• PT
  • EN
  • ES

AVANÇO TECNOLÓGICO E CONVERGÊNCIA SÃO O TEMA DA 5ª SET SUDESTE

INFORME SET
AVANÇO TECNOLÓGICO E CONVERGÊNCIA SÃO O TEMA DA 5ª SET SUDESTE
O 5o. SET Sudeste aconteceu nos dias 14 e 15 de março, em Minas Gerais. Getúlio Malafaya, Superintendente do Grupo Alterosa e membro da Diretoria da SET, abriu o evento, falando sobre o fato da radiodifusão ser uma atividade lucrativa no País e, como tal, deve ser preservada. Logo após Euzébio Tresse, falou sobre a importância dos eventos regionais da SET, a apresentação foi encerrada por Luis e Geraldo Melo também do Grupo Alterosa.
O circuito de palestras foi aberto com Carlos Nazareth Mota Marins, da Inatel, que abordou o tema, “Tecnologia de enlaces no mundo digital”, falando sobre os enlaces terrestres e por satélites, mostrando as principais diferenças entre eles. Por satélite, o domínio do QAM e QPSK e a complexidade do enlace terrestre. Carlos Nazareth ainda falou sobre os enlaces digitais, que são bidirecionais, o sobre o parâmetro usado para realizar o cálculo dos enlaces, que são os mesmos parâmetros dos analógicos, mas o multiprecursor é mais crítico para determinar as margens.
“Digitalização automação de emissoras”, foi o tema da palestra de Mateus Hassan, da 4S/SC, que falou sobre os conceitos e rotinas que permitem transformar uma emissora analógica para digital e de manual para automática, falando também de digitalização de vídeo, catalogação, gerenciamento e browsing, entre outros tópicos. A tecnologia GPRS, também foi discutida, por Fernando Garcia Pina da TSDA/MG, que explicou como a TSDA estão utilizando a tecnologia GPRS para fazer telemetria e monitoração remota para agregar valores à radiodifusão.

Ele ainda ressaltou as vantagens do GPRS, que fica em sistema “Always On” (sempre ligado), mas a tarifação é somente pelo uso efetivo, o que o diferencia da comunicação de circuitos que paga sempre que está ligado.
Com um resumo da história da revolução tecnológica das mídias, do telefone até a TV digital, Marco Antônio de Souza Pinto, da Rhode & Schwarz , falou de tecnologia de TV digital para dispositivos móveis, e ainda trouxe o conceito de convergência das mídias e listou as explicações das atuais soluções para ver TV em handhelds: Media Flo (subsidiária da QualCom que criou o CDMA para celulares), T-DMB, solução européia que aproveitou o conceito de DAB (Digital Áudio Broadcast), ATSC-SRS, DVB-H e ISDB-T, que representam respectivamente, as soluções americana, européia e japonesa para se ver TV em dispositivo móvel.
A diferença de chroma-key e virtual set foram abordada por Nilson Fujisawa, da AD-Line e Wladimir Farais da ORAD, Cide Ribas, da Kathrein Mobilcom Brasil, falou sobre a transição da TV analógica para a digital, que mostrou que o sistema de compartilhamento irradiante é tecnicamente viável.
Já os diversos pontos ligados à telefonia fixa, móvel, sistema de VoIP, e tecnologias que vieram para criar a convergência da mensalidade única, foi amplamente debatido por J.R. Critovam da UNISAT/RJ, um dos maiores defensores da tecnologia nacional.
No segundo dia, Guilherme Ramalho da Cis Brasil, falou sobre, evolução da Tecnologia da Informação, banda larga e DTV, mídias inteligentes e sincronismo de banco de dados, tudo isso no tema: “Novas tecnologias em ambientes colaborativos”, quem também esteve presente no segundo dia de palestras, foi Jaime Ferreira da Thomson/Grass Valley, que apresentou na palestra uma nova tecnologia, o sistema Infinity com discos REV, uma nova linha de camcorders para jornalismo.
José Cristovam do Nascimento, da UNISAT, ressaltou a tecnologia nacional na apresentação.

Sérgio Constantino, da Vídeo System, falou de tecnologia de servidores para jornalismo, pós-produção e exibição, a Sony, foi representada por Felipe Siqueira, que falou sobre a linha HD da empresa e ainda falou sobre os conceitos do vídeo digital.
Da Star One Luiz Tadeu, José Édio Gomes, da Hispamar, Guilherme Saraiva, da COMSAT e Rodrigo Silva da Loral, falaram sobre a tecnologia, serviço e modelo de negócios que as empresas de satélites colocam a seus clientes. A Star One apresentou o anacrônico BLOU (Build, Lunch, Operate and Use) e falou da tendência de ter satélites com transponders híbridos nas bandas C e Ku, a Hispamar, mostrou a cobertura dos seus satélites, as plataformas de vídeo/IP e VoIP, que já operam normalmente, a COMSAT focou sua apresentação na criptografia com visão tecnológica e comercial para atender melhor seus clientes, e a Loral falou da ampliação de e-learning.
Com todas essas palestras, e tantas novidades na área de telecomunicação, o SET Sudeste, destaca o grande avanço que vem acontecendo na área no Brasil atualmente, com isso, o evento se torna um debate e um local propício, para o conhecimento de novos produtos e de novas tecnologias. 

Colaborou Euzébio Tresse