• PT
  • EN
  • ES

Brasil e Japão levam Ginga-J para a Itu

O Brasil, em conjunto com o Japão, vai levar o Ginga-J como contribuição para a União Internacional de Telecomunicações (ITU). A proposta nipo-brasileira visa incluir o Ginga- J entre as interfaces de programação de aplicações interativas, tanto para TV aberta, como para TV a cabo. A norma ABNT NBR 15606-4, recentemente aprovada, poderá constar como referência nas recomendações J.202 do Setor de Normalização da ITU (ITU-T), e BT.1722, do Setor de Radiocomunicações (ITU-R).
A proposta de revisão da recomendação J.202 será apresentada entre 26 e 30 de outubro em Genebra, Suíça, durante a reunião da Comissão de Estudos 9 do ITU-T, que trata de temas relacionados à TV a cabo. A Comissão de Estudos 6 do ITU-R, que trata de assuntos relacionados à radiodifusão, se reunirá em novembro, quando será apresentada a proposta de revisão da recomendação BT.1722.

ITU-R discute nível de áudio
Entre os temas a serem discutidos durante a próxima reunião da Comissão de Estudos 6 do ITU-R, em novembro, está uma proposta de revisão da recomendação BS.1770, que define um método de medição do nível de áudio de programas de TV e rádio. O método descrito na recomendação, constituído por um algoritmo de processamento digital do sinal de áudio, torna possível detectar, de forma padronizada, picos e variações de nível de áudio que possam causar desconforto ao espectador. O governo brasileiro acompanha de perto o tema, com o objetivo de encontrar uma solução técnica para a regulamentação da Lei 10.222, que determina a padronização do volume de áudio dos serviços de radiodifusão no país. A proposta de revisão foi elaborada por um grupo relator, com base em estudos da EBU (União Européia de Radiodifusão).
A participação do Brasil nas diversas comissões de estudo da ITU é coordenada pelos Grupos Relatores das Comissões Brasileiras de Comunicações (CBCs), que se reúnem normalmente na sede da Anatel, em Brasília. A participação nas CBCs é aberta a profissionais, empresas e instituições com interesses nas áreas de telecomunicações, radiocomunicações e radiodifusão. Os temas relacionados à radiodifusão são discutidos no Grupo Relator de Radiocomunicações 6 (GRR 6) da CBC 2 – Radiocomunicações.

*Fabrício é líder do GRR 6 – Radiodifusão – CBC2 – Especialista em Regulação – Anatel

Revista da SET – ANO XXI – N.109 – 2009