• PT
  • EN
  • ES

As primeiras impressões de uma indústria que cada dia procura maior qualidade de imagem

Nº 150 – Abril/Maio 2015

Por Fernando Moura e Francisco Machado Filho em Las Vegas

REPORTAGEM

A corrida pela qualidade de vídeo com soluções 4K e 8K, estruturas IP, nuvem, virtualização, drones, plataformas de conteúdo, soluções baseadas em software, o declínio do hardware e novas formas de roteamento de sinal marcaram o show mais importante do ano realizado em Las Vegas

As mudanças na indústria continuam a passo firme e acelerado. Na edição 2015 da NABShow, realizada noLas Vegas Convention Center, na cidade de Las Vegas, Estados Unidos, ficou ainda mais claro que a tendência é avançar cada dia mais com a qualidade de captação de vídeo, aumentar os processos virtualizados através de soluções na nuvem e percebeu-se ainda que as estruturas baseadas em soluções via IP tendem a ser o futuro das emissoras. Outra das certezas que deixou esta edição é que a TV mudou, e que nos próximos anos será definido o seu futuro e, com ele, o futuro da TV aberta no mundo.
As 103.042 pessoas que visitaram a NABShow entre os dias 13 e 16 de abril de 2015 perceberam rapidamente que o rumo da indústria broadcast caminha para novos horizontes, muitas vezes, não tão broadcast como sempre foi e sim mais broadband.
Isso não só pela tendência cada vez maior para apresentar soluções que permitam enviar o sinal das emissoras ou dos produtores de conteúdos para multiplataformas, senão porque cada vez mais estes produtores, nas suas estruturas de engenharia interna, começam a trabalhar com soluções que contêm mais software e menos hardware, a tal ponto que a reportagem perguntou-se várias vezes nos corredores da feira se aquilo era ainda uma exposição broadcast.

O Presidente da NAB, Gordon Smith disse na cerimônia de abertura que “com grande certeza: Rádio e Televisão são mais importantes hoje do que nunca”

Mesmo com este dilema por resolver, a exposição mais importante do mundo, que ano a ano é realizada pelaNational Association of Broadcasters (NAB), continua crescendo. Este ano voltou a superar a marca dos 100 mil visitantes e contou com 1.789 empresas expositoras cobrindo mais de 1 milhão de metros quadros de área de exposição e registrando um aumento de mais de 5 mil visitantes com respeito a 2014, sustentando seu crescimento depois da crise que atingiu a indústria no final da década passada.
Assim, os mais de 100 mil participantes, dos quais 26.489 chegaram desde 164 países, mostraram, segundo o Vice-Presidente Executivo de Comunicação da NAB, Dennis Wharton, que “este ano, a NAB Show demonstrou mais uma vez o seu poder e alcance global. Estamos entusiasmados com o feedback dos participantes e expositores, e estamos orgulhosos de sediar o maior evento global de mídia, entretenimento e tecnologia do mundo”, disse.
Na cerimônia de inauguração da NAB 2015, o Presidente e CEO da entidade, Gordon Smith, afirmou que a indústria está no meio de um processo de transição e reafirmou a importância da radiodifusão. No quinto discurso como presidente da NAB, Smith realizou um balanço da gestão e da indústria. “Foi há cinco anos, quase neste mesmo dia, que falei sobre este mesmo palco em meu primeiro ano de NAB sobre os problemas que poderiam afetar a nossa indústria. Passados cinco anos, agora posso dizer: Rádio e Televisão são mais importantes agora do que nunca”.
A principal razão para esta declaração é evidente: as pessoas estão consumindo cada vez mais conteúdo em todos os lugares e em diversas plataformas. “Somos bombardeados constantemente com enormes quantidades no Youtube, Twitter, mas quando as pessoas querem coerência e confiabilidade nas informações, é na radiodifusão que as pessoas confiam.”
Smith é um defensor da radiodifusão local, por isso reafirmou a importância desta indústria na divulgação de mensagens de alertas e de um jornalismo mais comprometido com informação e não com o espetáculo. Ele vê com expectativa e alegria a confirmação da TV em UHD, mas com apreensão as políticas e regulações que aumentam os desafios para a indústria.
Contudo, mesmo nesta fase transitória e com desafios em diferentes frentes, Smith confirma que a radiodifusão é a mais importante e mais valiosa para as comunidades do que sempre foi e continuará a ser para as gerações futuras.

