• PT
  • EN

IBC 2019: Estado da arte do workflow IP

IBC 2019

Evento reforça tendência de padronização do IP e NMOS, uso de inteligência artificial e virtualização para aplicações de produção e eficiência operacional

por Fernando Moura e Paulo Galante

Luis Fernando Fabichak, general Manager da Sony Brasil, destacou a nova parceria da Sony com a Nevion, empresa da qual “a Sony fez aporte e investimento (compra) de boa parte das ações a fim de estabelecer soluções e projetos de fim a fim em IP com ST2110, de tal forma que as linhas de produtos e soluções se integram e se complementam, ofertando um portfólio de soluções mais abrangente para nossos clientes”

Cada ano o mês de setembro marca o início do ano europeu e com ele, o IBC que se realiza em Amsterdã mostra, de alguma forma, o estado da arte da indústria broadcast europeia e africana, já que o público vindo das antigas colônias francesas, belgas, holandesas, portuguesas, espanholas e britânicas, entre outras, tornam o encontro um grande mapa múndi, onde coabitam diferentes línguas, cores e tonalidades, mas com um objetivo comum, debater os principais assuntos de um mercado cada dia mais convergente e onde o broadband esta cada dia mais presente, tanto que os pavilhões são cada vez mais encontros de negócios e network com interfaces (telas de TV) para demonstrar workflows e sistemas dos mais diversos.
A edição 2019 do IBC, que se realiza no RAI Amsterdam Convention Centre recebeu 56.390 participantes, um pequeno aumento em relação aos 55.884 de 2018. Um número que cresce lentamente, mas o mais significativo na capital holandesa é que aumenta, também, o número de Millennials, integrantes da Geração Y, que são parte da indústria e que, como tal, participaram ativamente do evento. De fato, nesta edição os visitantes com menos de 35 anos superaram em 10% aos visitantes dessa faixa etária que visitaram a feira em 2018, o que demonstra entre outras coisas, cada vez maior envolvimento das novas tecnologias de comunicação no setor que já convive entre broadcast, broadband e sistemas de produção e distribuição híbridos. Este aumento, explicaram os executivos do IBC é “recorde”. De fato, na coletiva de imprensa de encerramento, Michael Crimp, executivo-chefe do IBC, disse aos jornalistas que “nas áreas de exibição, conferência e debates, e nos espaços de lazer o IBC2019 tem sido um conglomerado de redes, acordos, lançamentos de produtos, aprendizado e compartilhamento de ideias. Foi uma celebração da criatividade e dos fatores de mudança do setor, além de ajudar a identificar e enfrentar os principais desafios da indústria”.
Pensando nas mudanças da indústria e mais especificamente no mercado brasileiro, a Revista da SET convidou alguns dos players e integradores brasileiros para tentar entender o que viram e o que vislumbram para 2020. E, como eles olham para uma indústria em transformação onde a convergência já não é uma tendência, mas sim uma realidade.
De fato, quando à reportagem da Revista da SET perguntou a Luis Fernando Fabichak, gerente geral da Sony Brasil, como vislumbra o futuro da TV? O executivo disse que “a TV passa por grandes mudanças. A integração com as plataformas digitais de distribuição de conteúdo é a mais relevante. Os broadcasters cada vez mais passam a focar na produção de conteúdo com alta qualidade e diferencial principalmente do ao vivo, para concorrer com as plataformas. As tecnologias mais recentes de nuvem, inteligência artificial, virtualização de recursos e serviços, conectividade de dispositivos e IoT (Internet das Coisas) estão cada vez mais presentes no mercado broadcast justamente para permitir mais capacidade de produção com maior eficiência e redução de custos. Essas inovações tecnológicas que já começaram há algum tempo a desenhar a revolução industrial 4.0 chegou, agora, nitidamente no mercado de mídia e conteúdo. E os nossos clientes estão vivenciando essas mudanças e novo cenário que demandam novos desafios do ponto de vista de modelos de negócios com adoção de tecnologia para sustentar e viabilizar as inovações necessárias”.

