para Zoom e foco na objetiva”, porque “esse é um diferencial, para produções ao vivo 4K. Precisamos ter equipamentos de fácil trabalho e manuseio”.
Reis explicou à Revista da SET que o relacionamento da marca com os broadcasters brasileiros é excelente e que o mercado nacional é muito importante, tanto que há pouco tempo a empresa desenvolveu a objetiva CN-E30-300mm T2.95-3.7 L SP a pedido da Rede Globo para a realização de diversos trabalhos de ficção.

De esq. para a dir. a equipe comercial para a área de Broadcast e Cinema da Canon Brasil: Takashi Osawa, Roberta Tennenbaum, Fabrízio Reis e Yuri Nieto

“A 30-300mm nasceu após um pedido feito pela emissora à Canon”.
Roberta Tennenbaum, do departamento de Imaging Technologies & Communications Group (ITCG) da Canon do Brasil, afirma que a companhia aponta para dois mercados, o de cinema e o broadcasters, mas “hoje com o crescimento das produtoras no país se abrem outros mercados para a empresa, mercados que estamos explorando e nos quais estamos trabalhando”.

Futuro do 4K
Os executivos da Canon Brasil afirmam que a captação em 4K será, em primeira instância, para “produção”.
Takashi Osawa disse à Revista da SET que a produção em 4K já é uma realidade e que “deve ser explorada pelas emissoras nos próximos tempos”.
Para eles a questão está em como transmitir os conteúdos em 4K, por isso, para Reis, o futuro está na produção em 4K e a transmissão por meio de plataformas OTT (Over-the- Top), sendo que a “transmissão ao vivo continuará sendo a rainha da TV aberta no Brasil”.

Roberta Tennenbaum afirma que a Canon democratizou a captação de imagens em Alta Definição

E não só, quando muitos afirmam que o broadcast tradicional vai desaparecer, Yuri Nieto, executivo de Contas Cinema EOS Imaging Technologies & Communications Group da Canon, afirma que “a TV tradicional vai sobreviver, mas precisa mudar um pouco o modelo de negócio”.
De fato, para Nieto, pela forma como funciona a TV aberta no Brasil, o 4K ainda tem muito espaço e tempo.
“Hoje o mais importante é o conteúdo, e esse será realizado em 4K porque ele dará retorno do investimento pelo que o 4K não é um formato passageiro.
No nosso país temos emissoras que ainda não desligaram a TV analógica, por isso o 4K ficará por muito tempo. Talvez as emissoras daqui a 10 ou 15 anos estejam captando a 8K ou no formato que seja, mas tendo em conta como é feita a transmissão acredito que temos muito tempo para utilizar 4K no Brasil”.