A exposição
Fazer uma análise rápida do ocorrido nos quatro dias de exposição é quase impossível, porque a indústria está desenvolvendo tecnologia de uma forma frenética e as soluções parecem que se tornam obsoletas ou precisam impreterivelmente de upgrade de 12 em 12 meses, ou seja, cada vez que se abrem as portas da NabShow. Para fazer uma cobertura mais ampla, a Revista da SET convocou alguns dos seus associados para realizar uma série de artigos de opinião que iremos publicar nas próximas edições mostrando como profissionais brasileiros viveram o frenesi da exposição e olharam para os principais lançamentos da indústria.

No espaço “NAB Future”, a NHK apresentou todo o workflowde produção em 4K, com destaque para o seu processador de áudio 8K de 22.2 canais

A exposição esteve dominada pelos equipamentos e soluções em 4K, desde a captação até a edição, pós-produção e transmissão e chegando à recepção. Todo oworkflow com esta tecnologia foi apresentado, com soluções de todo tipo e tamanho dependendo do orçamento do visitante. Nos corredores se demonstravam soluções de hardware e software para grandes e pequenas emissoras, as principais companhias avançaram com novos equipamentos e soluções que iam além do Ultra High Definition (UHD) chegando ao Super HI-Vision 8K, com a apresentação de câmeras de estúdio, portáteis e sistemas de captação e edição neste formato de vídeo.
No que diz respeito às soluções baseadas em redes IP, elas apareceram nos quatro cantos da exposição marcando uma tendência clara de que o futuro passa pela instalação de redes, não só no interior das emissoras, senão também nas suas estruturas externas e até móveis e, claro, na proliferação de sistemas de IPTV. Ainda, destaque para o aumento de empresas que ofereciam soluções de drones, estas ganharam em 2015 um espaço considerável na exposição.

Shinji Takitani afirmou que a câmera pode vir a ser utilizada pela NHK nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016

Shinji Takitani afirmou que a câmera pode vir a ser utilizada pela NHK nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016

Nesta primeira etapa, a Revista da SET levará os seus leitores pelos corredores da NAB 2015 com uma pequena foto-reportagem realizada na maior exposição da indústria.

8K
Se bem se fala da tecnologia Super Hi-Vision (SHV) há pelo menos 5 anos e, nestes últimos, a NHK (emissora pública japonesa) tem realizado uma série de testes e mostrado os seus resultados nas grandes feiras, esta foi a primeira vez que os fabricantes colocaram nos seus estandes equipamentos e soluções que comportam vídeo e áudio em 8K.
No pavilhão do futuro, representantes da Nihon Hoso Kyokai (NHK) mostravam orgulhosos os desenvolvimentos alcançados na última Copa do Mundo no Brasil com as transmissões realizadas em 8K e transmitidas ao vivo em alguns teatros do Japão (como noticiado anteriormente na Revista da SET).
Entre os principais desenvolvimentos, destaque para o processador de Headphones de 22.2 FB T-1106, um processador de áudio que permite ouvir áudio surround com 22 canais, e permite controlar, entre outras coisas, os filtros de áudio dos canais, o tracking, se a entrada é SDI/DIG ou Madi e permite, ainda, criar através de interfaces externas, codificação de tracking.