 

Reflexão acompanhada pelo gerente de vendas da Seal Broadcast and Content, Eliesio Silva Junior, para quem o futuro da indústria de mídia e entretenimento “vai no sentido de mobilidade, disponibilidade, uma segmentação maior de produtos para consumidores que querem participar cada vez mais do processo de criação, multiplataformas em diversos formatos LD, HD, UD. Eventos ao vivo, já seja jornalismo ou esportes, ainda são um grande desafio para o novo negócio de mídia e entretenimento, porque a chegada de novas infraestruturas de acessos e distribuição como o 5G, irá tornar viável esta cobertura nos grandes centros urbanos, fora dos grandes centros urbanos ainda é um desafio”.
Para o experiente integrador e diretor Geral da Videodata, Rosalvo Carvalho, o futuro passa por “maior interatividade não somente para o uso em plataformas de dados analíticos e inteligência artificial (IA), mas como um engajamento focado no público mais jovem atuando, também, no aperfeiçoamento dos formatos de novas produções da tela de programação. Em shows e esportes onde a interatividade será mais atuante neste processo de evolução”.
O gerente Regional de Vendas da Ross Video, Amaury Pereira da Silva Filho, acrescenta que a maneira como se produz e entrega conteúdo mudou. “Hoje temos muitas mais opções de distribuição de conteúdo do que há alguns anos, o que na verdade é muito bom, dando acesso aos usuários de ver o que querem na hora que querem, mas é inegável a importância da TV Aberta ainda no Brasil, onde atinge praticamente 100% do território nacional com conteúdo de altíssima qualidade técnica, e em tempo real. Por isso, o futuro da TV e da geração de conteúdo é muito promissor”.

Mais de 56 mil profissionais da indústria se reuniram em Amsterdã

O que é compartido por Cristiano Barbieri, gerente regional de vendas da EVS. “De forma geral, do lado da tecnologia os grandes  investimentos serão em sistemas que permitam o compartilhamento de recursos produção e aumentem a eficiência entre as diferentes verticais dentro das organizações, e a mesma tecnologia vai permitir novas parcerias de negócios e agilidade no ajuste da estratégia de produção e distribuição de conteúdos”.
Entre os destaques da feira, Barbieri afirmou que passaram pela “consolidação da certificação IP SMPTE 2110 e NMOS nos produtos, uso de Inteligência Artificial em casos práticos na indústria, e uso de virtualização para aplicações de produção e eficiência operacional”. Visão similar a de Rosalvo Carvalho quem destacou “o crescimento significativo de empresas apresentando soluções de gestão de conteúdo com aplicações de inteligência artificial integrada a sistemas analíticos e cognitivos”, que focam na expansão do OTT na indústria broadcast. Ainda, afirmou o executivo, “a evolução natural das empresas com opções em Cloud, apesar do lançamento do LTO-8 como uma opção com ROI é plenamente justificável dependendo da aplicação”.
Em termos de IP, Eliesio Silva Junior, afirma que a indústria avança de pressa no “gerenciamento eficiente de fluxos de trabalho em diversos formatos de mídia em ambientes de gravação, produção e exibição; na consolidação de fluxos de trabalho totalmente digitais com entregas cada vez mais rápidas dos conteúdos em vários formatos para suportar uma variedade de plataformas de distribuição; com storages de alto desempenho, alta disponibilidade projetados para edição, renderização, e viabilizando editing places de formatos até UHD, e que trabalhem em tiers em SSD e HDD, se tornaram uma realidade trabalhando em conjunto com Object + Cloud + Tape”. Finalmente, acrescentou o executivo da Seal, é preciso avançar para “sistemas de controle e configuração de roteadores/switch de maneira transparente introduzindo novas GUIs intuitivas para configuração/gerenciamento/controle/operação” que se adequem “a projetos híbridos e 100% IP. Facilitando a escalabilidade do sistema”, e que de alguma forma, considerem a “distribuição e ou transmissão de sinal LD, HD e UD via internet pública e ou privadas”.

