• PT
  • EN

Blackmagic URSA Mini Pro em turnê com Little Mix

Vídeos ao vivo dos shows da turnê europeia LM5 do Little Mix foram realizados com câmeras URSA Mini Pro e um ATEM 4 M/E Broadcast Studio 4K

A LM5: The Tour é a sexta turnê do girl group britânico Little Mix. Desde a estreia no WiZink Center de Madri em setembro, a turnê pela Europa totalizou 40 shows, com o grande final apresentado na Arena O2 em Londres.

A Blackmagic informou em comunicado que um fluxo de trabalho multicâmera foi empregado para aquisição e retransmissão IMAG, com duas câmeras URSA Mini Pro no fosso em uma dolly deslizante, mais duas unidades na frente do palco e outra mais elevada no fundo do casa de shows com uma lente Canon 96x 4K, o que permitiu captar a plataforma triangular que se deslocava pelo recinto.

Luke Levitt, da LED Shed produtora que realizou os vídeos disse que “geralmente usamos uma câmera no fosso, mas com tanta ação rápida no palco, contar com duas câmeras significava que poderíamos captar todas as coreografias. Nossa responsabilidade como diretores de vídeo é que todos os espectadores consigam ver o que está acontecendo, e é fundamental contar com o maior movimento de câmera possível para refletir essa ação”.

“Determinados trechos das músicas são cantados por integrantes específicas do grupo e isso precisa ser captado individualmente. Nós usamos storyboard e fazemos várias anotações a respeito do show durante os preparativos. Isso garante a cobertura dos momentos mais importantes do show”, continuou Levitt.

Havia oito telões no total: dois IMAGs nas laterais e seis LED no palco. “Contamos com uma parede hexagonal rodeada por quatro telas LED triangulares – que chamamos de cacos de vidro – e uma tela em formato de ‘V’ no teto”, explicou. “Todas feitas de módulos X5.2 da Desay.”

As imagens captadas pelas câmeras ao vivo foram integradas ao material desenvolvido pela Black Skull Creative, em parceria com a North House Productions. O show também contou com interlúdios audiovisuais, mostrando mensagens inspiradoras de empoderamento feminino e abordando as críticas que o grupo enfrentou em seus oito anos de existência.

As câmeras gravaram em 1080p25, porque “todas as telas eram 4K, e havia uns 50 milhões de pixels para preencher, portanto foi preciso aumentar a resolução das imagens. A mixagem visual foi feita com um ATEM 4 M/E Broadcast Studio 4K conectado a um ATEM 1 M/E Advanced Panel. Em seguida, todo o material foi enviado aos servidores multimídia D3, incluindo o conteúdo do show. Toda a integração e o aumento da resolução foram feitos com programas de D3”, finalizou.