Pela primeira vez, as duas gigantes se mostraram juntas na NAB, um ano depois da fusão

Em uma das primeiras coletivas de imprensa, mesmo antes de abrir as portas da NAB2015, Quantel/Snell apresentou o upgrade da sua plataforma Pablo Rio para edição em 8K 60p. De fato, foi o primeiro lançamento de um sistema de edição nesta resolução anunciado pela indústria que segundo afirmou o CEO da Quantel/ Snell, Tim Thorsteinson é uma consequência do avanço tecnológico. “O Pablo Rio 8K chega ao mercado com uma capacidade de transmissão de 5 Gigabytes/s de vídeo, com entradas e saída de vídeo de 8K (7680×4320) para um monitor Sharp 85”.
Assim, no estande que pela primeira vez se apresentou de forma conjunta após a fusão das duas gigantes registrada em 2014, muitos visitantes queriam ver a plataforma que trabalha com 3 aceleradores gráficos NVIDIA Tesla K80 GPU e três RAID 60 que são controlados pelo sistema Quantel FrameMagic, uma tecnologia desenvolvida pela marca para este tipo de fluxo de vídeo; e suporta, também, workflow 6k, 4K e 2K.
Segundo explicaram os responsáveis da companhia à reportagem da Revista da SET, o sistema, inicialmente, suportará até 160 minutos de vídeo 8K 60p em storage, mas a tendência é que isso aumente progressivamente. Outra das novidades de destaque estava no estande da Hitachi, onde se falava, ou pelo menos se tentava falar português. Shinji Takitani, gerente de Vendas da Hitachi Kokusai Linear Equipamentos recebeu a Revista da SET afirmando que a nova câmera SK-UHD8060 pode ser umas das que a NHK utilize nas transmissões dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 e, talvez, nas provas que realizem no Rio de Janeiro em 2016.

O SSD Pack permite gravar até 40 minutos em 8K

De fato, a SK-UHD8060, a segunda geração de equipamentos SHV da marca, já foi apresentada para ser utilizada tanto em estúdio como de forma portátil, e com seu sistema completo, incluindo sistema de gravação. Nas duas versões, a Hitachi colocou em exibição o 8K Super-High Vision Camera System completo que trabalha com 33 Megapixels de resolução que são obtidos mediante a utilização de três sensores CMOS Super 35MM a 60p, o que permite que a câmera grave simultaneamente vídeo em 8K, 4K e 2K, “além de um sistema de CCU completo, o 8K Camera Control Unit CU-UHD8060 permite aceder desde três lugares mediante fibra óptica (SMPTE304/311).
A conexão e controle podem ser realizados desde o adaptador da própria câmera, desde o adaptador CA-UHF-8060S com um máximo de 100 metros e uma caixa de extensão (AC/DC) que se utiliza quando a câmera funciona de forma portátil, ou quando se utiliza a câmera portátil para gravação em externa”, explicou Takitani.

No pavilhão do Futuro, a NHK exibia imagens 8K captadas pela câmara Ikegami SHK-810

O executivo da Hitachi, que está radicado no Brasil, afirmou que como a câmera foi criada de forma modular, ela permite ser usada tanto em estúdios como produções externas ou ao vivo mediante a utilização do adaptador antes mencionado e ainda colocar, se a pretensão é utiliza -la para reportagem externa, o 8K RAW SSD Recorder que acoplado ao CA-UHF8060S permite enviar ao CCU as imagens captadas em externa.

Se a ideia é gravar para uma posterior edição, podem ser utilizados os cartões de memória 8K RAW SSD Pack que foram criados especialmente para a câmera 8K com 2TB de memória, o que permite gravar até 40 minutos de vídeo e áudio em 8K.
Tadaaki Yanagi, um dos desenvolvedores da SK-UHD8060, afirmou que o CCU pode ser controlado de forma remota mediante o RU-8000VR e, com isso, a câmera está pronta para ser utilizada “tanto em estúdio como em caminhões de externa. Como nos sistemas de CCU tradicional, o operador pode controlar até em que formato grava a câmera”.
A saída 8K da câmera é realizada através de dois sinais que podem ser comutados entre si, 1.5G-SDI (1 sistema) e 2 sistemas 3G-SDI que podem realizar o output simultâneo em 8K, 4K, e HD (2K). O equipamento utiliza lentes PL Mount mediante a utilização de um adaptador 4KVF.