Novidades

Entre os principais destaques da Blackmagic Design em Amsterdã o ATEM Mini, e o Blackmagic Video Assist 12G. O primeiro um novo switcher de produção ao vivo de baixo custo, desenvolvido especificamente para viabilizar streaming ao vivo no YouTube e apresentações de negócios via Skype. O novo ATEM Mini “facilita a criação de produções multicâmera profissionais para streaming ao vivo no YouTube ou apresentações de negócios inovadoras via Skype. Basta conectar o ATEM Mini e os clientes podem fazer cortes ao vivo entre quatro entradas de câmera de vídeo de alta qualidade com imagens consideravelmente superiores”, explicou a empresa.
Para streaming ao vivo, o ATEM Mini tem uma saída USB que funciona como uma webcam, assim os clientes podem se conectar a qualquer software de vídeo. Ele também possui saída de vídeo HDMI para projetores. Com as entradas de microfone, é possível utilizar microfones de mesa e microfones de lapela de alta qualidade para entrevistas e apresentações.

Como anunciado na edição 187 da Revista da SET, a CommScope lançou no IBC 2019, o Wi-Fi 6 com dois devices de última geração para o seu portfólio RDK Video Accelerator: uma plataforma Smart Media Device (SMD) 7852 com conectividade Wi-Fi 6, bem como um IP Client VIP7802 com Wi-Fi 6. Ambos os dispositivos incluem recursos do AOMedia Video 1 (AV1) de alta faixa dinâmica (HDR)

Por sua parte, o Blackmagic Video Assist 12G adiciona monitoramento e gravação profissional a qualquer câmera SDI ou HDMI em todos os formatos HD, Ultra HD, DCI 2K e 4K. O novo design inclui inovações como telas mais brilhantes para trabalhos HDR, luz de sinalização, quatro escopos integrados, recursos de assistência de foco aprimorados, LUTs 3D e gravação nativa de Blackmagic RAW em câmeras compatíveis. Com 12G-SDI e HDMI 2.0 tanto no modelo de 5” quanto no modelo de 7”, os clientes obtêm suporte para gravação a partir de praticamente qualquer dispositivo em todos os formatos até 2160p60. Uma tela de toque mais brilhante garante uma melhor visualização das imagens ao gravar em filme digital HDR, ou ao gravar ao ar livre sob a luz do sol. “O novo design também conta com baterias atualizadas e suporta duas baterias série L padrão da Sony. Isto significa que o Blackmagic Video Assist 12G é e versátil e é a solução perfeita para a próxima geração de filmagens de cinema digital, masterização de produção ao vivo e testes e medições broadcast”, explicou a empresa na capital holandesa.

Existem duas versões do modelo Blackmagic Video Assist 12G, cada uma com uma interface inovadora que inclui botões de controle tradicionais e uma tela sensível ao toque para visualizar as gravações. O modelo Blackmagic Video Assist 7” 12G é o único que inclui dois compartimentos de mídia, mas os dois modelos incluem 12G-SDI para Ultra HD de taxas de quadro elevadas, entradas analógicas para áudio, gravação em discos externos USB-C, alto-falante no painel frontal e entrada para fones de ouvido na lateral. Os clientes também contam com dois compartimentos de bateria na parte traseira para montar baterias série L da Sony, obtendo alimentação suficiente para as telas HDR mais brilhantes e sistemas eletrônicos de velocidade mais elevada para Ultra HD. Uma fonte de alimentação universal de 12 V é incluída para uso no estúdio ou em locação.

