• PT
  • EN
  • ES

Uma nova parceria para a SET

Durante as apresentações do último dia do SET e Trinta, o presidente da SET Olímpio Franco aproveitou o intervalo entre as palestras para chamar ao palanque Alexandre Jobim, presidente da AIR (Associação Internacional de Radiodifusão). Durante seu discurso, Jobim agradeceu o esforço técnico da SET e prometeu firmar formalmente uma parceria de cooperação mútua para trazer mais relevância às questões do setor.

“Sabemos que a SET é uma entidade com excelência em nível técnico e nós temos um imenso relacionamento e força política. Desta forma, quero colocar a AIR à inteira disposição da associação”, afirmou Jobim. O presidente disse ainda esperar firmar este acordo formalmente no retorno da NAB 2014.

Outra questão abordada por Jobim foi com relação ao atual problema do leilão da faixa dos 700 MHz. “Temos consciência do problema que o governo está gerando com esta pressa para vender a faixa para o 4G”, afirmou. “Estamos preparados para dar apoio jurídico e político para suportar o conhecimento técnico da SET neste assunto”, completou.

Roberto Franco, presidente do Fórum SBTVD

A AIR é uma associação que defende os interesses dos broadcasters no que diz respeito à liberdade de expressão e proteção ao direito autoral e representa mais de 15 mil emissoras nas Américas. Alexandre Jobim é o primeiro brasileiro a ser presidente da entidade nos últimos 22 anos.

Palavras do Fórum
Outra intervenção veio no fim do ciclo de palestras. Desta vez, Roberto Franco, presidente do Fórum SBTVD pediu a palavra para falar um pouco de tecnologia e das preocupações do broadcast no momento. “Todos nós precisamos nos envolver mais com as questões relativas ao setor, sobretudo ao próximo WRC 2015”, começou.

De acordo com Franco, os radiodifusores estão pagando pela apatia política dos últimos anos. “Em algum momento os broadcasters ficaram complacentes do que estava acontecendo, uma espécie de síndrome do patinho feio com relação às novas tecnologias”, afirmou Franco. “Esquecem porém, que as novas tecnologias são muito legais, mas precisam do conteúdo que o broadcaster tem. Não tem Segunda Tela sem a Primeira Tela”, explicou.

Por fim Franco exaltou o modelo brasileiro de Televisão Digital. “Vivemos um momento interessante por que os países que foram pioneiros na migração digital, agora correm atrás de atualizar os seus modelos, enquanto que nós com o ISDB-T estamos bem avançados e tranquilos. Nosso padrão já suporta todas estas tecnologias”, afirmou. “Além disso vemos o Japão puxando o modelo para frente. Acredito estarem no caminho certo ao fazerem a migração direto do 2K para 8K”, concluiu.