• PT
  • EN
  • ES

Congresso de Tecnologia foca em IP, desafios do mercado e UHDTV

Neste ano, a 29ª edição do Congresso de Tecnologia do SET Expo 2017 terá como carro chefe a tecnologia para mídia e assuntos regulatórios brasileiros. Também estarão em evidência os desafios para o setor de negócios com a mudança do comportamento do espectador da televisão aberta

por Redação

Congresso SET Expo reúne há três décadas moderadores e palestrantes de referência no mercado e na academia, tanto nacional como internacional, para discutir, analisar e debater a indústria audiovisual brasileira e mundial. Cada ano, o Congresso é essencial para muitos engenheiros e profissionais pela elevada geração de conhecimento e pela hipótese de estes encontrarem soluções nas diversas áreas de comunicação geradas pelas qualificadas apresentações e cases oferecidos pelos painelistas.
O 29º Congresso de Tecnologia — que se realiza de 21 a 24 de agosto, no Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte — reunirá cerca de 1.500 participantes e 200 palestrantes para discutir as principais tendências tecnológicas para toda a cadeia de broadcast e audiovisual.
“A importância do SET Expo está consolidada por ser um mix brasileiro dos grandes tópicos que estão presentes nas feiras de tecnologia mundial. Para que eles tenham uma maior correspondência com o mercado brasileiro, nós na SET os adaptamos para que não deixem de atender às necessidades nacionais, mas incluímos também os principais assuntos de tecnologia, como ATSC 3.0, transmissão em 4/8K e novidades como drones, realidade virtual e aumentada”, explica o Diretor de Tecnologia da SET, Carlos Fini.

A tradicional cerimônia de abertura esta marcada para a terça-feira, 22 de agosto às 9h  © Foto: Fernando Moura

O coordenador da Grade de Programação do Congresso, Celso Hatori explicou à Revista da SET que SET“ o que há de diferente hoje é que a TV está com uma preocupação muito maior com o espectador, que passou a ser também usuário de outros serviços de mídia audiovisual. E ele não é apenas um consumidor, mas também interage com a programação oferecida. Os conteúdos que há poucos anos atrás só chegavam pela TV aberta ou à cabo chegam hoje por ‘n’ maneiras (celular, smartv, streaming, download etc.), gerando um mercado muito competitivo”.
Para montar a grade de programação, ao longo do ano a diretoria da SET visita as mais importantes feiras nacionais e internacionais em busca de tópicos que estão nos maiores congressos mundiais. Na grade preliminar desta edição, constam tracks existentes em Congressos como IBC, NAB, CES, MEDIA STREAMING.“
Por outro lado, o SET Expo engloba os assuntos do momento no mercado nacional. Para o 29º Congresso de Tecnologia, selecionamos assuntos de padrões técnicos, entrega de conteúdo digitalmente (OTT, streaming on demand), switch-off, migração do rádio AM/FM, acessibilidade, e toda abordagem no enfoque mais moderno possível existente no mercado”, aposta Hatori.

Produção em IP
Os engenheiros de TV terão que aderir a esse mundo de tecnologia da informação, que não só facilita a produção em si como barateia os custos. “A tecnologia permite que se use equipamentos de prateleira para montar a estrutura de produção e edição a um custo mais barato e de muita eficiência. Entretanto é um mundo pouco conhecido e, no nível que a TV exige, precisa ter um controle de qualidade muito bom”, explica Hatori.
O painel “Novas plataformas e Infraestrutura. Melhores Práticas e Novas Fronteiras do Vídeo OTT”, analisará como entre 2010 e 2017, mais de 200 plataformas de vídeo OTT foram lançadas na América Latina e no Brasil, que já ocupa o 7º lugar em visualização de vídeos online e se tornou um dos principais mercados.
O painel debaterá o status atual de desenvolvimento, as melhores práticas e as novas fronteiras tecnológicas, como a computação cognitiva. “A maturidade do uso de OTT aponta para a necessidade de serviços que vão muito além da oferta de VOD, de Catchup TV e de streaming ao vivo”, explica o moderador Salustiano Fagundes, CEO da HXD OTT Solutions.
Haverá também um workshop sobre a tecnologia onde o evangelista (nome dado ao profissional de TI que defende uma ideia ou novidade tecnológica) da empresa multinacional Grass Valley, Robert Erickson, ministrará “Teoria IP: da produção à prática”. Ainda, o gerente de engenharia da EBC, José Antônio de Souza Garcia, será o moderador do painel “Produção ao Vivo IP: Status, Evolução e Melhores Práticas”, onde trará o debate sobre como a engenharia da televisão pode traçar um caminho para a transição da atual tecnologia SDI em direção ao futuro do fluxo de trabalho totalmente em tecnologia IP.