O Blackmagic RAW 1.5 traz uma versão multiplataforma do Blackmagic RAW Speed Test, que agora está disponível para Mac, Windows e Linux. O Blackmagic RAW Speed Test é uma ferramenta de avaliação comparativa de CPU e GPU para testar a velocidade de decodificação de quadros Blackmagic RAW de resolução completa no seu sistema. Múltiplos núcleos de CPU e GPU são detectados automaticamente e utilizados durante o teste para que você obtenha resultados precisos e realistas. Os resultados são exibidos em uma tabela fácil de ler que mostra quantos quadros seu computador pode decodificar por segundo em todas as resoluções compatíveis.
A Ross Video anunciou upgrades nas suas soluções Acuity, Carbonite Ultra, Graphite e Ultrix. Destaque para uma nova versão do switcher de produção Acuity, agora na versão V9.1, que com o novo upgrade terá uma interface touch screen em 2RU com integração ao painel de hardware Ultritouch. Pela sua parte, upgrade para o Carbonite Ultra V3.0 que agora incluirá um reprodutor de canal dedicado para reprodução de mídia AVC MPEG-4 compactada diretamente de uma unidade de mídia USB conectada. Os usuários podem carregar clipes de mídia de qualquer tamanho em um pen drive ou USB, conectá-lo ao Carbonite Ultra e reproduzir esses clipes completos como parte de sua produção.
Outra solução com atualização é o Graphite V2.3. Com este upgrade de software, o sistema de produção integrado Graphite (que inclui um comutador de Carbonite, gráficos XPression reais e o mecanismo de áudio RAVE) adiciona canais de áudio de PC adicionais ao produto, permitindo que os clientes usem fontes de áudio geradas por computador, como áudio de uma apresentação do PowerPoint e/ou adicionar uma placa de som virtual Dante ou AES 67 para obter áudio sobre IP no sistema.
O gerente Regional de Vendas da Ross Video, Amaury Pereira da Silva Filho, afirmou que o Piero, empresa recentemente adquirida pela empresa canadense, “ganhou destaque na feira como a solução mais avançada em análise tática para esportes. O Piero faz hoje parte da linha de grafismo da Ross Video, uma vertical que cresce ano a ano. A linha Xpression hoje, contém desde geradores de caracteres a sofisticados sistemas de realidade virtual como o nosso Voyager, que foi demonstrado no estande do IBC impressionando não só pela qualidade gráfica, mas também pela simplicidade na operação”.

Câmeras

Em termos de câmeras, Luis Fernando Fabichak, General Manager da Sony Brasil, destacou o lançamento da câmera de produção com senhor Full Frame da linha PXW-FX9 que oferece “grande flexibilidade de produções de alta qualidade em HD, 4K, HDR e High Frame Rate com baixo custo e ergonomia para produção de externa, cinematografia digital, produção de documentários”. Também foi anunciada uma camcorder modelo PXW-750 com 3 sensores CMOS 4K de 2/3” e Global Shutter para complementar a linha da família XDCAM , que incorpora todas as tecnologias mais recentes como suporte a 12G-SDI e contribuição sem fio por redes 4G nas plataformas do XDCAM Wireless e XDCAM Air.
Na linha de produção de estúdio e eventos ao vivo, “complementamos o lineup de câmeras com opções que vão desde o HD, passando por HD-HDR, pelo 4K, 4K HDR e até mesmo High Frame Rate e o 8K. Isso permite um leque de opções, e portfólio para a produção ao vivo com as mais variadas opções de soluções para as diferentes demandas e orçamento de nossos clientes. Além disso, ainda para produção ao vivo temos novas soluções na linha dos switchers XVS que permitem operações compartilhadas e virtualizadas de recursos de produção e operação”, afirmou o executivo da Sony Brasil.

 

