• PT
  • EN

NAB 2018: Harmonic aposta em soluções na nuvem com cases de sucesso e novos serviço de OTT

Empresa afirma que a nuvem é uma “promessa” da companhia para a sobrevida das empresas, e uma “necessidade” se elas pretendem evoluir e continuar na indústria

Harmonic apresentou, na véspera da abertura da NAB 2018, uma nova solução de OTT em parceria com a Vidgo baseada na solução VOS da companhia. “Desenvolvemos uma nova solução de processamento” porque “a nuvem é uma estratégia de investimento. Acreditamos na mudança e na disrupção, porque isso vai gerar desenvolvimento de negócios a nossos clientes e nos vai trazer novos usuários”, afirmou em coletiva à imprensa, Jean Macher, gerente de Marketing da companhia.

O executivo disse que para a empresa, o UHD HDR para Live OTT é possível. Para isso, em parceria com Vidgo, desenvolveu uma nova solução baseada em SaaS com baixa latência no workflow UHD-HDR, o que permite que o broadcaster realize transmissões ao vivo por streaming.

O serviço de OTT ao vivo é possível, afirmaram os executivos no Las Vegas Convention Center, com a solução VOS SW Cluster lidando com todos os componentes do processamento de mídia em uma nuvem privada, “o Vidgo pode lançar rapidamente um conjunto completo de serviços de streaming de vídeo, com agilidade e escalabilidade”.

Segundo Macher, Vidgo está pronta para apresentar seus serviços OTT para o mercado dos Estados Unidos ainda este ano, com uma atraente linha de canais, modelo de preços, e experiência de transmissão ao vivo de alta qualidade.

Na transição para o ATSC 3.0 em parceria com a Pearl TV, a Harmonic desenvolveu um sistema hibrido Broadcast e Broadband que utiliza a solução Electra e ATSC 3.0, ao mesmo tempo, gerando distribuição por ar e por IP, simultaneamente, que podem ser recebidas tanto em aparelhos broadcast como broadband. “No ATSC 3.0 trabalhamos com distribuição bidirecional”.

Finalmente, destaque para o playout na nuvem como o utilizado pela Fuji TV, usando tanto nuvem pública como privada. O processo começa na Fuji TV, que aloca o seu conteúdo na nuvem da Amazon, que é subida e distribuída por meio da plataforma VOS que realiza conjuntamente o ingest, playout, gráficos, transcode e encriptação de conteúdos na nuvem para distribuir, assim, às afiliadas da emissora como para os usuários por meio de um cloudlink.

Patrick Harshman, presidente e CEO da Harmonic, afirmou neste domingo (8/4) que o processo de “virtualização” avança e que o impacto nos clientes se está vendo. “Tivemos no ano passado um recorde de clientes e novos usuários nas nossas plataformas”.

“Hoje precisamos trabalhar em parceria com os nossos clientes permitindo que eles possam reduzir custos e monetizar os seus conteúdos”, afirmou Harshman. Ele reforçou que já não importa como chega o conteúdo, o que “importa que chegue com qualidade e estabilidade”, porque “as pessoas querem receber conteúdos ao vivo com qualidade”, e para isso, é preciso desenvolver “novas tecnologias para que nossos clientes possam levar esses conteúdos aos diferentes dispositivos”.

 

Por Fernando Moura, em Las Vegas

  • Fernando Moura é professor da Universidade Anhembi Morumbi e da PUC-Campinas.