A SK-UHD8060 é a segunda geração de câmeras SHV da Hitachi que foi desenvolvida em colaboração com os engenheiros da NHK STRL, o Laboratório de Desenvolvimento da emissora pública japonesa (Science and Technology Research Laboratories)

4K
As soluções 4K apareceram em todos os cantos da NAB, mas algumas empresas se destacaram. Uma delas foi a Panasonic, que apresentou soluções integrais para a produção 4K pensando claramente em 2016, quando se realizarão os Jogos Olímpicos Rio 2016 dos quais a empresa é parceira oficial e será quem disponibilizará a parafernália tecnológica para a realização dos Jogos em 4K, como foi anunciado por seus executivos no fim de 2014.
Assim, pela primeira vez a Panasonic disponibilizou no seu estande uma linha completa de soluções 4K para cinema e TV, com destaque para o sistema integrado AK-UC3000 com uma câmera que incorpora um sensor desenvolvido pela empresa que permite a captação de imagens até 3840×2160/60p; o novo sensor 4/3 da câmera 4K AG-DVX200; e a câmera multi-propósito AK-UB300 4K.
A câmera AK-UC3000 chega ao mercado com um sistema de montagem B4 que permite que seus utilizadores incorporem lentes 2/3, reduzindo custos. Ainda foram introduzidas algumas funções de ajuste de gama, correção de cor, um pedestal para redução de ruído digital e ganho na hora da captação, explicou à Revista da SET Sérgio Constantino, gerente de vendas para o mercado broadcast da Panasonic.

Ikegami apresentou a SHK-810, uma câmera portátil Super High Vision 8K com sensor CMOS 35mm, sistema de lentes PL mount e sistema de fibra óptica de 40Gbits que permite saídas de vídeo em 8K, 4K e 2K)

Ainda foi incorporada a camcorder AG-DVX200 equipada com um sensor 4/3 que permite gravar vídeo UHD (até 3840×2160/60p), curva de gama logarítmica V-Log, até 12 stop de latitude, e zoom óptico de até 13 vezes. A concorrente Sony, pioneira no lançamento das tecnologias 4K, lançou na sua coletiva de imprensa internacional, realizada antes do início da NAB, a HDC-4300,a nova câmera 4K para esportes.
“O 4K não é só resolução” afirmou Alec Shapiro, presidente da Sony Professional Solutions. “Esta tecnologia é muito mais que uma resolução de vídeo. É um conjunto de soluções de criação de conteúdos audiovisuais”. Por isso, segundo o executivo, a aposta no 4K não é a aposta em captação, “mas sim em um conjunto de soluções que permitem chegar a umworkflow completo”.
Para justificar as suas palavras, o executivo passou em revista as tecnologias desenvolvidas pela empresa nos últimos anos e analisou as vantagens da tecnologia com destaque para o XAVC Codec, um encoder próprio criado pela empresa japonesa para desenvolver seu workflow completo com vídeo capturado em 4K (Ultra High Definition – UHD). Ainda foi apresentado o trailer do primeiro filme da Disney realizado com tecnologia 4K (Monkey Kingdon) que estrearia no mundo todo pela Disneynature, no dia 17 de abril de 2015. Isso que mostra que o cinema e as grandes empresas do sistema, segundo Shapiro,“apostam na nossa tecnologia”.
Outro dos pontos destacados na coletiva da Sony, e que se viu espalhado nos corredores da NAB 2015, foi a diferença do range dinâmico que gera a tecnologia 4K, e para isso a Sony introduziu o monitor 4K BVM OLED. O BVM-X3000, o monitor com maior resolução da companhia.
A tecnologia IP também esteve presente.
Outro dos produtos destacados foi a camcorder PXM-FS7 com sensor S-35, DCi 4K, XAVC, que trabalha de forma flexível e rápida e a PXW-X320, uma nova câmera da linha XDCAM. Com as duas câmeras a Sony realizou links diretos de Las Vegas e Nova York mostrando como é possível realizar conexões ao vivo mediante IP por meio de Live Stream com o IP Live Production System da companhia.
A maior novidade, no entanto, foi a apresentação da nova câmera para eventos esportivos ao vivo, a HDC-4300, uma câmera 4K de 2/3”, 9.8 megapixel, 3CMOS que permite gravar em super 2x, 3x Super Slow Motion Vídeo. A câmera tem saída de fibra óptica, e é, segundo Erick Soares (Sony Brasil), uma “câmera especialmente preparada para trabalhar em eventos esportivos porque possui uma tecnologia única de 3 sensores CMOS nativos em 4K, tornando-a mais versátil e trabalhando com um espaço de cor melhorado, que permite que esta seja integrada facilmente aos workflows 4K existentes”.

