• PT
  • EN
  • ES

Virtualização de serviços e armazenamento de conteúdo em nuvem

Vantagens da cloud são apresentadas para gerar melhorias nos workflows de broadcasters

O Congresso da SET, nesta terça-feira (25) no Expo Center Norte  o painel “Virtualização de Serviços”, moderado por Alexandre Sano e a participação de Daniel Galante (Credibilit), Paschoal D’Auria (IBM Brasil) e Skip Levens (Quantum).

“O tema discutido é importante para o mercado broadcast. A virtualização de serviços tem se tornado cada vez mais presente e trazido novas facilidades para o mercado” afirmou o moderador na abertura da sessão.

O primeiro a palestrar foi Paschoal D’Auria, executivo da IBM Brasil, pontuando a constante ruptura dos modelos de negócios. Segundo ele “algumas empresas estarão na liderança e farão a ruptura, enquanto outras sofrerão a ruptura”. Atualmente, disse ele, as decisões e os processos de trabalho são tomadas em tempo real na frente do cliente e baseados em dados; e que a todo momento surgem novas tecnologias para permitir maior mobilidade.

D’Auria apontou que o desafio das empresas é evitar tratar os modelos de implementação de nuvem pública e privada como ambientes separados; para ele é importante utilizar a nuvem híbrida. O profissional da IBM afirmou que o mundo caminha para “a utilização de cloud de setores, sendo vistos como um serviço”.

Segundo ele, “a lucratividade das empresas que utilizam cloud é quase três vezes superior a quem não utiliza este serviço; pois a empresa que opta por cloud está preocupada com que seu negócio e seu cliente, possam criar novos modelos de serviço. Esse mercado, no Brasil, vai crescer 40%; nesse ano.”

Daniel Galante, sócio – fundador e CCO da Credibilit, desenvolveu o subtema “Como o cloud computing é um ‘game changer’ para o mercado de mídia e entretenimento”. Ele iniciou sua palestra dizendo que o comportamento do consumidor está mudando, apontando que o tempo dedicado a vídeo digital cresceu, em contraposição a queda do tempo destinado à TV tradicional. Para ele a nuvem permite que empresas pequenas ou startups possam participar do mercado de mídia com grande flexibilidade de custos e agilidade. “A nuvem permite que as empresas sejam globais com alguns cliques”.

Galante mencionou também casos de aplicativos de segunda tela bem-sucedidos, pois “a resposta do público é rápida. O público está interessado”. Ele apresentou alguns modelos de ingestão de mídia que permitem a fragmentação de grandes arquivos para agilizar o upload para a nuvem, sendo eles o direct connect – permite a conexão entre o data center e a nuvem; o storage gater – permite que o storage seja virtualizado e faça uma cópia em cloud; e o import/export, que realiza conexão física por meio de pendrive ou HDs, por exemplo.

Quanto ao armazenamento e arquivamento, o CCO explicou a possiblidade de utilizar “discos SSD de alta performance, montados diretamente nas instâncias com funcionalidade de snapshot/clone; storage de objetos altamente escalável e durável; e armazenamento de objetos para períodos longos, similar a conceito de fitas”. Por fim, afirmou que “uns dos motivadores do uso de nuvem é a possibilidade do on-demand”.

A palestra de encerramento do painel foi realizada pelo diretor de marketing técnico em mídia e entretenimento da Quantum, Skip Levens, que mostrou uma definição “básica” de cloud: “nuvem é como um pendrive no céu.” Ele pontuou que atualmente, “quase todo mundo com conteúdo rico pode ter seu próprio canal de broadcast”, “o que pode ser assustador para as grandes broadcasters.”

Levens ainda apresentou um exemplo de workflow e questionou se o modelo de armazenamento em cloud é realmente a resposta para as empresas. Esta seria positiva, porém “a nuvem pode ser alavancada para prover eficiência e capacidade para sua empresa, mas deve se adequar ao seu workflow”.

A 27ª edição do Congresso da SET acontece de 23 a 27 de agosto de 2015 no Expo Center Norte, em São Paulo. Este é o Congresso mais importante das áreas de engenharias e novas mídias da América Latina reunindo especialistas dos Estados Unidos, Japão, Europa e América Latina, para debater e analisar a situação atual e as principais tendências em produção, transmissão e distribuição e contribuição de TV. Na edição deste ano o foco passa pelo desligamento analógico da TV e os temas relacionados com esta transição.

SET Expo 2015

A feira será realizada de terça-feira, 25 de agosto até quinta-feira, 27 de agosto. Este ano, o SET EXPO, Feira de Equipamentos, Tecnologia e Serviços aplicados aos Mercados de Broadcasting, Telecomunicações e Mídias Convergentes espera um público de mais de 15 mil visitantes entre profissionais, empresários e executivos do mercado de produção e distribuição de conteúdo eletrônico de multimídia, incluindo TV aberta e por assinatura, rádio, internet, indústria, produção e telecomunicações.

Mais de 200 expositores, representando mais de 400 marcas nacionais e internacionais vindos de países como Estados Unidos, Canadá, Israel, Coréia, Itália, Espanha, Chile, e muitos outros estarão presentes na edição 2015. Ainda a exposição contará com pavilhões internacionais do Reino Unido, Alemanha, Japão, Argentina e Escandinávia.

Como já é costume, siga a cobertura em tempo real do Congresso e o SET Expo na Revista da SET.

Equipe Revista da SET/ProEx Unesp: Julia Gonçalves, Nathane Agostini Filho e Fernando Moura, em São Paulo