Produção ao vivo

A LiveU lançou a primeira unidade de Cellular Bonding 5G integrada para cobertura ao vivo, o LU600 5G que integra modems 5G internos e antenas de alta eficiência com a tecnologia 4K HEVC e antenas de alta eficiência que cobrem todas as frequências sub 6 GHz para 5G e 4G, integradas à premiada tecnologia 4K HEVC da LiveU. O LU600 5G oferece aos clientes a solução de transmissão celular mais poderosa, confiável e à prova de futuro.
Samuel Wasserman, CEO e co-fundador da LiveU, disse que a empresa “sempre esteve na vanguarda da tecnologia de transmissão. Com o 5G sendo implementado rapidamente nas principais cidades do mundo, estamos mais comprometidos do que nunca em permanecer na vanguarda. Nossa nova solução LU600 5G com modems 5G integrados aproveita ao máximo as velocidades mais rápidas e a alta largura de banda garantida oferecida pelas redes 5G da próxima geração”.
Suportando frequências celulares 5G em todo o mundo, o LU600 5G permite que os usuários desfrutem de todos os benefícios das novas redes, incluindo o menor delay, a mais alta qualidade e resolução de vídeo e carregamentos rápidos de arquivos, mesmo em áreas congestionadas. A latência superbaixa ativada pelo 5G é particularmente benéfica para produções esportivas ao vivo em 4K. A cobertura de alta qualidade continua perfeitamente quando o 5G não está disponível, por exemplo, em áreas rurais ou durante a construção da rede. Se a produção ao vivo cruzar áreas não 5G, a unidade LiveU usará automaticamente as redes disponíveis suportando qualquer combinação de modems 3G/4G/5G.
Para produção ao vivo, a EVS, empresa belga especializada neste tipo de serviços lançou o Overcam, um sistema baseado em inteligência artificial, o VIA Mind, mecanismo desenvolvido pela empresa, que “faz o controle automático de câmeras PTZ (Controle de PAM, Tilt e Zoom) em produções de futebol. O sistema permitirá a redução de custos de produção de forma geral”, explicou Cristiano Barbieri à reportagem. O Overcam ganhou o prêmio IABM BaM (International Trade Association for broadcast & media technology) no IBC 2019 pela solução de “rastreamento inteligente que “permite analisar os principais parâmetros do jogo e direciona as câmeras de forma automática para enquadrar a cena”. O executivo ainda reforçou a importância do servidor XT-VIA que “esteve em destaque com novos recursos como a possibilidade de Upscaling 1080 para 4K/UHD on-the-fly durante a produção, e novos Codecs 4K/HDR disponíveis”.

O software Reality 2019.3, da Ncam para realidade aumentada inclui mais de 50 novos recursos e mais de 60 melhorias que foram demonstradas no IBC

12G-SDI, HDR, 8K, 4K

No contexto do 5G, a AJA revelou novas soluções 12G-SDI, HDR, open-Gear e IP apostando em simplificação dos fluxos de trabalho HDR, 8K, 4K, UltraHD, HD e IP com novos produtos e atualizações. Entre eles, destaque para o HDR Image Analyzer 12G, o KUMO 6464-12G para roteamento, bem como os novos modelos de I/O Corvid 44 12G.
A empresa, também introduziu o frame sync FS-Mini compativel com três novos cartões openGear incluindo o OG-ROI-DVI e OG-ROI-HDMI. Além disso, a empresa disponibilizou aos seus clientes atualizações do software KONA, Io e T-TAP, suporte UltraHD para receptores IPR Mini-Converter e aprimoramentos do sincronizador de quadro FS4.
Ainda, apresentou o seu analisador de imagem HDR 12G, desenvolvido em parceria com a Colorfront, o HDR Image Analyzer 12G traz conectividade 12G-SDI à plataforma de monitoramento e análise HDR em tempo real. O novo dispositivo oferece monitoramento e análise de formas de onda, histograma e vetorescópio para conteúdo 4K/UltraHD /2K/HD, HDR e WCG para transmissão e produção OTT, pós-produção, controle de qualidade e masterização.

Codecs ProRes RAW e DNx agora suportados pelo Avid Media Composer

Codecs ProRes RAW e DNx

Avid anunciou no IBC 2019 que o sistema de edição Avid Media Composer passou a suportar o codec Apple ProRes RAW de forma nativa, além reproduzir e codificar arquivos ProRes na plataforma Windows. Ainda, foi confirmado que a Apple disponibilizará decoders de 64-bit para DNxHR e DNxHD através do pacote Pro Video Formats, com download gratuito.
Avid explicou que “estas integrações economizam o tempo de editores e pós-produtoras na criação de conteúdos com a qualidade do ProRes, independente do sistema operacional adotado. O alto desempenho alcançado pelo codec garante edição em tempo real sem complicações e com resultados excepcionais.”
De fato, explicou a CIS Group, a distribuidora local, a disponibilidade do ProRes para usuários do Avid Media Composer no Windows permitirá ainda trabalhos em SD, HD, 2K, 4K ou formatos maiores, preservando as características das imagens, sem consumir grandes espaços de armazenamento. Seja em macOS ou Windows, “o suporte nativo ao ProRes RAW traz os benefícios da compressão ProRes aplicada aos dados em RAW gerados pelos sensores das câmeras, com ganhos na flexibilidade de edição, performance e distribuição em alta resolução”.

