• PT
  • EN
  • ES

Iluminação com LED – A Última Fronteira

A tarde de 26 de novembro de 2015 avançou com um excelente workshop ministrado por Ricardo Kauffman (SET/Energia), começou por referir a palestra anterior onde se falou de 4K. Ele disse que “o desafio é aumentar a qualidade cada dia mais, mas essa qualidade não se dá só numa parte da cadeia, não funciona, ela deve estar integrada em todas as partes, e nós aqui falaremos de luz, e sem ela não temos nada”.

Isso porque, segundo Kauffman, um dos fundadores da SET, depois de trocar os transmissores, de trocar as câmeras, de mudar a maquiagem e os cenários, chegou a vez da Iluminação. “Porque volto a referir que sem luz não há nada. Precisamos mudar a cultura da luz, o fotômetro e o colorímetro não são muito usados, agora se não tivermos um espectômetro, se não sabemos resolver qual é o espaço de cor, não teremos qualidade de imagem”.
Ele disse que embora tenha sido percebida por último, “mudar a Iluminação é uma questão fundamental. Não apenas por questões ecológicas, de economia na conta de energia e de compra de lâmpadas, mas fundamentalmente pela qualidade”. O espectro da luz a ser utilizado deve ser pleno, tanto quanto é plena a captação das novas câmeras HD, 4K e 8K e “deve ser LED não só por qualidade, mas também por uma questão ambiental e de gasto de energia”.

Kauffman explicou que é preciso definir os diferentes tipos de luz na hora de utilizar, explicando que não é igual “iluminar para os olhos ou para a câmera” e afirmando que “a qualidade de Luz precisa ter espectro”, por isso a escolha adequada passa por luminárias com Full Spectrum que possam mostrar o ângulo de iluminação correto. Por exemplo, ele disse que uma lâmpada de 1000lux com 70 graus é igual a uma de 5500lux com 35 graus.

Outro ponto do workshop foi o da quantidade de LED. Ele afirmou que “o número de LEDs não determina se a luminária é melhor, isso já perdeu o sentido, hoje não basta o número porque os painéis estão deixando de ser construídos, hoje trabalhamos com chips de LED, como se fosse uma lâmpada de alta intensidade produzindo uma única sombra”.

“O que faz a diferença nos LEDs é o fósforo que se utiliza neles. O paradigma da iluminação mudou” e com essa mudança, afirmou o palestrante, “a temperatura de cor e a luz de alta fidelidade aumentaram a sua importância. Já não basta ter todas as cores, elas devem ser contínuas e niveladas”.

O SET Sudeste 2015, Seminário de Tecnologia de Broadcast e Novas Mídias, Gerenciamento, Produção, Transmissão e Distribuição de Conteúdo Eletrônico Multimídia, se realizou no Auditório da Bolsa do Rio – Centro de Convenções Bolsa do Rio, na Praça XV de Novembro 20, Rio de Janeiro de 24 a 26 de novembro de 2015.

 

Por Fernando Moura, no Rio de Janeiro