• PT
  • EN

Osamu Yamada congratula broadcasters brasileiros pelos 10 anos da primeira transmissão digital

Osamu Yamada, Liliana Nakonechnyj e Fernando Bittencourt
durante o SET EXPO 2017

A primeira transmissão de TV Digital no Brasil ocorreu em São Paulo, no dia 2 de dezembro de 2007. Para celebrar a data, o engenheiro japonês Osamu Yamada – que, na época, comandava os laboratórios de desenvolvimento do ISDB-T na NHK e é considerado o “pai” do sistema – enviou uma carta de parabéns a todos os engenheiros brasileiros que participaram desta conquista

A seguir, a carta de Yamada à SET

Parabéns pelo 10º aniversário da Transmissão Digital Brasileira. Primeiramente, gostaria de dizer “Parabéns a todas as redes de transmissão brasileiras e membros da SET no 10º aniversário da Transmissão Digital Brasileira”. Eu sei que houve várias dificuldades, e vocês as superaram para iniciar de verdade o processo. Eu expresso meu respeito pela sua perseverança e determinação, e por terem dedicado seu tempo para fazer a seleção correta.

Me lembro que participei da cerimônia de abertura da Transmissão Digital Brasileira realizada na prefeitura de São Paulo em dezembro de 2007, e nesse ano participei no SE-TEXPO 2017, minha primeira desde 2008. Eu me senti como se tivesse voltado para minha segunda cidade natal. Eu estava muito feliz em rever vários amigos brasileiros novamente. Meus parabéns novamente.

Fui homenageado pela SET, no dia 21 de Agosto de 2017, com um prêmio pelas minhas contribuições ao desenvolvimento da transmissão digital brasileira e de 50 anos de atividades de tecnologias de transmissão. Eu gostaria de dizer muito obrigado a todos os membros da SET por esse excelente prêmio.

Tenho trabalhado em cooperação mútua com o Brasil desde 1998. Agradecimentos especiais aos membros da SET: Fernando Bittencourt, Olímpio Jose Franco, Robert Franco e Liliana Nakonechnyj. Com a cooperação deles, nós conseguimos estabelecer um relacionamento forte entre Brasil e Japão através da tecnologia de ISDB-T. Muito obrigado do fundo do meu coração.

Além disso, gostaria de expressar minha gratidão a todos os meus colegas japoneses, que trabalharam comigo na estação de transmissão pública japonesa, a NHK, à equipe e aos colaboradores do Ministério de Assuntos Internos e Comunicações do Japão (MIC), à Associação de Indústrias de Rádio por suas contribuições no desenvolvimento da ISDB-T. Eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para novamente dizer muito obrigado.

Por favor permitam-me fazer uma breve introdução do meu envolvimento no desenvolvimento e disseminação da ISDB-T. Eu estive engajado no desenvolvimento de transmissão digital por 31 anos nos Laboratórios de Ciência e Pesquisa de Tecnologia da NHK até 2002. Trabalhar em transmissão era muito empolgante para mim. Eu fiz vários temas de pesquisa, mas olhando para trás, eu percebi que todos os meus tópicos de pesquisa e temas estavam relacionados à ISDB-T.

Desde a década de 1970, eu estava encarregado de pesquisa e desenvolvimento da Teletext, na qual os sinais digitais são multiplexados com o intervalo de branqueamento da TV analógica.

Na década de 1980, eu estava engajado no desenvolvimento na transmissão FM multiplexada, que é capaz de recepção móvel. Com a experiência dos dois sistemas eu pensei que a transmissão digital terrestre deveria ser capaz de receber sinais digitais com recepção móvel. Em 1986, eu comecei a pesquisa em transmissão digital terrestre com foco em recepção móvel. Nós completamos o sistema ISDB-T e começamos a transmissão em 2003 no Japão. Ao todo, foram 17 anos desde o início da pesquisa até a primeira transmissão.

Meu primeiro encontro com o Brasil foi há vinte anos, em 1998, quando eu fui convidado à SET para introduzir a ISDB-T pela primeira vez. Naquele tempo, eu achava que as características do ISDB-T não eram compreendidas. Eu visitei o país mais de dez vezes até que o Brasil decidiu adotar o ISDB-T em 2006. Foram necessários oito anos para que o Brasil tomasse a decisão. Depois disso, a disseminação da tecnologia para outros países da América do Sul foi feita em conjunto com todos os membros da SET, o que resultou na assimilação da ISDB-T pela maioria dos países sul-americanos.

Tecnologias tais como comunicações, redes, processos de vídeo, dispositivos e outras envolvendo transmissão progridem rapidamente. Eu espero que engenheiros de transmissão aprofundem a troca de informações entre eles e estabeleçam a direção para as novas transmissões.

 

Obrigado.

Osamu Yamada