 

A Glookast destacou os recursos da sua “Media Layer Plataform”

Mercado de satélites

Hispasat apresentou seu serviço de vídeo sob demanda por satélite “Push VoD”, e demostrou, ainda, os últimos conteúdos em formato 4K do canal de televisão “HISPASAT 4K”, disponível em aberto através do satélite HISPASAT 30W-5 na sua cobertura europeia. Esta solução tecnológica permite aos fornecedores de telecomunicações oferecerem aos seus clientes uma interessante seleção de conteúdos audiovisuais através do seu dispositivo móvel (tablet, smartphone ou notebook) que podem ser armazenados no decodificador do usuário. Para receber este sinal, basta instalar uma pequena antena de recepção de satélite e um equipamento de usuário na embarcação.
Em Amsterdã, a Eutelsat anunciou que o seu satélite 117 West A foi selecionado pela Orby TV para novo serviço de DTH que se trata do primeiro serviço no modelo “pay-as-you-go” de TV por satélite a ser lançado nos Estados Unidos. O acordo entre as empresas, com duração de vários anos e utilização de vários transponders, foi anunciado no primeiro dia de exposição, após o recente lançamento do modelo econômico da Orby TV nos Estados Unidos.
A Orby TV está alavancando a cobertura de banda Ku do EUTELSAT 117 West A nos Estados Unidos para distribuir seu serviço de televisão via satélite estruturado com a flexibilidade do modelo pay-as-you-go, além da oferta de inúmeras redes populares, canais locais gratuitos, sem compromisso com verificações de crédito ou contratos, explica a empresa em comunicado.

 

A cada ano o estande da AWS no IBC é maior e oferece mais soluções de virtualização

Iluminação

ARRI demonstrou no IBC os novos recursos para o aplicativo de controle de iluminação Stellar. A Solução agora disponível com novos recursos que permitem melhor colaboração e troca de iluminação. Disponível em smartphones e tablets iOS e Android. A aplicação inteligente da ARRI para controle de iluminação profissional permite sincronizar e compartilhar com a nova versão do Stellar 1.5, incorporando mais colaboração e troca entre equipes e dispositivos. O Live Sync Beta permite o compartilhamento de projetos, cenas e favoritos. O iCloud Backup e muitas outras melhorias estão disponíveis agora.
O Live Sync Beta no Stellar 1.5 é um novo recurso interessante que permite a colaboração em tempo real entre o Stellar em dispositivos separados. Permitindo que vários usuários trabalhem no mesmo projeto e cena simultaneamente, o Live Sync agora suporta a capacidade de trabalhar de maneira colaborativa no mesmo arquivo. Os usuários podem ajustar o mesmo equipamento ou diferentes aparelhos, enquanto as alterações são sincronizadas em segundo plano à medida que ocorrem. O processo de configuração é fácil, direto e pode ser realizado em menos de alguns minutos.

IP para soluções broadband

Mediaproxy apresentou o que denomina a próxima geração de registros e monitoramento LogServer. Fabricante de software destacou em Amsterdã as atualizações recentes do sistema de registro, monitoramento e análise de IP LogServer que suporta os padrões SMPTE ST 2022-6 e ST 2110 (mídia não compactada sobre formatos IP). “Ambos foram implantados em campo para atender ao crescente uso de novos formatos IP não compactados. A Mediaproxy está oferecendo aos usuários finais maior flexibilidade usando esses formatos, mesmo em ambientes virtuais e em escala”, informou a empresa.
A solução, agora, suporta o protocolo de controle Ember+, que “aprimora ainda mais a automação de monitoramento e oferece maior redundância. Outra atualização é a capacidade de trabalhar com o multiviewer interativo Monwall IP da Mediaproxy”, explicaram os executivos à reportagem da Revista da SET.