• PT
  • EN
  • ES

Eficiência Energética x MER x área de cobertura

Glenn Zolotar (Hitachi Kokusai Linear), na apresentação “Eficiência Energética x MER x área de cobertura”, afirmou que melhorar a eficiência energética dos transmissores é uma forma de fazer economia e reduzir custos em uma emissora. “Eficiência energética é a relação entre a energia consumida da rede elétrica e a energia efetivamente transmitida na forma de sinal. Os transmissores Classe AB têm uma eficiência que fica entre 9% e 16%”, ressaltou o palestrante. “Essa eficiência total, é importante dizer, deve ser medida após o Filtro de Saída. Os Classe AB trabalham abaixo da faixa P1dB. Com a pré-correção, é possível corrigir as distorções e ter uma MER alta, tipicamente 40dB”, disse.

Glen Zolotar (Hitachi Kokusai Linear) afirmou que melhorar a eficiência energética dos transmissores é uma forma de fazer economia e reduzir custos em uma emissora

Glen Zolotar (Hitachi Kokusai Linear) afirmou que melhorar a eficiência energética dos transmissores é uma forma de fazer economia e reduzir custos em uma emissora

Para melhorar a eficiência dos transmissores, a tecnologia Doherty tem sido amplamente empregada, lembrou Zolotar. “Um transmissor que usa amplificação Doherty tem uma MER (Modulation Error Ratio) mais baixa do que um de Classe AB, em compensação, ele apresenta um menor custo de operação devido a um consumo reduzido de energia elétrica. A eficiência pós-filtro de um transmissor Doherty fica entre 20% e 30%, tipicamente. Em um ano, é possível fazer uma economia de R$ 42 mil reais utilizando um transmissor E-Compact Alta Potência ISDB-T de 2400 Watts após o filtro ao invés de um transmissor Classe AB de 2400 Watts”.

Além da economia direta, segundo o palestrante, há também uma economia indireta com os transmissores Doherty, porque, para transmissores de mesma potência, em relação ao Classe AB, há uma redução de 30 a 40% na dissipação térmica, o que trará uma economia de energia com a utilização de ar condicionado. Essa menor dissipação térmica também permite que se coloquem mais transistores em um módulo de amplificação gerando uma economia de espaço, devido à maior densidade de potência.

Por trabalhar mais próximo da região de saturação, os transmissores Doherty tendem a ter uma MER mais baixa quando comparados aos Classe AB. “Normalmente, opera-se com MER de 35 dB a 38 dB, podendo também alcançar 40 dB. Além disso, a MER está diretamente ligada à área de cobertura de um transmissor. Em uma área de cobertura com raio de 10 Km, temos redução de 69m ao reduzir a MER de 40 dB para 35 dB, e redução de 12m para MER de 38 dB”’, explicou.

Esta relação de MER e eficiência, na opinião de Zolotar, deve ser analisada para cada aplicação já que existem casos em que uma MER de 35dB atende perfeitamente as necessidades do radiodifusor e existem casos em que uma MER maior se faz necessária. “Quando consideramos redes SFN, Gap Fillers ou aumento na margem de confiabilidade do sistema, uma MER mais alta pode fazer sentido. Se queremos uma MER maior, a eficiência será menor.

Se queremos uma eficiência maior, a MER do transmissor deve ser menor. É uma decisão que deve ser analisada caso a caso. Com a nossa linha E-compact, conseguimos ajustar o ponto de operação do transmissor para priorizar MER ou eficiência energética”, concluiu.