• PT
  • EN
  • ES

Switch-over para a TV Digital

Carolina Duca (Globo) Fernando Gomes (EAD/Seja Digital) e Luiz Fausto (Gired/Globo) participaram do painel “Switch-over para a TV Digital” no auditório do Sebrae Fortaleza
© Foto: Gabriel Cortez

O painel “Switch-over para a TV Digital” abordou os desafios técnicos e operacionais que os broadcasters têm enfrentado no Nordeste para garantir o switch-off analógico. A sessão contou com a moderação de Esdras Miranda, diretor da Regional Nordeste da SET, e teve curadoria de Rafael Leal, coordenador do Grupo de Switch-off da SET. Carolina Duca, gerente sênior de tecnologia da Globo em Recife, apresentou informações sobre como a emissora se prepara para o desligamento, incluindo avaliação de cobertura digital, preparação das equipes técnicas e ações de divulgação para os demais colaboradores e para a comunidade.
O desligamento na região metropolitana de Pernambuco está marcado para o dia 26 de julho. A Globo Recife dividiu as suas ações em duas frentes: a validação da cobertura e a orientação do telespectador. “A validação é uma responsabilidade da área de tecnologia da emissora. Agora, a orientação ao público deve ser uma ação de todos os setores da empresa. Todos precisam estar engajados e todos precisam entender o processo”, afirmou. A gerente de tecnologia da Globo em Recife lembrou que as medições do sinal digital na região foram realizadas em parceria com o Mackenzie e explicou que eles oferecem um drive-test com uma antena omni. “A vantagem é que conseguimos medir one-seg e full-seg. É uma medida que minimiza a força-tarefa. Os pontos em que víamos que não tinha força de sinal íamos com uma equipe específica para medir com uma antena parada. Nós de tecnologia precisamos garantir a cobertura e saber garantir ao nosso telespectador o sinal digital”, ponderou.
Na opinião dela, uma grande dificuldade é convencer o telespectador a migrar. “Além das campanhas obrigatórias, a primeira coisa que fizemos internamente foi treinar todos os nossos funcionários e explicar o que era o switch-off. Cada funcionário se tornou um multiplicador. Com essa informação, a emissora ficou engajada e entendeu a importância do processo. Criamos boletins internos e batizamos a ação como ‘Venha ser digital’. As ações externas de comunicação e as parcerias também foram e estão sendo fundamentais. Contamos com a Seja Digital, com o Senai (no Patrulha Digital), com o Sesc e com a Cufa (Central Única de Favelas) e toda terça e quinta saímos às ruas com o pessoal do Senai para informar a população sobre o switch-off.”