A Streambox apresentou soluções de streaming de vídeo tanto em 4K como em HD, sendo que o HD cada dia parece estar mais distante

 

IP
Outro dos pontos altos da NAB2015 foram as estruturas IP e a virtualização da gestão das emissoras. Esta foi uma das tendências que se confirmaram em 2015, a implantação de plataformas de software e estruturas IP que, ao que parece, poderão vir a dominar a indústria nos próximos tempos. “Focamos na inovação e na sofisticação dos nossos produtos” quando pensamos em plataformas virtuais de vídeo e o que elas significam para os consumidores, afirmou em Las Vegas Peter Alexander, CMO de Harmonic.
“Estamos em um momento em que a indústria caminha para funções integradas de software com encoders que façam trabalhos integrados” para gerar “virtualização”. Assim, as novidades da Harmonic passam na NAB 2015 por soluções para workflows Ultra HD (UHD – 4K) baseadas em arquiteturas de software pensadas em soluções de “cloud”, tanto públicas como privadas que sirvam para consumir diferentes conteúdos em multiplataformas.”
Bart Spriester (VP de inovação da Harmonic) explicou à Revista da SET que a empresa desenvolveu a sua plataforma VOS em associação com a Intel para desenvolver arquiteturas de software como o “Spectrum X” que trabalha tanto em SD, como HD e UHD com 3G SDI nativo e interface IP. “Esses sistemas permitem aos usuários ter agilidade no workflow e flexibilidade mediante a simplificação da migração, mediante uma solução end-to-end em UHD”.

Panasonic guardou muito bem a sua nova câmera AK-UC3000, que se podia ver detrás de uma grande caixa de vidro no estande da marca que se prepara para a realização da transmissão dos Jogos Olímpicos Rio 2016

A Sony apresentou a HDC-4300 uma câmera 4K de 2/3”, 9.8 megapixel, 3CMOS que permite gravar em Super 2x, 3x Super Slow Motion Vídeo

A Canon continua apostando no Cinema digital com o lançamento da EOS C300 Mark II, um upgrade da C300 que trabalha com um sensor CMOS 8.85 megapixel; 15-stop de range dinâmico; gravando no codec XF-AVC H.264 em dois cartões de memória

Patrick Harshman, CEO da Harmonic afirmou em Las Vegas que as aplicações de software são o futuro da indústria. “Não há volta atrás”

A Canon continua apostando no Cinema digital com o lançamento da EOS C300 Mark II, um upgrade da C300 que trabalha com um sensor CMOS 8.85 megapixel; 15-stop de range dinâmico; gravando no codec XF-AVC H.264 em dois cartões de memória

A NAB teve pela primeira vez um estande conjunto da Belden/Grass Valley e nele, as soluções IP e 4K tomaram conta do espaço. O objetivo da empresa é a integração de sistemas, afirmou Leonel Da Luz, VP de Vendas para LATAM de companhia

Soluções IP e drones dominaram os corredores da NAB2015 numa indústria em transição onde a virtualização dos processos está cada dia mais presente

Freefly que há poucos anos começou timidamente na NAB com a apresentação de soluções de drones, na edição 2015 da NAB contou com um estande do tamanho da demanda da indústria por soluções que permitam a captação de imagens em movimento

Um dos equipamentos que ganhou mais espaço na feira foram os drones, havia de todas as formas, cores, utilidades e dimensões