Controle e qualidade em distribuição IP
A mesa moderada por GIlvani Moletta (diretor técnico da Fundação Padre Anchieta) abordará diferentes pontos da avaliação e controle de qualidade de distribuição por IP. “Em um cenário de inevitáveis mudanças tecnológicas que proporcionam significativo período de transição, vamos explorar os desafios do controle de qualidade (Quality Control) nas mais diversas etapas de produção e também nas inúmeras formas de distribuições por IP”, explica.
O painel contará com três palestras. A primeira ministrada por Renan Cizauskas, diretor executivo da Asccent do Brasil, falará sobre os desafios e soluções de segurança das redes aplicadas à televisão. A ideia é explorar as melhores práticas e metodologias, protocolos e novos recursos, do design das redes para transporte de vídeo IP ao suporte técnico do dia a dia.
Na sequência, Eliésio Silva Júnior (Regional Video Sales Leader para a América Latina da Tektronix) ministrará a palestra “Soluções de referência, testes, medições, monitoramento e controle de qualidade em IP”, na qual serão respondidos questionamentos como “Por que ainda usamos SDI?” e “Por que vídeo por IP?”. Finalizando o painel, Samuel Yuen (executivo da Akamai Technologies responsável pela mídia e entretenimento vertical na América Latina) apresentará tendências em TV ao vivo linear e seus desafios associados.

Cloud e virtualização – o que esperar?
Os serviços de cloud e a virtualização de hardware têm evoluído nos últimos anos no mercado de mídia e entretenimento devido a uma intensa busca por redução de custo e eficiência operacional dentro das companhias. No SET Expo 2017, o tema será tratado dentro do painel “Cloud e virtualização: realidade cada vez mais presente na operação das emissoras e produtoras”.
Alexandre Sano (vice-diretor de eventos da SET e gerente de engenharia do SBT) será o moderador do painel, que contará com a presença de Washington Cabral (Client Technical Advisor for Media & Entertainment na IBM). Ele falará sobre como a transformação digital no setor de mídia e entretenimento vem transformando a maneira com que fornecedores e broadcasters pensam, desenham e comercializam produtos e experiências.
Felipe Domingues (Arquiteto de Soluções na SAM), e Eduardo Rezende (Arquiteto de Soluções na AD Digital) também palestram na sessão. O primeiro apresentará a palestra “Software defined solutions”, na qual explicará que a dinâmica do mercado trouxe incerteza para o setor de mídia, fazendo com que as empresas precisem de sistemas ágeis que possam escalar para cima e para baixo de forma rápida e econômica. Já Rezende fará uma provocação ao público, propondo que “A cloud irá matar metade de nós… e salvar o resto!”.

A SET espera receber várias centenas de congressistas na 29ª edição do Congresso de Tecnologia do SET Expo 2017 © Foto: Fernando Moura

Segurança
Outro tema em evidência é a segurança no mercado audiovisual. “É questão prioritária e que vem ganhando espaço na parte de transmissão audiovisual e broadcast, que usa a rede para enviar conteúdo”, explica Hatori.
O painel, “Novas plataformas e Infraestrutura. Cyber Security: Segurança da informação e privacidade dos dados para o mercado audiovisual”, é um dos destaques reunindo especialistas para discutir a segurança de dados e dos sistemas.
“Depois da digitalização do mercado audiovisual, desenvolver corretamente as estratégias de segurança da informação e privacidade dos dados não é uma despesa e sim um investimento obrigatório. Atualmente, arquivos de áudio e vídeo são distribuídos em diferentes plataformas e dispositivos, principalmente com o crescimento da IoT. É um monitoramento constante de ameaças, vulnerabilidades, riscos e impactos”, descreve o moderador Emerson Weirich, diretor da SET.

Em 2016 o Congresso SET Expo contou com mais de 200 palestrantes de renome internacional, este ano os números serão semelhantes
© Foto: Fernando Moura

Produção
O mercado de produção tem se reinventado com as tecnologias UHD e HDR, que são relacionadas à produção de imagem. Muitas emissoras já estão fazendo produção neste formato e encontram desafios na qualidade de transmissão, que exige banda maior.
O painel “4K e 8K: estado de arte, casos de produção e mercado de exibição”, abordará as inovações e tecnologias que apontam para transformações da semiosfera televisiva, incluindo produções audiovisuais em múltiplas plataformas, múltiplas telas, múltiplas janelas, múltiplos produtos e múltiplos serviços.
“Além do enfoque tecnológico de padronizações e sistemas, serão apresentados também ‘casos de produção’, com seu estado da arte, workflows e aspectos da discussão técnico/estética e da realidade do mercado brasileiro de exibição”, explica o moderador do painel, Almir Almas, professor da Universidade de São Paulo e vice-diretor de Cinema da SET.
Para o painel, foram convidados José Francisco da Silva Neto (DOT Cine), com a palestra “Workflow – tecnologia, realização e finalização”; Paulo Barcellos (O2 Filmes), que apresentará aspectos da produção e do uso da tecnologia de UHD; Claudio Peralta (Conspiração Filmes), que falará sobre aspectos de workflows e efeitos visuais em diversos conteúdos; e Luiz Gonzaga de Luca (Cinépolis), com o assunto “Estado da arte do mercado exibidor e o futuro tecnológico das salas”.

