• PT
  • EN

NAB e SET tem uma ótima parceria

Chris Brown, vice-presidente da NAB

Entrevista exclusiva da Revista da SET com o VP da NAB, Cris Brown

por Tainara Rebelo, em Las Vegas

O futuro da tecnologia está acontecendo diante dos nossos olhos. Para acompanhar todas essas mudanças, precisamos estar atentos às tendências e possibilidades que surgem diariamente em todo o mercado, da produção à entrega. Ano a ano, o NAB Show tem se firmado como o principal evento de tecnologia do mundo. Em meio a tão velozes atualizações, Chris Brown, enumerou assuntos que não podemos deixar de acompanhar nesta edição.

SET: Estamos cada vez mais focados na convergência digital. No futuro, o NAB Show também será menos presencial e mais virtual?

Cris Brown: Boa pergunta. Penso uma coisa: que estaremos aqui ainda por um bom tempo, mas em um momento as coisas serão virtuais porque a tecnologia caminha para isso, a internet facilita isso, sem dúvidas. Entretanto, nós somos humanos e precisamos desse contato pessoal, uma interação. Mas o nosso negócio é altamente profissional e as pessoas gostam de fechar negociação cara a cara, com quem eles confiam. Por hora, estamos aumentando a transmissão em streaming, e tentando dar um outro formato aos assuntos transmitidos online por meio de inovações em captação de imagens, para diferenciar do que o visitante vê aqui. Acredito que a tendência é explorarmos cada vez mais essas possibilidades.

SET: A delegação brasileira foi a segunda em número de inscritos no ano passado. Como está a nossa participação este ano? Permanecemos no topo?

CB: Tenho certeza que continua no top cinco (5) das maiores delegações que temos, e isso é muito importante para que possamos entender o mercado brasileiro também. A delegação brasileira cresce a cada ano e nós vamos conhecendo vocês um pouco mais. Nós temos ótima parceria com a SET. Na verdade, é uma parceria que não temos com mais ninguém, mais firme do que com qualquer outra, arrisco dizer. O SET e Trinta é um dos mais antigos cafés da manhã que temos. E por causa disso, hoje mantemos mais de 160 conferências internas tais como o SET e Trinta durante a NAB Show, mas em menor dimensão, com um dia ou algumas horas de duração. Obviamente existem barreiras de comunicação, então é difícil para a gente dizer que todas podem ser igualmente absorvidas pela NAB, mas o que a SET faz no SET e Trinta, por exemplo, é brilhante. O conteúdo interessa a praticamente toda a delegação brasileira que vem ao evento e possui palestrantes brilhantes que são compartilhados pelo seminário da própria NAB Show. Considero uma oportunidade fantástica.

SET: No ano passado disse que a NAB vinha internacionalizando sua participação ao redor do mundo. Como têm sido essa experiência e como isso o faz se tornar ainda mais competitivo, comparando-se com outros eventos internacionais de tecnologia, como o IBC?

CB: No ano passado demos um grande passo: estreamos o nosso evento em Xangai, na China, e pretendemos continuar com com ele. Inclusive, acontece em junho este ano. Essa experiência nos permitiu aprender muito sobre como o mercado global sobrevive e em que estágio está. Estamos aprendendo um com o outro, em termos globais, quem está fazendo o quê e o que pode funcionar em cada mercado. A China é um mercado interessante porque eles estão começando a abrir mais oportunidades em broadcast e mídias digitais. Assim como na América do Sul, as demandas são diferentes. Mas posso afirmar que nós fomos além do que pensamos. Com isso estamos ampliando e melhorando nosso conteúdo nos outros eventos também e elevando o nosso nível.

SET: E quais são os planos da NAB para o futuro?

CB: Nos precisamos continuar a evoluir e a construir parcerias com outras entidades que tenham a ver com a NAB, não só na feira, mas também no congresso. Vamos evoluir no que for preciso. Precisamos nos mover rápido em direção ao que é novo. Dar oportunidades de trabalhar de maneiras diferentes com as Empresas. Para nós, isso significa estar em contato com o que também impacta no nosso dia a dia. Para você ter uma ideia, depois de fecharmos os tracks do evento, levamos cerca de umas duas semanas para fechar os assuntos que estarão de fato na programação. Esse cuidado é importante para escolher com cuidado o que será mostrado e ter a certeza de que todo o evento será importante.

São atitudes óbvias, mas na verdade não tão obvias quando você para para pensar. As coisas explodem e depois param de emergir, até que voltam com tudo. Para não levar este susto, precisamos monitorar, então nosso escopo de trabalho cresce a cada ano. Um exemplo disso é o 4k e 8k, e a infraestrutura em IP. Tem muita coisa evoluindo nisso todo dia, mas não é algo totalmente novo. Nossa mente fica trabalhando o tempo todo para não perder tudo isso até porque o mercado não para, então o NAB Show não para depois que o evento acaba.