A Ateme mostrou as suas soluções de codificação HEVC na Nab2015

Avid adquire Orad como parte da sua estratégia Everywhere

Uma das notícias mais comentadas pelos expositores e visitantes da NAB 2015 foi o anúncio da compra da ORAD Hi-Tec Systems Ltd pela Avid, o que mais uma vez confirma a tendência de que os grandes players da indústria tendem a concentrar esforços em mega-empresas que não só comercializaram produtos, senão forneceram soluções integradas ao mercado.
A empresa israelense teria sido comprada por aproximadamente 60 milhões de dólares. O principal objetivo da aquisição é a entrada da Avid em um novo mercado, o de cenários virtuais e grafismo, setores onde até agora não intervinha e se encaixam na estratégia comercial da empresa, lançada em 2014.
Como parte da sua estratégia Avid Everywhere, a empresa realizou pelo segundo ano consecutivo o Avid Connect 2015, um evento organizado pela Avid Customer Association para reunir aos seus parceiros de negócio. Nesta edição, Luois Hernandez, CEO da Avid, explicou a segunda fase da estratégia global da marca, lançada no ano passado.
Hernandez disse que a ideia continua sendo a de “criar um sistema participativo onde o workflow seja aberto e global”. Para isso, fez uma análise rápida sobre a experiência de como o vídeo é distribuído hoje e como os consumidores chegam a ele. Ainda explicou o fundamento do Avid Everywhere, pensado como uma plataforma colaborativa onde os conteúdos podem ser criados, distribuídos, maximizados comercialmente e com a maior eficiência possível.

“Em um mundo cada dia mais conectado é preciso aproveitar as oportunidades e a Avid está atenta a essa situação e pensa em como os seus clientes podem criar conteúdos e monetizá-los da melhor maneira”, afirmou o CEO da Avid ante várias centenas de presentes. “A solução está em criar “workflows inteligentes” e capazes de trabalhar de forma aberta”.
Ele apresentou ainda, agora formalmente, a nova forma de licenciamento do Pro Tools 12, que, segundo ele, marca um grande passo na história do software porque pela primeira vez seus usuários terão acesso a opções de licenciamento flexíveis. Além da compra da licença perpétua, os clientes agora podem escolher fazer a assinatura do Pro Tools 12 mensalmente ou realizar a compra completa com um plano de atualizações anual, tornando mais fácil estar com as atualizações em dia no mesmo instante em que elas são lançadas, sem pagar nada a mais por isso.
Desta forma, o Pro Tools 12, afirma Hernandez, mostra o comprometimento da empresa em proporcionar mais opções para os clientes acessarem e usarem suas ferramentas criativas. Ele ainda explicou os conceitos de Cloud Collaboration, Avid Marketplace e Avid Artist Community.
Avid Cloud Collaboration: um conjunto de fluxos de trabalho integrados que deixa mais fácil o trabalho em equipe de grupos de artistas e profissionais de áudio no mesmo projeto, em qualquer lugar em qualquer momento.
Avid Marketplace e Avid Artist Community: entrega uma conveniente experiência de compras dentro do aplicativo para o Pro Tools para Plug-ins e outros aplicativos de parceiros Avid Connectivity, e uma comunidade para conectar talentos com colaboradores, para comprar e vender conteúdo e para armazenar.

Veneu 6, novo switcher de áudio modular e escalável com conectividade total de Avid

Foi ainda apresentado mundialmente o Avid Artist / DNxIO, que trabalha com vídeo UltraHD, 2K e 4K, um desenvolvimento da marca em conjunto com a Blackmagic que permite o encoder de hardware em tempo real.

O CEO da AVID, Louis Hernandez redobrou a aposta na “estratégia Avid Everywhere” em Las Vegas

A companhia apresentou, também, o que denominou a nova geração de “venue”, o Venue S6L, um switcher de áudio modular e escalável com conectividade total para trabalhar com interfases touchscreem, com plug-in onboard e broad range.
Finalmente foi apresentado o ISIS 1000, uma plataforma de áudio que suporta Pro Tools, media Composer, Adobe Premier e Apple Final Cup Pro e que “foi criada para ser utilizada por pequenos produtores de vídeo e áudio”, afirma Hernandez.