Inovação e tecnologia disruptiva
A realidade virtual e as novas tecnologias relacionadas às mídias sociais também receberão destaque no congresso deste ano, em sessão que englobará a aproximação do mercado de tecnologia com os criadores de conteúdo. Outro painel relacionado é o que discutirá “Inteligência Artificial e Entretenimento: fazendo a Realidade Virtual uma realidade”.

Tecnologia 5G
A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (ABERT) em uma das parcerias da SET, realizará uma palestra sobre o 5G. “Nos congressos de tecnologia em todo o mundo, o assunto tem atraído uma atenção especial dos participantes”, afirma o diretor de Televisão da ABERT, Paulo Ricardo Balduino, que vai conduzir o painel que terá a presença de executivos de empresas mundiais que estão liderando as pesquisas e o desenvolvimento do 5G.
“Esperamos dar aos participantes um panorama bastante realístico do 5G. Além disso, pela primeira vez, haverá o mesmo tempo dedicado para palestra e perguntas, o que vai permitir que os participantes tirem todas as dúvidas sobre a tecnologia”, diz Balduino.

As conhecidas Hot Session atraem grande número de congressistas pela sua qualidade. Na edição 2017, destaque para “Destinos e evolução da TV” que será moderada por Fernando Bittencourt, diretor Internacional da SET, e terá como palestrantes a Lisa Hobbs, Commercial Portfolio Strategy – Compression Solution Area Media da Ericsson; Skip Pizzi, VP de Educação Tecnológica e Outreach da NAB; Masayuki Sugawara, presidente DiBEG ( Digital Broadcasting Expert Group); e Simon Fell, director of Technology & Innovation da EBU © Foto: Fernando Moura

 

Realidade virtual (VR)
Com o tema “Fazendo a Realidade Virtual (VR) uma Realidade!, a mesa reúne representantes do Google, Samsung e O2 Filmes com moderação de Daniela Souza, diretora de Marketing da SET e SVP da AD Digital, para a qual “o desenvolvimento da tecnologia de VR deu vida a todos os nossos sonhos criativos. Criadores de conteúdo podem orientar um espectador através de uma experiência imersiva com potencial quase ilimitado e transportar o consumidor para um lugar neste mundo ou qualquer outro”.
A ideia é que todas as etapas de produção da realidade virtual sejam contempladas. O equipamento (Samsung), o conteúdo (O2 Filmes) e a distribuição (Google). Alberto Menoni, Head of Broadcast, Media da Google Entertainment and Telecommunications, explicará os modelos de negócio e a relação com o consumidor na palestra “A visão do Google sobre o Ecossistema do VR”, nela o palestrante se questionará: “Onde estamos atualmente? Até onde chegamos e quais os desafios que a indústria de VR enfrentará antes de realmente ser adotada pelas massas?”. O executivo acredita que “a indústria também está focada em resolver alguns dos desafios que a VR está enfrentando atualmente: aumentar a descoberta de conteúdo, diminuir a fragmentação da plataforma e criar cada vez mais interesse entre os consumidores”.
Renato Citrini, Product Marketing Manager da Samsung, vai trazer o ponto de vista do fabricante na palestra “O que já é real na Realidade Virtual”. Entre os assuntos que serão tratados, estão os óculos de realidade virtual, as câmeras de 360° para o consumidor final, a capacidade de processamento dos smartphones e os conteúdos disponíveis nas plataformas Facebook e YouTube.
Por fim, o diretor da O2 Filmes Ricardo Laganaro mergulhará no universo das “Narrativas imersivas: o presente do storytelling”. O cineasta tem, entre seus projetos, o clipe O Farol, de Ivete Sangalo, o mais visto no mundo no formato VR/360° em 2016, além de peças publicitárias que já totalizaram mais de 60 milhões de visualizações. Seu documentário “Step to the line”, filmado em VR em prisões de segurança máxima dos EUA, fez parte da seleção oficial do Festival de Tribeca 2017 e foi compar-tilhado até por Mark Zuckerberg.